Construção de ambientes de aprendizagem

Autora: Magda Chamon
Título: O desafio do processo formativo para a construção de ambientes de aprendizagem na modalidade de educação a distância
Fonte: Extra-Classe. Revista de Trabalho e Educação. Ano 1 . Número 1 . Volume 1 . Março 2008
Disponível em: http://www.sinprominas.org.br/imagensDin/arquivos/343.pdf

RESUMO: Nosso problema de pesquisa surgiu de nossa experiência com o ensino na modalidade a distância do curso de Psicopedagogia em nível de pós-graduação lato sensu, ou seja, de nossa vivência profissional, bem como da orientação da ação das tutoras em exercício. Processo esse de gestão e de tutoria que, a todo momento, nos desafia e nos impulsiona para a reflexão e a produção de saberes ainda recentes em nossa realidade. Frente a ausência de cursos sistematizados que ofereçam uma formação específica para essa modalidade de ensino, temos nos investido de constantes questionamentos alicerçados na crença da estreita relação entre concepção de educação e métodos de ensino, bem como da imbricação entre processo formativo transformador mediado por novas tecnologias (Tics) e o fortalecimento da identidade profissional. Buscamos desvelar não só o funcionamento e o comprometimento do currículo do curso e de seus impactos nas práticas psicopedagógicas dos aprendizes, mas, também, a forma de gestão empreendida no mesmo, visando uma formação continuada dos tutores e na subseqüente criação de ambientes ricos de aprendizagem. Foi nosso propósito avaliar os impactos do curso junto aos alunos/educadores, considerando as exigências contemporâneas de um perfil profissional, que necessita gerir não somente seu espaço de sala de aula, mas estabelecer, também, relações com os vários segmentos das comunidades educativas em sua complexidade, tendo como referência a formação continuada.

PALAVRAS-CHAVE: formação docente; educação a distância; gestão colegiada; formação em serviço.

Este estudo analisa os impactos da gestão e da realização do Curso de Pós-Graduação na modalidade a distância de Especialização em Psicopedagogia, mediado pelas novas tecnologias em uma Instituição de Ensino Superior (IES), em relação às exigências de formação na contemporaneidade de um novo perfil de professor, que necessita gerir não somente o seu espaço de sala de aula, mas de estabelecer relações com a complexidade do mundo atual e permanecer em constante aprendizado.

A partir dos processos de elegibilidade de direção em escola pública, todos os professores passaram a ser candidatos em potencial, e assim, competindo no mesmo patamar de atuação como possíveis gestores escolares. Dessa forma, coloca-se a necessidade dos cursos de formação de professores de ampliar os conhecimentos sobre as relações produzidas nos ambientes educativos que permeiam o processo de ensino e aprendizagem e que não se limitam apenas ao professor e ao aluno, mas que envolvem a todos que se inter-relacionam.

O objeto de estudo dessa investigação constitui-se das análises das micro-gestões compartilhadas e gerenciadas pela coordenação do curso de Especialização em Psicopedagogia na modalidade a distância e suas repercussões na aquisição e construção de conhecimentos pelos tutores e alunos e na produção de novas subjetividades.

Estabelecemos como categorias de análises a organização e gestão compartilhada do curso, sua proposta curricular com o foco na interdisciplinaridade dos conteúdos e as influências no desempenho das alunas quanto à autonomia na condução da gestão coletiva dos grupos de estudo. Dessa forma, analisou-se a dinâmica das relações concebidas e estabelecidas entre a coordenação e as tutoras e seus alunos, com o objetivo de uma formação continuada. Buscou-se entender a aproximação entre a concepção do curso e sua efetiva materialidade através do acompanhamento das tutoras aos alunos.

Diante do desafio de efetivar um curso de qualidade para atender a uma demanda de 274 alunos de diversas regiões do estado de Minas Gerais, a concepção do curso utiliza ferramentas tecnológicas da Internet com uma plataforma de trabalho específica, lócus onde é estabelecida a mediação dialógica entre as tutoras e os alunos, num constante processo educativo. Dessa maneira, o curso traz a possibilidade de superação da distância geográfica pela mediação pedagógica, auxiliada pelas novas tecnologias ao propiciar que todos os segmentos envolvidos: coordenação, tutoras e alunos estabelecessem interação por meio da plataforma de trabalho.

Além das interações viabilizadas pela Internet, o curso ofereceu momentos presenciais com a participação de especialistas de diversas áreas de estudo, que dinamizavam palestras dialógicas com os alunos e as tutoras. Esse diálogo com os especialistas teve continuidade com as tutoras durante todo o desenvolvimento do curso, nas disciplinas e através de material didático-científico.

No estudo, propomos analisar os impactos do curso em seus diferentes momentos de desenvolvimento, tomando como ponto de partida a concepção do curso que tinha o intuito de possibilitar um processo de gestão compartilhada e uma arquitetura coletiva de trabalho, bem como sua repercussão na dialetização do processo formativo de tutoras e alunos. Dessa maneira, esse trabalho buscou a realimentação da discussão sobre a formação docente na modalidade a distância, numa concepção ampla, que entende o ato educativo como um ato de gestão, que envolve todas as relações que se estabelecem na escola. Sendo assim, a pesquisa buscou analisar as incorrências da dinâmica das relações de gestão do curso e sua organização curricular na implementação de práticas transformadoras consubstanciadas por novos conceitos sobre os processos de trabalho coletivo nas escolas.

O contexto educacional e as microgestões do curso de Psicopedagogia

O campo educacional teve alterações significativas em seu contexto nos últimos vinte anos no Brasil. Arroyo (2004) analisa em seu livro: Ofício de Mestre – Imagens e auto-imagens, as mudanças e as expectativas em torno desse trabalho singular que é a arte de ensinar. Dessa forma, acentua-se a necessidade de uma forma contínua dos professores para adquirir as habilidades e competências que a contemporaneidade coloca como desafio.

Entre os vários desafios postos, um deles teve ampla projeção, pela mudança radical e que se estabeleceu a partir de sua implantação do processo de elegibilidade de gestores escolares, como uma conquista dos profissionais da educação no vislumbre de ampliação dos processos democráticos de gestão escolar.

A conquista do principio constitucional da gestão democrática, em 1988, em estabelecimentos oficiais dos sistemas de ensino representou e continua representando um passo admirável para a vida democrática de nossos estabelecimentos e para os próprios sistemas de ensino. Ela implica a participação cidadã dos interessados e a necessidade de prestação de contas por parte dos dirigentes e dos próprios docentes quanto aos objetivos da educação escolar (CURY, 2005, p. 9).

As conquistas relacionadas à elegibilidade de diretores de escolas públicas almejaram avanços para a construção de uma gestão democrática, ao mesmo tempo em que propugnava ao professor uma nova postura frente à escola. Assim, “o trabalho docente não é definido apenas como atividade de sala de aula, devendo compreender a gestão da escola” (OLIVEIRA, 2006, p. 224).

(…)


O texto integral encontra-se na fonte indicada acima.


Mais recente modificação por

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.