A COVID-19 pode causar alopecia (queda de cabelo)?

Existem estudos observacionais e vários relatos de casos na literatura descrevendo quadros de eflúvio telógeno após a COVID-19 [1,2,3,4,5,6,7,8,9]. O quadro foi observado majoritariamente em mulheres [1,3,4,5,6,7] e ocorreu tanto em pessoas que apresentaram infecção assintomática, quanto naqueles com infecção febril e mais grave, nestes últimos a queda de cabelo foi mais pronunciada [1,3]. No maior estudo publicado até o momento, com 214 pacientes diagnosticados com eflúvio telógeno, dos quais 191 indivíduos tinham diagnóstico positivo para  SARS-CoV-2, esse sintoma iniciou após uma média de 57 dias do diagnóstico de COVID-19 [1], variando entre 3 semanas e 7 meses nos demais [5,7,8,9]. 

Na maioria dos casos, a alopecia cessa espontaneamente após 3 a 6 meses do seu início [3,6,7,8].  O manejo consiste na tranquilização e educação do paciente em relação ao caráter autolimitado do quadro, com duração de até 6 meses, e início de repilação espontânea após esse período. A recuperação completa da quantidade e espessura dos fios pode demorar até 18 meses [7]. 

Em pacientes com alopecia desproporcional à gravidade do quadro, apresentações muito prolongadas (> 6 meses) ou presença de achados no exame físico em que sugiram outras etiologias é necessário afastar outras causas de eflúvio telógeno, como: estresse emocional importante, perda rápida de peso, deficiências nutricionais (principalmente anemia) e uso de medicamentos, como por exemplo anticoagulantes [10]. Exames complementares não são indicados rotineiramente, mas podem ser solicitados conforme a suspeita clínica e incluem: hemograma, TSH, e ferritina [10,11,12,13,14,15].

Para saber mais sobre o eflúvio telógeno veja aqui

Caso complexo na APS?

Discuta-o com nossos especialistas através do 0800 644 6543, o canal gratuito para profissionais da saúde de todo o Brasil

Resolva casos complexos junto com nossos especialistas através do 0800 644 6543,
o canal gratuito para profissionais da saúde de todo o Brasil

Referências:

  1. Moreno‐Arrones OM, Lobato-Berezo A, Gomez-Zubiaur A, Arias-Santiago S, Saceda-Corralo D, Bernardez-Guerra C, et al. SARS‐CoV‐2‐induced telogen effluvium: a multicentric study. J Eur Acad Dermatol Venereol. 2020. Doi 10.1111/jdv.17045.
  2. Cheng D, Calderwood C, Skyllberg E, Ainley A. Clinical characteristics and outcomes of adult patients admitted with COVID-19 in East London: a retrospective cohort analysis. BMJ Open Respir Res. 2021 Mar;8(1):e000813. Doi 10.1136/bmjresp-2020-000813.
  3. Trüeb RM, Rezende HD, Dias MFRG. What can the hair tell us about COVID‐19?. Experimental Dermatol 2020;30:288-90. Doi 10.1111/exd.14259.
  4. Cline A, Kazemi A, Moy J, Safai B, Marmon S. A surge in the incidence of telogen effluvium in minority predominant communities heavily impacted by COVID-19. J Am Acad Dermatol. 2021 Mar;84(3):773-5. Doi 10.1016/j.jaad.2020.11.032.
  5. Mieczkowska K, Deutsch A, Borok J, Guzman AK, Fruchter R, Patel P, et al. Telogen effluvium: a sequela of COVID‐19. Int J Dermatol. 2020:1-3. Doi 10.1111/ijd.15313.
  6. Rizzetto G, Diotallevi F, Campanati A, Radi G, Bianchelli T, Molinelli E, et al. Telogen effluvium related to post severe Sars‐Cov‐2 infection: clinical aspects and our management experience. Dermatol Ther. 2020:e14547. Doi 10.1111/dth.14547.
  7. Olds H, Liu J, Luk K, Lim HW, Ozog D, Rambhatla PV. Telogen effluvium associated with COVID‐19 infection. Dermatol Ther. 2021: e14761. Doi 10.1111/dth.14761.
  8. Lv S, Wang L, Zou X, Wang Z, Qu B, Lin Q, et al. A case of acute telogen effluvium after SARS-CoV-2 infection. Clin Cosmet  Investig Dermatology 2021;14:385-7. Doi 10.2147/CCID.S307982.
  9. Domínguez-Santás M, Martínez LH, Fernández-Nieto D, Jiménez-Cauhé J, Suárez-Valle A, Díaz-Guimaraense B. Acute telogen effluvium associated with SARS-CoV-2 infection. Aust J Gen Pract 2020 Aug;49(Suppl 32):1-2. Doi 10.31128/AJGPCOVID-32.
  10. Bergfeld W. Telogen effluvium. Waltham (MA): UpToDate; [atualizado em 7 Dec 2020, citado em 23 Jul 2021]. Disponível em: https://www.uptodate.com/contents/telogen-effluvium. 
  11. Rasheed H, Mahgoub D, Hegazy R, El-Komy M, Hay RA, Hamid MA, et al. Serum ferritin and vitamin d in female hair loss: do they play a role?. Skin Pharmacol Physiol. 2013;26(2):101-7. Doi 10.1159/000346698.
  12. Cheung EJ, Sink JR, English III JC. Vitamin and mineral deficiencies in patients with telogen effluvium: a retrospective cross-sectional study. J Drugs Dermatol. 2016 Oct 1;15(10):1235-7. PMID 27741341.
  13. Gerkowicz A, Chyl-Surdacka K, Krasowska D, Chodorowska G. The role of vitamin D in non-scarring alopecia. Int J Mol Sci. 2017 Dec;18(12):2653. Doi 10.3390/ijms18122653.
  14. Nayak K, Garg A, Mithra P, Manjrekar P. Serum vitamin D3 levels and diffuse hair fall among the student population in South India: a case–control study. Int J Trichology. 2016 Oct-Dec;8(4):160-4. Doi 10.4103/ijt.ijt_57_16.
  15. Dynamed. Record No. T910284, Hair loss in adults: approach to the patient. Ipswich (MA): EBSCO Information Services; 1995 [atualizado em 30 Nov 2018, citado em 23 Jul 2021]. Disponível em: https://www.dynamed.com/topics/dmp~AN~T910284.   

Como citar este documento:

Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Programa de Pós-Graduação em Epidemiologia. TelessaúdeRS (TelessaúdeRS-UFRGS). A COVID-19 pode causar alopecia? Porto Alegre: TelessaúdeRS-UFRGS; 23 Jul 2021 [citado em “dia, mês abreviado e ano”]. Disponível em: https://www.ufrgs.br/telessauders/posts_coronavirus/covid-19-pode-causar-alopecia/.

Teleconsultoria por:

Juliana Nunes Pfeil

Médica de Família e Comunidade

ver Lattes

Kelli Wagner Gomes

Dermatologista

ver Lattes

Revisão por:

Elise Botteselle de Oliveira

Médica de Família e Comunidade

ver Lattes

Luíza Emília Bezerra Medeiros

Médica e Família e Comunidade

ver Lattes

+ Lidas

acessar todas

Como é feito e como deve ser interpretado o resultado do teste de absorção da lactose?

Qual o tratamento para escabiose (sarna)?

Como deve ser feita a reposição de vitamina B12?