Quando se deve repetir endoscopia em pacientes com dispepsia?

27/07/2016

Pacientes com dispepsia já investigada com endoscopia podem necessitar de nova endoscopia nas seguintes situações:

  • Controle de cicatrização de úlcera gástrica, após 8 a 12 semanas de uso de inibidor de bomba de prótons (IBPs), nos casos em que houver:
    • suspeita de malignidade (pacientes acima de 50 anos, presença de H. pylori, história familiar de câncer gástrico, impressão de malignidade na endoscopia inicial);
    • etiologia da úlcera não esclarecida;
    • biópsias não realizadas na endoscopia inicial;
    • sintomas persistentes;
  • Presença de metaplasia e atrofia nas biópsias gástricas, a cada 1 a 3 anos, para rastreamento de neoplasia gástrica;
  • Úlcera duodenal, realizando-se controle não antes do que 4 semanas do término da antibioticoterapia. Outros métodos de controle de erradicação (p. ex: antígeno fecal, teste respiratório) podem ser utilizados, se disponíveis, visto não haver necessidade de endoscopia de rotina, dado o baixo risco de malignidade das úlceras duodenais.

Não há necessidade de repetição de endoscopia em pacientes com gastrite enantematosa ou erosiva, hérnia hiatal, esofagite leve (grau A ou B) ou duodenite – mesmo em pacientes com H. pylori.

As indicações bem estabelecidas de controle de erradicação de H. pylori são: pacientes com úlcera péptica, linfoma MALT, adenocarcinoma gástrico precoce ou com sintomas persistentes que não tenham feito endoscopia prévia (p. ex: manejados com a estratégia “test and treat”).

O controle de erradicação deve ser feito não antes do que 4 semanas do término da antibioticoterapia. IBPs idealmente devem ser suspensos por 1 a 2 semanas antes da endoscopia, para evitar resultados falso-negativos. Em pacientes que mantém sintomas dispépticos (sem sinais de alarme), apesar do tratamento otimizado e investigação endoscópica negativa para úlcera ou neoplasia, sugere-se considerar outros diagnósticos que podem causar sintomas semelhantes, como doença do refluxo gastroesofágico, síndrome do intestino irritável, cólica biliar, gastroparesia diabética ou questões psicossociais que possam ser manejadas adicionalmente.

 

Referências:

AMERICAN SOCIETY FOR GASTROINTESTINAL ENDOSCOPY et al. The role of endoscopy in dyspepsia. Gastrointestinal endoscopy, Denver (CO), v. 82, n. 2, p. 227-232, Aug. 2015.

AMERICAN SOCIETY FOR GASTROINTESTINAL ENDOSCOPY et al. The role of endoscopy in the management of patients with peptic ulcer disease. Gastrointestinal endoscopy, Denver (CO), v.71, n. 4, p. 663-668, Apr. 2010.

AMERICAN SOCIETY FOR GASTROINTESTINAL ENDOSCOPY et al. The role of endoscopy in the management of premalignant and malignant conditions of the stomach. Gastrointestinal endoscopy,Denver (CO), v. 82, n. 1, p.1-8, Jul. 2015.

CROWE, S. E. Indications and diagnostic tests for Helicobacter pylori infection. [Internet]. Waltham (MA): UpToDate, 2017. Disponível em: <https://www.uptodate.com/contents/indications-and-diagnostic-tests-for-helicobacter-pylori-infection>. Acesso em: 14 nov. 2017.

Moayyedi PM, Lacy BE, Andrews CN, Enns RA, Howden CW, Vakil N. ACG and CAG. Clinical Guideline: Management of Dyspepsia. Am J Gastroenterol. 2017. Jul;112(7):988-1013. doi: 10.1038/ajg.2017.154.

GOROLL, A. H.; MULLEY JR, A. G. Primary care medicine: office evaluation and management of the adult patient. 6. ed. Philadelphia: Lippincott Williams & Wilkins, 2015.

LONGSTRETH, G.F.; LACY, B.E. Approach to the adult with dyspepsia [Internet]. Waltham (MA): UpToDate, 2017. Disponível em: <http:// https://www.uptodate.com/contents/approach-to-the-adult-with-dyspepsia >. Acesso em: 14 nov. 2017.

VAKIL, N.B. Peptic ulcer disease: management [Internet]. Waltham (MA): UpToDate, 2017. Disponível em: <https://www.uptodate.com/contents/peptic-ulcer-disease-management>. Acesso em: 14 nov. 2017.

TALLEY, N.J.; VAKIL, N.B.; MOAYYEDI P. American Gastroenterological Association Technical Review on the Evaluation of Dyspepsia. Gastroenterology, Baltimore (MA), v. 149, n. 4, p. 1088-1118, Oct. 2015.

TALLEY, N.J.; AMERICAN GASTROENTEROLOGICAL ASSOCIATION. American Gastroenterological Association Medical Position Statement: evaluation of dyspepsia. Gastroenterology,  Baltimore (MA), v. 129, n. 5, p. 1753-1755, Nov. 2005.

Teleconsultoria respondida por: Jerônimo de Conto Oliveira, Teleconsultor médico do TelessaúdeRS-UFRGS.

Atualizada em 13/12/2017

Outras Perguntas

Quais são as recomendações para tratamento de hipotireoidismo subclínico na gestação?

10 min leitura ler mais

Quais são os critérios para considerarmos um tratamento adequado de sífilis em gestante?

12 min leitura ler mais

Como realizar avaliação e manejo inicial do paciente com comportamento suicida na APS?

10 min leitura ler mais

Quais são as indicações de punção lombar na investigação de sífilis?

3 min leitura ler mais

Qual é o tratamento para doença inflamatória pélvica (DIP)?

8 min leitura ler mais