Quais as causas e como tratar a conjuntivite neonatal?
 

A conjuntivite neonatal é definida como inflamação conjuntival no primeiro mês de vida. Cursa com graus variáveis de hiperemia conjuntival, secreção ocular e edema palpebral. O diagnóstico diferencial inclui conjuntivite química, conjuntivite adquirida no canal de parto, conjuntivite bacteriana aguda e obstrução congênita de vias lacrimais.

  1. A conjuntivite química é causada pelo nitrato de prata, instilado nos olhos de recém-nascidos como profilaxia contra gonococo. O quadro é leve, bilateral, inicia até o segundo dia de vida e resolve espontaneamente em 3 a 4 dias. Não necessita tratamento.
  2. A conjuntivite adquirida no canal de parto pode ser causada por gonococo, clamídia ou, menos frequente, por herpes simples. Ocorre em neonatos nascidos por parto vaginal. Podem estar relacionadas a complicações oculares e sistêmicas graves.

2.a. A conjuntivite gonocócica inicia na primeira semana de vida (1 a 7 dias; excepcionalmente mais tardiamente, até 21 dias). A conjuntivite é bilateral, tem instalação hiperaguda e é severa, com edema palpebral importante e secreção purulenta abundante. Se não tratada, pode evoluir para úlcera de córnea, perfuração ocular e cegueira. Há necessidade de internação se suspeita de artrite, meningite ou sepse.

2.b. A conjuntivite clamidiana inicia geralmente na segunda ou terceira semanas de vida (5 a 19 dias). Pode ser uni ou bilateral. A secreção ocular pode ser purulenta, mucopurulenta, membranosa e/ou hemática, e persiste por até 12 meses se não tratada. Pneumonite, rinite e otite podem estar associadas.

2.c. A conjuntivite herpética inicia até a segunda semana de vida, está associada à lesões vesiculares na pele e possivelmente à encefalite. A doença herpética em recém-nascido requer internação hospitalar.

  1. A conjuntivite bacteriana aguda pode ser uni ou bilateral, apresenta secreção mucopurulenta leve a moderada, geralmente inicia no final da primeira semana de vida, mas pode ocorrer em qualquer período neonatal. O agente mais frequente é o estafilococo. É autolimitada, com resolução em até 7 dias.
  2. A obstrução congênita de via lacrimal ocorre unilateralmente e cursa com lacrimejamento ocular persistente nos primeiros meses de vida. A conjuntivite bacteriana aguda ipsilateral é uma complicação frequente da obstrução e pode ser recorrente. Como o recém nascido tem menor produção de lágrima, as conjuntivites associadas à obstrução de via lacrimal tendem a ocorrer após o período neonatal.

Em todos os casos de suspeita de conjuntivite infecciosa em neonatos, a conduta é coletar material (raspado conjuntival com swab) para bacterioscopia e cultura. Na indisponibilidade de realizar coleta ou de encaminhar para serviço de referência, recomenda-se realizar tratamento empírico conforme características da conjuntivite e período de incubação.

Na suspeita de conjuntivite bacteriana aguda, tratar com antibiótico tópico de amplo espectro (cloranfenicol colírio 0,4% ou tobramicina colírio 0,3%, 4 em 4 horas, por 5 a 7 dias). Na suspeita de conjuntivite gonocócica ou clamidiana, tratar com antibioticoterapia sistêmica conforme o início do quadro.

  • Início entre o segundo e quarto dia de vida: realizar tratamento para gonococo.
  • Início entre o quinto e vigésimo primeiro dias de vida: realizar tratamento para gonococo e clamídia.
  • Início a partir do vigésimo segundo dia de vida: realizar tratamento para clamídia.

 

Gonococo Ceftriaxone 25-50 mg/kg (máximo de 125 mg),  intravenoso ou intramuscular, em dose única
Clamídia Eritromicina 50 mg/kg/dia, via oral, dividida em 4 doses, por 14 dias

Está associada com aumento de risco de estenose hipertrófica de piloro.

 

Recomenda-se tratar também à mãe e ao parceiro para infecção por gonococo e clamídia (Ceftriaxone 500mg, intramuscular, em dose única e Azitromicina 1 g, via oral, em dose única), além de se realizar o exame genital e sorologias para sífilis, HIV e hepatites B e C, após aconselhamento.

Referências:

  1. AMERICAN ACADEMY OF OPHTHALMOLOGY. Preferred Practice Pattern Guidelines: Conjunctivitis. San Francisco, CA: American Academy of Ophthalmology, 2013. Disponível em:
  2. <http://www.aao.org/preferred-practice-pattern/conjunctivitis-ppp–2013>. Acesso em: 13 out. 2016.
  3. BRASIL. Ministério da Saúde. Protocolo clínico e diretrizes terapêuticas para o tratamento de infecções sexualmente transmissíveis. Brasília: Ministério da Saúde; 2016.
  4. DYNAMED PLUS. Record No. 114334, Neonatal conjunctivitis [Internet]. Ipswich (MA): EBSCO Publishing, 2016 [atualizado em 22 dez. 2015. 2016]. Disponível em:  <http://www.dynamed.com/topics/dmp~AN~T114334/Neonatal-conjunctivitis>. Acesso em: 07 out 2016, via Sistema de Bibliotecas da UFRGS.
  5. KANSKI, J. J.; BOWLING, B.  Oftalmologia clínica: uma abordagem sistemática. 7. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2012. p. 139-142.
  6. MATEJCEK, A.; GOLDMAN, R. D. Treatment and prevention of ophthalmia neonatorum. Canadian Family Physician, Ontario, v. 59, n. 11, p. 1187-1190, Nov. 2013.
  7. PAMMI, M.; HAMMERSCHLAG, M.R. Chlamydia trachomatis infections in the newborn [Internet]. Waltham (MA): UpToDate; 2016. Disponível em: <https://www.uptodate.com/contents/chlamydia-trachomatis-infections-in-the-newborn>. Acesso em: 07 out. 2016.
  8. RODRIGUES-ALVES, C. A. Oftalmopediatria: noções básicas para o pediatra. In: SUCUPIRA, A. C.  Pediatria em consultório. 5. ed. São Paulo: SARVIER, 2010. p. 893-908.
  9. SPEER, M. E. Gonococcal infection in the newborn [Internet]. Waltham (MA): UpToDate; 2016. Disponível em: <https://www.uptodate.com/contents/gonococcal-infection-in-the-newborn>. Acesso em: 07 out. 2016.