Saúde do homem, além da próstata

Saúde do homem em tempos de pandemia

Mesmo com a pandemia pelo novo coronavírus, as demais doenças continuam existindo e seguem afetando a vida de milhares de pessoas.

Devido ao isolamento social, muitas doenças crônicas, incluindo o câncer de próstata, podem não estar sendo diagnosticadas e adequadamente tratadas. [9]


Saúde do homem: o que é importante fazer?

  • Incluir atividade física na rotina.
  • Não fumar ou parar de fumar.
  • Evitar sobrepeso ou obesidade.
  • Evitar consumo excessivo de álcool.

É importante procurar atendimento médico de rotina?

Para homens sem sintomas, não há regra em relação a periodicidade das consultas médicas. Entretanto há várias medidas preventivas que funcionam e devem ser feitas:

  • Medir a pressão arterial.
  • Medir o peso corporal.
  • Medir o colesterol até de 5 em 5 anos após os 40 anos (nas pessoas que não utilizam medicamento).
  • Teste para Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST), como HIV, Sífilis, Hepatites.

Conhecer o seu corpo e observar alterações:

Na pele, no hábito intestinal, no apetite ou na qualidade do sono.

Manter uma rotina de hábitos saudáveis. Conviver com amigos, famílias ou pessoas agradáveis.

Essas são medidas que melhoram a saúde e a qualidade de vida.


O que é a próstata?

A próstata é uma glândula pequena, presente nos homens, responsável pela produção de líquido seminal (líquido lubrificante que faz parte do esperma masculino).


O que é o câncer de próstata?

O câncer de próstata é o crescimento desgovernado das células da próstata. As células cancerígenas são capazes de se multiplicar e invadir órgão vizinhos ou, podem ainda, se espalhar para outras regiões do corpo, gerando metástases.


Existem tipos diferentes de câncer de próstata?

Sim! A maioria das vezes é um câncer de desenvolvimento lento, não dá sintomas e não causa prejuízo pra saúde O objetivo é identificar os pacientes que apresentam câncer de evolução rápida e progressivo com grande capacidade de invadir outros locais do corpo.

O PSA não diferencia o câncer de desenvolvimento lento do câncer agressivo.


Quais os fatores de risco para o câncer de próstata?

  • Idade > 50 anos.
  • Irmão ou pai com câncer de próstata.
  • Cor de pele preta.

O Câncer de Próstata é o tumor maligno mais frequente na população masculina, após o câncer de pele.

Os números da Próstata:

Segundo os dados do Instituto Nacional do Câncer (INCA), espera-se para 2020 o diagnóstico de aproximadamente 65 mil novos casos de câncer de próstata no Brasil.

Já a estimativa para 2020 é que o Rio Grande do Sul tenha 3.980 novos casos de câncer de próstata, aproximadamente 71 casos para cada 100 mil habitantes.


Rastreamento é o exame oferecido para pacientes sem sintoma.

A Secretaria Estadual de Saúde do Rio Grande do Sul, o TelessaúdeRS- UFRGS, a AGMFC e a Choosing Wisely Brasil destacam:

Em virtude de danos não intencionais associados e baixo benefício, não se deve indicar rastreamento universal para câncer de próstata através de PSA ou toque retal para homens assintomáticos e sem história familiar da doença, independentemente da idade. Contudo, todos os homens que apresentam sintomas relacionados à próstata devem procurar atendimento médico para investigação diagnóstica, assim como aqueles de cor de pele preta para aconselhamento sobre rastreamento.


Descobri que tenho Câncer de Próstata. Tenho que fazer uma cirurgia de retirada da próstata, ou tratamento com radioterapia?

O câncer de próstata pode ter um comportamento lento ou agressivo. Nos casos de câncer com comportamento agressivo, geralmente é necessário tratamento com cirurgia ou radioterapia. Entretanto, 30 a 50% dos cânceres de próstata são de baixo risco, e por isso tem crescimento lento,sendo possível não realizar um tratamento logo no diagnóstico (e talvez nunca precise). Esse tipo de conduta é chamada de “Vigilância Ativa”. Nesses casos, o paciente é acompanhado para avaliar o comportamento do câncer, e evita as complicações dos tratamentos como a impotência e a incontinência urinária. O melhor é discutir o tratamento com seu urologista. Se durante o acompanhamento o câncer parecer agressivo, o tratamento pode ser alterado conforme critério médico.