Como meditar pode nos ajudar neste momento

A palavra “meditação” vem do latim “meditatum”, que significa ponderar. A primeira vez que o termo foi utilizado foi pelo Monge Guigo II, no século 12. Os primeiros registros da prática eram geralmente associados a um contexto religioso. Especialmente em alguns registros pré-históricos, onde as civilizações mais antigas entoavam mantras e entravam em uma espécie de êxtase durante os rituais de oferenda para seus deuses. Escrituras na Índia sugerem que a forma de meditação mais próxima do que conhecemos hoje surgiu há cerca de 3 mil anos antes de Cristo. Com o passar do tempo, a prática se espalhou pela Ásia.  E foi sofrendo pequenas transformações ao ser adotada por diversas religiões como o Budismo, o Hinduísmo e o Judaísmo.

Apesar dos métodos serem diversos, o objetivo da meditação era um: entrar em contato com a essência e evoluir. Durante muito tempo, a meditação ficou restrita a países orientais.Somente no século 20  a meditação foi popularizada nos Estados Unidos. A princípio houve uma grande resistência à prática da meditação no Ocidente. Tanto pela sua associação com religiões não praticadas no Ocidente, quanto pela crença de que para praticar seria necessário se isolar do mundo. Exatamente como os monges budistas. Hoje, se você não pratica meditação com regularidade, certamente conhece alguém que é adepto.

Foi somente a partir de 1960 que os benefícios da meditação começaram a ser seriamente estudados por pesquisadores como o professor de Harvard, Dr Hebert Benson (https://bensonhenryinstitute.org/about/dr-herbert-benson). Em 1967,  ele descobriu que pessoas em estado meditativo usavam cerca de 17% menos oxigênio. Além disso,  apresentavam menor pressão sanguínea e aumento na produção de ondas cerebrais. Essenciais para  ajudar a melhorar a qualidade do sono.

Os benefícios da meditação foram validados pela ciência através de inúmeros estudos. Assim, a prática foi sendo adotada por celebridades como os Beatles na década de 70. E mais tarde, já nos anos 90, por atores de Hollywood, atletas de alta performance e empreendedores. Existem centenas de estudos para embasar os benefícios da meditação na saúde. Segundo o estudo da Universidade de Harvard, 19 pessoas que sofriam com crises de enxaqueca constante começaram a meditar, por 8 semanas. No Brasil, existe um estudo feito pela Unifesp, em parceria com o Hospital São Matheus, que contou com um grupo de 140 idosos praticando meditação por 2 meses, 2 vezes por semana (https://newsroom.wakehealth.edu/News-Releases/2014/09/Meditation-May-Mitigate-Migraine-Misery).

Ao invés de focar apenas no desenvolvimento espiritual, a meditação passou a ser utilizada como ferramenta para promover o relaxamento, obter mais saúde e afiar a mente. Meditar nada tem a ver com esvaziar a mente de pensamentos. No mínimo você teria que pensar para não pensar. Mais do que isso, a meditação é um exercício de foco e concentração que promove relaxamento físico e equilibra o psicológico de quem pratica.

Nossa mente, especialmente em um mundo cheio de estímulos, tende a desfocar rapidamente. E durante a prática da meditação, principalmente se você está iniciando, isso também acontece com bastante frequência. Uma lição que aprendi quando estava ainda começando minha prática diária de meditação, foi justamente prestar atenção na minha respiração. A meditação também pode ser um alívio para uma das dores mais chatas que existem: a dor de cabeça. Manter a mente concentrada e focada é pré-requisito para quem deseja atingir o máximo de resultados possível. Eu descobri, por experiência própria que um dos benefícios da meditação é o aumento da alta performance. No entanto, uma pesquisa feita pelo departamento de psicologia da Universidade de Santa Bárbara comprovou que, em apenas algumas semanas, a meditação melhorou a capacidade de concentração e de memória dos participantes.

Existem diversos métodos de meditacão, com diferentes propósitos tais como o mindfulness, a meditacao guiada, a transcendental, a dinâmica, a concentrativa, a Shinsokan, o Zazen, Vipassana, Hoponopono, Sudarshan Krya, Qygong e Acem. Para saber um pouco sobre cada uma sugiro uma busca na Internet. (https://www.minhavida.com.br/bem-estar/tudo-sobre/1042-meditacao)

Diante dessa proposta, participei a algumas semanas de um curso online sobre o poder da meditação organizado pela Universidade Estadual de Santa Catarina, onde existe inclusive, um centro de estudos sobre o tema (https://www.udesc.br/ceplan/meditacao). Mas confesso que nem sempre foi fácil manter minha mente clara e sem pensamentos aleatórios. O que vivia atrapalhando minha produtividade. Só depois que comecei o projeto de meditar foi que percebi que estava, literalmente, jogando tempo fora ao me distrair com coisas sem nenhuma importância. 

Meditar não era propriamente uma novidade para mim, depois de anos particando yoga e me aventurando isoladamente em algumas técnicas, mas confesso que o sistema guiado, on-line foi um desafio. Um tanto cética, lá fui eu, seguir as orientações da professora achando esquisito fazer isso ao mesmo tempo em que mantinha o computador aberto, pois todas as minhas meditações seme foram muito baseadas em desconectar da internet e dos equipamentos de informática. Depois de uma hora, que eu mal percebi que tinha passado, consegui perceber que eu realmente me conectei com a ministrante e consegui desligar do mundo ao meu redor, ocasionando em um profundo relaxamento. Lendo sobre os beneficios de tecnicas medidativas, de diferentes abordagens, nesse nosso período tão turbulento e de excesso de horas online.

Muito se tem falado sobre a necessidade de uma manter uma rotina de exercícios físicos, da importância de uma alimentação saudável, de se conectar com familiares e amigos, da rotina de trabalho, das tarefas domésticas, de não passar o dia no “modo pijama”, etc. Tudo isso é, com certeza muito importante, mas a nossa saúde mental precisa ser a prioridade e cuidar dela requer uma certa disciplina. Pensado nisso, além do link do ceplan acima, que eu super recomendo,você pode investir em livros sobre o tema ou ouvir podcasts sobre meditação ou músicas que te ajudem a acalmar e entrar em um estado de relaxamento ativo, somente no Spotify existem centenas de playlists sobre isso, separamos também alguns aplicativos que podem te ajudar. Aplicativos para te ajudar a meditar: 5 minutos, Aura, Medite.se, Zen, Headspace, Insight Timer, Vivo Meditação.

Depois que você experimentar não deixa de vir aqui nos comentários e nos contar o que achou, ok? boa meditação e que isso te ajude (como tem me ajudado) a manter o foco e uma sanidade mínima nesses tempos tão loucos.

por Andrea Loguercio, julho de 2020.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *