Quais os anti-hipertensivos podem ser utilizados na gestação?

Publicado em 15/02/2017

O tratamento farmacológico inicial de escolha para hipertensão na gestação é feito com Metildopa, pois é a droga mais estudada e sem efeitos adversos para o feto. A dose inicial é de 250mg, duas a três vezes ao dia, aumentando a cada 2 dias conforme necessário, utilizar até de 6 em 6 horas (dose máxima de 3000 mg/dia). As contraindicações são hipersensibilidade, doença hepática ativa e uso concomitante com inibidores da MAO.

Quando houver necessidade de uma segunda droga para controle da pressão arterial ou quando a Metildopa não estiver disponível, pode-se utilizar a Nifedipino de liberação lenta (Retard) de 30 a 90 mg/dia (aumentar em intervalos de 7 dias; dose máxima 120 mg/dia) ou Hidralazina 25 mg, meio comprimido, quatro vezes ao dia (aumentando de 12,5 a 25 mg/dia a cada 2 a 4 dias; dose máxima 200 mg/dia).  A escolha deve-se basear no acesso à medicação e no perfil de efeitos adversos. Anlodipino e Verapamil podem ser consideradas drogas alternativas, porém há poucos dados sobre o uso dessas medicações na gestação. Clonidina também pode ser utilizada, porém devido a efeitos adversos e risco de rebote, outras medicações são preferidas.

Para gestantes portadoras de HAS crônica que estão em uso de anti-hipertensivos, com pressão arterial abaixo de 120/80 mmHg e sem lesão em órgão-alvo, recomenda-se reduzir ou mesmo descontinuar o tratamento e iniciar monitoramento cuidadoso da pressão arterial.  Quando houver necessidade de manutenção do tratamento, diuréticos tiazídicos  podem ser mantidos. No entanto, na presença de pré-eclâmpsia e/ou crescimento intrauterino restrito (CIUR), devem ser descontinuados. Deve-se sempre suspender o uso de Inibidores da ECA (Captopril, Enalapril), antagonistas dos receptores da Angiotensina II (Losartan) e de Espironolactona.  A manutenção de betabloqueadores deve ser avaliada individualmente, uma vez que sua segurança é controversa e foram associados em estudos observacionais com CIUR, apneia neonatal, bradicardia e hipoglicemia. Deve-se considerar manter o uso em casos de arritmia ou cardiopatia isquêmica, por exemplo. Dentre os betabloqueadores, preferir o uso de Metoprolol.

Na HAS não-complicada, o alvo da pressão é de 130 a 150 mmHg de sistólica e de 80 a 100 mmHg de diastólica. Em pacientes com HAS complicada (lesão em órgão-alvo, doença cardiovascular concomitante) o alvo é de 120 a 140 mmHg de sistólica e de 80 a 90 mmHg de diastólica. Os anti-hipertensivos utilizados na HAS crônica não protegem contra a progressão para pré-eclâmpsia sobreposta. Na suspeita de pré-eclâmpsia, a paciente deve ser avaliada em Emergência Obstétrica/ Centro Obstétrico imediatamente. Crise hipertensiva na gestação (pressão arterial sistólica maior ou igual a 160 mmHg ou pressão arterial diastólica maior ou igual a 110 mmHg) também é indicação de encaminhamento para Emergência Obstétrica/ Centro Obstétrico.

Referências

AUGUST, P. Management of hypertension in pregnant and postpartum women [Internet]. Waltham (MA): UpToDate, 2018. Disponível em: <https://www.uptodate.com/contents/management-of-hypertension-in-pregnant-and-postpartum-women> Acesso em: 15 de fev. 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Atenção ao pré-natal de baixo risco. Brasília: Ministério da Saúde, 2012. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cadernos_atencao_basica_32_prenatal.pdf>. Acesso em: 15 fev. 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Gestação de alto risco: manual técnico. 5. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2012. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_tecnico_gestacao_alto_risco.pdf>. Acesso em: 15 fev. 2018.

DUNCAN. B. B. et al. Medicina Ambulatorial: condutas de atenção primária baseadas em evidências. 4. ed. Porto Alegre: Artmed, 2013.

DYNAMED PLUS. Record n. 116522, Hypertensive disorders of pregnancy [Internet]. Ipswich (MA): EBSCO Publishing, 2018 [atualizado em 11 fev. 2018]. Disponível em: <http://www.dynamed.com/topics/dmp~AN~T116522/Hypertensive-disorders-of-pregnancy>.  Acesso em: 15 fev. 2018.

FREITAS, F. M. et al. Rotinas em obstetrícia. 7. ed. Porto Alegre: ArtMed, 2017.

HARZHEIM, E.; KATZ, N.; AGOSTINHO, M. (Org.).  Protocolos de encaminhamento para obstetrícia (pré-natal de alto risco) [Internet]. Porto Alegre: Secretaria Estadual da Saúde; TelessaúdeRS-UFRGS, 2016. Disponível em: <https://www.ufrgs.br/telessauders/documentos/protocolos_resumos/protocolo_encaminhamento_obstetricia_TSRS_20160324.pdf>. Acesso em: 15 fev. 2018.

MAGLOIRE, L. Gestational hypertension [Internet]. Waltham (MA): UpToDate, Inc., 2018. Disponível em: <https://www.uptodate.com/contents/gestational-hypertension>. >. Acesso em: 15 fev. 2018.

 

Teleconsultoria respondida por:
Juliana Nunes Pfeil, Médica de Família e Comunidade – http://lattes.cnpq.br/0825312213168769

 

Revisão:

Ellen Machado Arlindo, Médica Ginecologista e Obstetra – http://lattes.cnpq.br/7610400798955245
Elise Botteselle de Oliveira, Médica de Família e Comunidade – http://lattes.cnpq.br/8444756167343059
Priscila Raupp da Rosa, Médica Cardiologista – http://lattes.cnpq.br/1510752276232720
Gostou do Nosso Conteúdo? Compartilhe com seus contatos:

Notícias Relacionadas