Materiais buscam ampliar a cobertura para o rastreamento do câncer do colo do útero

04/01/2021

Dois vídeos e uma nota técnica foram produzidos pelo TelessaúdeRS-UFRGS, em parceria com a Secretaria Estadual de Saúde do Rio Grande do Sul, a fim de melhorar a cobertura do rastreamento do câncer do colo do útero. 

Considerando que  o rastreamento deve ser realizado nas mulheres de 25 a 64 anos, que tenham iniciado a vida sexual, ⅓ dessas mulheres deverá realizar o exame citopatológico a cada ano. Isso porque, não havendo alteração no resultado, o mesmo deve ser realizado a cada três anos. Vale ressaltar que em casos específicos a frequência da coleta do exame, pode ser realizada em intervalos menores. 

A nota técnica aponta as competências da Gestão Municipal e Estadual na organização das funções da Atenção Primária à Saúde (APS) e dos Laboratórios. Além disso, serve como guia rápido de orientações sobre o público-alvo, coleta do exame, fluxo do material coletado e encaminhamentos.

Já os vídeos, produzidos a partir da nota técnica, demonstram as boas práticas de coleta, além dos preparos e orientações, tanto para o profissional quanto para a paciente. O primeiro vídeo, mais informativo, pode ser conferido neste link. Já o segundo, com orientações sobre a forma da coleta, pode ser assistido aqui

Médicas (os), enfermeiras (os) e dentistas da Atenção Primária à Saúde podem tirar eventuais dúvidas sobre o tema por meio das teleconsultorias pelo telefone 0800 644 6543.

Com dúvida clínica?

conheça nossa teleconsultoria

Essa resposta foi gerada a partir de uma da mais de 100 mil teleconsultorias realizadas por nós atráves do 0800 644 6543, canal gratuito para resolução de dúvidas de profissionais da saúde de todo o Brasil.

+ Lidas

acessar todas

Tuberculose: 10 coisas que você precisa saber

Amamentação: quando as condições de saúde da mãe ou do bebê contraindicam o leite materno?

Tudo que você precisa saber sobre queimaduras solares