Como avaliar e qual a conduta em crianças com criptorquidia ou testículos retráteis?

13/05/2019

Os testículos criptorquídicos devem ser tratados precocemente com cirurgia a partir dos 6 meses de idade (ou idade corrigida em prematuros) e tem indicação de encaminhamento para cirurgia ou urologia pediátrica. Os testículos retráteis são uma condição benigna e transitória, não têm indicação de encaminhamento, são manejados de forma expectante com consultas anuais até que se estabeleça a sua posição na bolsa escrotal, algumas vezes somente na puberdade.  A definição dos diferentes tipos de criptorquidia e dos testículos retráteis estão especificados no quadro 1.

quadro_01

As crianças devem ser examinadas quanto à posição dos testículos e formação da genitália ao nascimento e aos 2 meses de idade. Se em algum momento for detectada criptorquidia unilateral ou bilateral palpável, sem outras anormalidades da genitália, deve-se relizar novo exame físico aos 4 meses de idade. Se após essa idade se confirmar a impressão de criptorquidia, referenciar o paciente à cirurgia ou urologia pediátrica. Não é necessário nenhum exame de imagem na avaliação da criptorquidia.

Para a diferenciação entre criptorquidia e testículos retráteis, recomenda-se a seguinte manobra: tentar trazer com a palpação o testículo até a bolsa escrotal e segurá-lo com a mão (figura 1). Deve-se mantê-lo na posição por 1 minuto até fatigar o músculo cremaster. Se o testículo não conseguir ser posicionado na bolsa escrotal ou se eles retornarem imediatamente para sua posição ascendente após 1 minuto, trata-se de testículo criptorquídico. Se ele se mantiver na bolsa, trata-se de testículo retrátil. No entanto, a diferenciação entre um testículo retrátil e um verdadeiramente retido pode ser difícil e, se houver dúvida, pode requerer consulta em centro especializado.

figura_01

Fonte: Cho et al. (2019)

Condições que indicam avaliação emergencial:

  • suspeita de anomalia da diferenciação sexual (testículos não palpáveis bilateralmente, testículo não palpável unilateral associado a anormalidade peniana como hipospádia ou micropênis, ou outro achado compatível com genitália ambígua) em recém-nascido nos primeiros dias de vida, caso não tenha sido investigado na maternidade;
  • dor à palpação dos testículos (com ou sem hiperemia) – considerar torção testicular aguda.

Condições que indicam encaminhamento à cirurgia ou urologia pediátrica:

  • testículos retidos após os 4 meses de idade;
  • testículo ectópico, ausente ou ascendente em qualquer idade;
  • dúvida diagnóstica entre testículo retrátil e criptorquidia;
  • suspeita de anomalia da diferenciação sexual (após avaliação na maternidade ou em emergência).

 Referências:

  1. Bae JJ, Kim BS, Chung SK. Long-term outcomes of retractile testis. Korean J Urol. 2012 [citado em 2019 Abr 30];53(9):649-53. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3460009/
  1. Mau EE, Leonard MP. Practical approach to evaluating testicular status in infants and children. Can Fam Physician. 2017 [citado em 2019 Abr 30];63(6):432-435. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5471079/
  1. Cho A, Thomas J, Perera R, Cherian A. Undescended testis. BMJ 2019 [citado em 2019 Abr 30];364:l926. Disponível em: https://www.bmj.com/content/364/bmj.l926
  1. Duncan BB, Schmidt MI, Giugliani ERJ, Duncan MS, Giugliani C, editores. Medicina Ambulatorial: condutas de atenção primária baseadas em evidências. 4ª ed. Porto Alegre: Artmed; 2013
  1. DynaMed Plus. Record nº T116422, Cryptorchidism [Internet]. Ipswich (MA): EBSCO Information Services; 2018 [citado em 2019 Abr 30]. Disponível mediante login e senha em: http://www.dynamed.com/topics/dmp~AN~T116422/Cryptorchidism#sec-Diagnosis
  1. Radmayr C, Bogaert G, Dogan HS, Kočvara R, Nijman JM, Stein R, et al. EAU Guidelines. Edn. presented at the EAU Annual Congress Barcelona 2019 [citado em 2019 Abr 30]. Disponível em: https://uroweb.org/guideline/paediatric-urology/
  1. Cooper CS, Docimo SG. Undescended testes (cryptorchidism) in children: Clinical features and evaluation [Internet]. Waltham (MA): UpToDate, Inc.; 2019 [citado em 2019 Abr 30]. Disponível em: https://www.uptodate.com/contents/undescended-testes-cryptorchidism-in-children-clinical-features-and-evaluation
  1. Cooper CS, Docimo SG. Undescended testes (cryptorchidism) in children: Management [Internet]. Waltham (MA): UpToDate, Inc.; 2019 [citado em 2019 Abr 30]. Disponível em: https://www.uptodate.com/contents/undescended-testes-cryptorchidism-in-children-management
  1. TelessaúdeRS-UFRGS. Protocolos de encaminhamento para genética médica [Internet]. Porto Alegre: Secretaria Estadual da Saúde do Rio Grande do Sul; TelessaúdeRS-UFRGS; 2016 [citado em 2019 Abr 30]. Disponível em: https://www.ufrgs.br/telessauders/documentos/protocolos_resumos/ptrs_genetica.pdf

Teleconsultoria por:

Ana Cláudia Magnus Martins

Médica de Família e Comunidade

ver Lattes

Revisão por:

Rafael Carvalho Ipe da Silva

Médico Urologista

ver Lattes

Elise Botteselle de Oliveira

Médica de Família e Comunidade

ver Lattes

Outras Perguntas

Como realizar avaliação e manejo inicial do paciente com comportamento suicida na APS?

10 min leitura ler mais

Quais são as indicações de punção lombar na investigação de sífilis?

3 min leitura ler mais

Qual é o tratamento para doença inflamatória pélvica (DIP)?

8 min leitura ler mais

Qual o manejo da candidíase oral na primeira infância?

5 min leitura ler mais

Como manejar a constipação intestinal em adultos na Atenção Primária à Saúde?

7 min leitura ler mais