Caso suspeito de sarampo: quando notificar e qual a conduta?

16/07/2019

Deve ser notificado qualquer caso suspeito de sarampo, independente da idade e da situação vacinal, que preencha os seguintes critérios:

Paciente que apresentar febre e exantema maculopapular, acompanhados de um ou mais dos seguintes sintomas:

  • tosse; ou
  • coriza; ou
  • conjuntivite.

É importante que no processo de investigação se identifique história de viagem ou contato com viajantes para áreas com circulação do vírus, nos últimos 30 dias. O período de transmissibilidade do sarampo inicia-se 6 dias antes do exantema e dura até 4 dias após seu aparecimento. O vírus vacinal não é transmissível.

Frente a um caso suspeito, as seguintes medidas devem ser adotadas:

  1. Isolamento respiratório do caso suspeito: após identificado, preferencialmente desde a triagem, o paciente deve ser alocado a uma sala privativa em uso de máscara comum. Caso o paciente não necessite de internação, deve permanecer em isolamento domiciliar por até 4 dias após o início do período exantemático. Deve-se evitar frequentar creche, escola, trabalho, agrupamentos e qualquer contato com pessoas suscetíveis neste período.
  2. Notificação do caso: fazer a notificação dentro das primeiras 24 horas após o atendimento do paciente, via telefone, à Secretaria Municipal de Saúde e à Vigilância Epidemiológica Estadual. No Rio Grande do Sul, a notificação poderá ser feita ao Disque Vigilância, através do número 150 do Centro Estadual de Vigilância em Saúde (CEVS). Além disso, a notificação deve ser registrada no Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN), na ficha de notificação específica.
  3. Coleta de exames: deve ser coletada amostra de sangue para pesquisa de Sarampo IgM e IgG  no primeiro contato com o paciente. Exames coletados entre o 1º e o 30º dia do aparecimento do exantema são considerados amostras oportunas. Também se recomenda a coleta de material para identificação viral (swab oro/nasofaríngeo e urina), até o 7º dia após o início do exantema, idealmente nos 3 primeiros dias. Exames coletados após o período recomendado são considerados tardios, mas, mesmo assim, devem ser enviados ao laboratório.
  4. Busca ativa de contatos: a investigação na comunidade tem o objetivo de identificar a ocorrência de outros casos suspeitos e verificar a situação vacinal dos contatos. Ela é realizada, principalmente, em torno da área de residência e convivência do caso suspeito, ambiente de trabalho, escola, creche, igreja e outros locais frequentados pelo paciente nos últimos 30 dias. A listagem precisa ser nominal, com telefone, e os contatos devem ser acompanhados por 30 dias, visando identificar possíveis casos secundários.
  5. Bloqueio vacinal: deve ser realizada vacinação seletiva nos contatos em até 72 horas após a identificação do caso suspeito. A vacina tríplice viral ou tetra viral é administrada conforme a situação vacinal dos contatos (mediante comprovação na carteira de vacinação), conforme descrito a seguir.
  • Entre 6 meses até 11 meses e 29 dias: devem receber uma dose da tríplice viral. Esta dose não será válida para a rotina de vacinação, devendo-se agendar a primeira dose da vacina tríplice viral aos 12 meses de idade e a dose de tetra viral aos 15 meses de idade;
  • Entre 12 meses e 49 anos: devem ser vacinados conforme o calendário vacinal de rotina.
    • 12 meses a 29 anos: duas doses de vacina com componente sarampo;
    • 30 a 49 anos: uma dose de tríplice viral;
    • profissionais de saúde, independente da idade: duas doses de tríplice viral.
  • Acima de 50 anos: devem receber uma dose de vacina tríplice viral, se não tiverem comprovação de recebimento de nenhuma dose de vacina com componente sarampo.

A vacina tríplice viral é contraindicada para: gestantes, crianças menores de 6 meses de idade e pessoas com sinais e sintomas de sarampo. Pessoas imunocomprometidas ou portadoras de condições clínicas especiais deverão ser avaliadas nos Centros de Referência para Imunobiológicos Especiais (CRIE) antes da vacinação.

É importante a sensibilidade dos profissionais de saúde em detectar oportunamente um caso suspeito de sarampo, bem como executar todas as ações de controle relacionado ao caso.

Clique aqui para ler a pergunta da semana sobre sintomas do sarampo e seus diagnósticos diferenciais.

Clique aqui para ler a pergunta da semana sobre a vacinação contra o sarampo.

Clique aqui para obter informações sobre a situação dos casos no Brasil.

 

Referências:

  1. Brasil. Ministério da Saúde. Guia de vigilância em saúde. 3ª ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2019. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/guia_vigilancia_saude_volume_unico_3ed.pdf
  2. Toscano CM. Doenças febris exantemáticas. In: Duncan BB, Schmidt MI, Giugliani ERJ, Duncan MS, Giugliani C, et al. Medicina Ambulatorial: condutas de atenção primária baseadas em evidências. 4ª ed. Porto Alegre: Artmed; 2013. p. 1342 e 1384-1397.
  3. Gans H, Maldonado YA. Measles: Clinical manifestations, diagnosis, treatment, and prevention [Internet]. Waltham (MA): UpToDate, Inc.; 2019 [citado em 2019 Jul 15]. Disponível em: https://www.uptodate.com/contents/measles-clinical-manifestations-diagnosis-treatment-and-prevention
  4. Centers for Disease Control and Prevention. Measles Home [Internet]. Atlanta: CDC; 2019 [citado em 2019 Jul 15]. Disponível em:  https://www.cdc.gov/measles/hcp/index.html
  5. Rio Grande do Sul. Secretaria Estadual da Saúde. Centro Estadual de Vigilância Sanitária. Nota Informativa 26/09/2018. Assunto: atualização do cenário epidemiológico do sarampo no Rio Grande do Sul (RS). Porto Alegre: CEVS; 2018 [citado em 2019 Jul 15]. Disponível em: https://saude.rs.gov.br/upload/arquivos/carga20190404/30140432-01110237-nota-informativa-sarampo-rs-26-09-2018.pdf
  6. Rio Grande do Sul. Secretaria Estadual da Saúde. Centro Estadual de Vigilância Sanitária. Nota Informativa: investigação de casos suspeitos de sarampo – 18/06/2018. Porto Alegre: CEVS; 2018 [citado em 2019 Jul 15]. Disponível em: https://www.cevs.rs.gov.br/upload/arquivos/201806/18161644-nota-informativa-investigacao-de-casos-suspeitos-de-sarampo.pdf
  7. Strebel PM, Orenstein WA. Measles [Internet]. N Engl J Med. 2019 Jul 10 [citado em 2019 Jul 15]. Disponível em: https://www.nejm.org/doi/full/10.1056/NEJMcp1905181
  8. Brasil. Ministério da Saúde. Plano de contingência para resposta às emergências de Saúde Pública: sarampo [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2016 [citado em 2019 Jul 15]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/plano_contingencia_resposta_emergencias_sarampo.pdf

Teleconsultoria por:

Ana Cláudia Magnus Martins

Médica de Família e Comunidade

ver Lattes

Revisão por:

Ana Flor Hexel Cornely

Médica Infectologista

ver Lattes

Elise Botteselle de Oliveira

Médica de Família e Comunidade

ver Lattes

Laura Ferraz dos Santos

Enfermeira

ver Lattes

Outras Perguntas

Como iniciar o tratamento farmacológico de Transtorno Obsessivo Compulsivo na Atenção Primária?

7 min leitura ler mais

Quais são as recomendações para tratamento de hipotireoidismo subclínico na gestação?

10 min leitura ler mais

Quais são os critérios para considerarmos um tratamento adequado de sífilis em gestante?

12 min leitura ler mais

Como realizar avaliação e manejo inicial do paciente com comportamento suicida na APS?

10 min leitura ler mais

Quais são as indicações de punção lombar na investigação de sífilis?

3 min leitura ler mais