Boicote às universidades que não usam Software Livre?

Fonte: http://www.linuxmagazine.com.br/noticia/reflexoes_de_um_cachorro_louco_universidades_que_nao_usam_software_livre_ho

Reflexões de um cachorro louco: Boicote às universidades que não usam Software Livre?

Recebi recentemente um email de um jovem brasileiro pedindo-me para ir a sua universidade e conversar com os alunos e os professores sobre o uso de Software Livre. Eu costumo ficar feliz em aconselhar universidades a usarem Software Livre, mas normalmente isso é feito em conjunto com alguma grande conferência na universidade ou em outro local. Eu simplesmente não tenho tempo para visitar todas as faculdades. Mas investiguei a universidade desse aluno e descobri que, na verdade, a Microsoft é sua patrocinadora. De fato, a universidade tem um grande banner na primeira página do seu site falando sobre a Microsoft como um parceiro. Foi a primeira vez que vi uma universidade fazendo propaganda de uma empresa em seu site.

Comecei a investigar um pouco mais a cidade do aluno e descobri que há outra universidade lá que é muito ativa no Software Livre. Eles têm um mirror do Debian e promovem ativamente o Software Livre.

A princípio, pensei que talvez as duas universidades pudessem unir forças e fazer um “Dia do Software Livre” em que eu pudesse palestrar. Depois, pensei que talvez os professores da universidade próxima do Software Livre poderiam conversar com os da outra e convencê-los dos benefícios de usar esta solução para ensino ou pesquisa. Mas quanto mais eu pensava no assunto, mais eu via que essa é a abordagem errada.

Já é hora de um boicote a universidades que usam softwares proprietário de código fechado.

Dez anos atrás um boicote não seria possível. Havia muito poucas universidades com acesso a suficientes softwares livres realmente bons para pedir aos estudantes que fizessem o “sacrifício” de evitar uma universidade que só usasse software proprietário para ensinar. Agora, com a variedade de Software Livre disponível e com o mercado pedindo novos programadores treinados com técnicas de desenvolvimento de Software Livre, além de várias boas universidades usando Software Livre no ensino, o “mercado” de universidades está pronto para o boicote.

Algumas pessoas talvez pensem que um boicote é um pouco extremo, mas as universidades certamente já tiveram sua chance de se mudar para uma forma mais racional de ensinar ciência da computação, engenharia de computadores, a maioria das ciências e até certas ciências humanas. Há enormes quantidades de softwares livres em praticamente qualquer categoria. Movimentos como o Creative Commons inauguraram a possibilidade de se construir sobre o trabalho de outros. A pesquisa agora é feita com os métodos colaborativos de trabalho. A hora de usar somente software proprietário (ou apenas algum software proprietário) já passou há tempos.

As pessoas precisam se perguntar por que as universidades ainda continuam usando software proprietário. Será que a Microsoft e outras empresas pagam à universidade para usar seus softwares, engaiolando os estudantes, talvez não pagando diretamente, mas sob o disfarce de “licenças com desconto” aos alunos e professores? Esse é um argumento falso, pois a maioria dos softwares livres são gratuitos, podendo todos ser livremente distribuídos.

Será que as universidades ainda usam software proprietário por causa do mito de que “os alunos conseguirão um emprego ao sair da faculdade”, apesar do fato de que o Software Livre agora é usado em quase todas as empresas do mundo, mesmo que elas (as empresas) não saibam? Elas usam software proprietário por causa do mito de que “é impossível ganhar dinheiro com Software Livre”, apesar do fato de que importantes empresas estão ganhando (ou economizando) dinheiro com Software Livre e contratando programadores de Software Livre?

Tenho uma teoria de por que algumas universidades ainda usam software proprietário, que não é agradável. Tem a ver com a falta de honestidade intelectual nos objetivos da universidade.

A função da universidade não é “treinar o aluno para que consiga um emprego”. Sua função é “treinar o aluno a pensar”, a obter e avaliar dados, a criar informações e a liderar pessoas. A função da universidade é fazer pesquisa para contribuir para a base de conhecimento, a fim de que possamos avançar e publicar essa pesquisa para que outros também consigam avançar. Universidades, particularmente as financiadas com verbas públicas, deveriam usar Software Livre para fazer essa pesquisa, também como base de sua pesquisa. O público não deveria ter que pagar duas ou três vezes pela mesma pesquisa. Vocês estão ouvindo, legisladores que financiam universidades públicas? Vocês estão ouvindo, executivos corporativos que pagam taxas para financiar essas universidades que dependem dos alunos para iluminar suas empresas com novas idéias?

Mas a tarefa final de convencer as universidades a usarem Software Livre cabe aos alunos como meu amigo que me enviou a carta pedindo uma visita a sua universidade. Vocês precisam “votar”. Investiguem se as universidades para as quais vocês estão prestando vestibular utilizam Software Livre em seus cursos. Se a resposta for “não”, escreva para o reitor da universidade e diga “Sinto muito, mas não posso cursar uma universidade que somente ensine a usar um produto, que não use e nem promova o Software Livre”. Com isso, você terá dado um voto a favor do uso do Software Livre nessa universidade.

Você deseja fazer pesquisa? Curse uma universidade que usa e promove Software Livre.

Quando as universidades descobrirem que os melhores alunos estão indo para “as concorrentes” (e as universidades COMPETEM), elas começarão a fazer mudanças.

Carpe Diem!

Autor: admin

Professor da disciplina Software Livre na Educação, da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Um comentário em “Boicote às universidades que não usam Software Livre?”

  1. isso me lembra da placa que tem “microsoft pucrs” na frente do matadouro são lucas, e da placa “bem-vindo à biblioteca DELL”

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.