Quais as indicações de uso da penicilina G benzatina?

Publicado em 30/05/2018

O uso de penicilina G benzatina está indicado nas seguintes situações:

  • Sífilis primária, sífilis secundária e latente recente (até um ano de duração): Penicilina G benzatina, 2,4 milhões UI, IM, dose única (1,2 milhão UI em cada glúteo);
    Em não gestantes, pode ser substituído por Doxiciclina 100 mg, via oral, de 12 em 12 horas, por 15 dias ou Ceftriaxona 1 g, intramuscular ou intravenoso, 1 vez ao dia, por 8 a 10 dias.
  • Sífilis latente tardia (mais de um ano de duração) ou latente com duração ignorada e sífilis terciária: Penicilina G benzatina, 2,4 milhões UI, IM, (1,2 milhão UI em cada glúteo), semanal, por três semanas. Dose total de 7,2 milhões UI;
    Em não gestantes, pode ser substituído por Doxiciclina 100 mg, de 12 em 12 horas, por 30 dias ou Ceftriaxona 1 g, intramuscular ou intravenoso, 1 vez ao dia, por 8 a 10 dias.
  • Prevenção de recorrência de febre reumática em pacientes que tiveram a doença aguda ou cardiopatia reumática crônica: Penicilina G benzatina, 1,2 milhões UI, IM, dose única a cada 21 dias.

tabela_pergunta_156_tabela_156

Alternativas à penicilina, quando esta não estiver disponível, ou nos casos de alergia à penicilina: sulfadiazina 1 g, via oral, 1 vez ao dia; eritromicina 250 mg, via oral, de 12 em 12 horas.

 

  • Faringoamigdalite estreptocócica: A penicilina G benzatina 1,2 milhão UI, pode ser utilizada no tratamento de faringoamigdalite por estreptococo do grupo A e, consequentemente como profilaxia primária para febre reumática. Contudo, é importante considerar a disponibilidade do medicamento e os diagnósticos diferenciais de faringoamigdalite bacteriana.

A amoxicilina 500 mg, de 12 em 12 horas, por 10 dias é uma boa alternativa quando a penicilina benzatina não estiver disponível. Também são opções terapêuticas: Penicilina V oral 500 mg, 2 a 3 vezes ao dia; cefalexina 500mg, de 12 em 12 horas; clindamicina 300 mg, de 8 em 8 horas; eritromicina 500 mg, de 12 em 12 horas; claritromicina 250 mg, de 12 em 12 horas; cefuroxima 250 mg, de 12 em 12 horas, todas as opções por 10 dias ou ainda azitromicina 500mg no primeiro dia e 250mg nos dias subsequentes por 5 dias.

O principal diagnóstico diferencial da faringite estreptocócica é a faringite viral. Presença de coriza, tosse, rouquidão e conjuntivite sugerem infecção viral. Em adultos, a tríade formada por febre, exsudato faríngeo e adenite cervical anterior dolorosa é a mais sugestiva de infecção estreptocócica. Em crianças o quadro pode ser menos típico.

Não são indicações para uso de penicilina G benzatina:

  • Erisipela: o tratamento farmacológico de primeira linha para erisipela é a antibioticoterapia oral e os medicamentos de escolha são: amoxicilina 875mg, de 12 em 12 horas ou Peniciilina V oral 500 mg, de 6 em 6 horas, 5 a 14 dias. Outras opções: cefalexina 500 mg, de 6 em 6 horas, por 7 a 10 dias; sulfametoxazol-trimetoprim 400/80 mg, 2 comprimidos, de 12 em 12 horas, por 5 a 10 dias e clindamicina 300 a 450 mg, de 6 em 6 horas, por 7 a 14 dias.
  • Erisipela de repetição (3 ou mais episódios por ano): o tratamento principal é o manejo da condição de base e dos fatores de risco (insuficiência venosa, Tinea pedis, linfedema, imunossupressão, obesidade). Somente após o tratamento adequado, considerar antibioticoterapia profilática, que pode incluir penicilina G benzatina, 1,2 milhão UI, intramuscular, a cada 2 a 4 semanas, penicilina V oral 250 ou 500mg, de 12 em 12 horas ou eritromicina 250 mg, 2 vezes ao dia, quando a suspeita for de erisipela por estreptococo e clindamicina 150 mg, 1 vez ao dia ou sulfametoxazol-trimetoprim 400/80 mg, 2 comprimidos, de 12 em 12 horas, quando a suspeita for de erisipela por estafilococo.
  • Úlcera venosa: o tratamento inclui cuidados locais com a úlcera, proteção da lesão, manejo do eczema de estase (veja mais aqui) e compressão elástica (veja mais aqui ). Não há necessidade do uso de antibióticos (tanto tópicos quanto sistêmicos) rotineiramente, se não houver sinais ou sintomas de infecção aguda ou de celulite. O uso indiscriminado de antibióticos, na ausência de infecção, gera resistência medicamentosa, sem acréscimo de benefício. Quando houver calor local, aumento de eritema, linfangite, rápida progressão do tamanho da úlcera ou febre, pode-se optar pelo uso de cefalexina 500 mg, 6 em 6 horas; amoxicilina 875 mg, de 12 em 12 horas; sulfametoxazol-trimetoprim 400/80 mg, 2 comprimidos, de 12 em 12 horas por 5 a 10 dias ou clindamicina 300 a 450 mg, de  6 em 6 horas, por 7 a 14 dias.
  • Abscessos cutâneos: para o manejo inicial dos abscessos cutâneos, realizar drenagem. O uso de antibiótico ainda é controverso na literatura, e parece haver um pequeno benefício na prevenção de recorrência das lesões. Costuma-se recomendar o uso de antibiótico para abscessos com mais de 2 cm de diâmetro, múltiplas lesões, sinais sistêmicos, imunossupressão, ou naqueles que não evoluem satisfatoriamente após incisão e drenagem. Entre os fármacos recomendados estão a cefalexina 500 mg, de 6 em 6 horas, por 7 a 10 dias, clindamicina 300 a 450 mg, de 6 em 6 horas, por 7 a 14 dias. No caso de suspeita de infecção por MRSA, estão indicados doxiciclina 100 mg, de 12 em 12 horas, por 5 a 14 dias e sulfametoxazol-trimetoprim 400/80 mg, 2 comprimidos, de 12 em 12 horas, por 5 a 7 dias.
  • Impetigo: em lesões localizadas e não complicadas, higiene local pode ser suficiente para a resolução do quadro. Se necessário tratamento com antibiótico, pode-se usar mupirocina 2%, 3 vezes ao dia, por 5 a 7 dias ou ácido fusídico 2%, 2 vezes ao dia, por 14 dias ou até melhora. Para lesões mais extensas, recomenda-se o uso de antibióticos sistêmicos por via oral, como a cefalexina 500 mg, de 6 em 6 horas, por 5 a 7 dias ou sulfametoxazol-trimetoprim 400/80 mg, 2 comprimidos, de 12 em 12 horas, por 3 a 5 dias.
  • Celulite por mordedura de animais: recomenda-se cobertura para anaeróbios. Pode-se utilizar amoxicilina+clavulanato 875/125 mg, de 12 em 12 horas, por 5 a 14 dias. No caso de alergia à beta-lactâmicos, pode-se optar por associação de ciprofloxacina 500 a 750 mg, de 12 em 12 horas, doxiciclina 100 mg, de 12 em 12 horas, cefuroxima 500 mg, de 12 em 12 horas OU sulfametoxazol+trimetoprim 400/80 mg, 2 comprimidos, de 12 em 12 horas E metronidazol 500 mg, de 8 em 8 horas OU clindamicina 450 mg, de 8 em 8 horas. Também não se recomenda o uso de penicilina G benzatina para profilaxia de infecção em mordeduras por animais, veja aqui .

*As doses acima são recomendadas para adultos, sem ajuste de dose para doença renal ou hepática.

Referências

ALGUIRE, P. C.; MATHES, B. M. Medical management of lower extremity chronic venous disease [Internet]. Waltham (MA): UpToDate, 2018. Disponível em: <https://www.uptodate.com/contents/medical-management-of-lower-extremity-chronic-venous-disease>. Acesso em: 29 maio 2018.

ALGUIRE, P. C.; SCOVELL, S. Overview and management of lower extremity chronic venous disease [Internet]. Waltham (MA): UpToDate, 2017. Disponível em:<https://www.uptodate.com/contents/overview-and-management-of-lower-extremity-chronic-venous-disease>. Acesso em: 29 maio 2018.

BADDOUR, L. M. Soft tissue infections due to dog and cat bites [Internet]. Waltham (MA): UpToDate, 2018. Disponível em: <https://www.uptodate.com/contents/soft-tissue-infections-due-to-dog-and-cat-bites>. Acesso em: 29 maio 2018.

BADDOUR, L. M. Impetigo [Internet]. Waltham (MA): UpToDate, 2018. Disponível em: <https://www.uptodate.com/contents/impetigo>. Acesso em: 29 maio 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Protocolo clínico e diretrizes terapêuticas para atenção integral às pessoas com infecções sexualmente transmissíveis. Brasília: Ministério da Saúde, 2015. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/protocolo_clinico_diretrizes_terapeutica_atencao_integral_pessoas_infeccoes_sexualmente_transmissiveis.pdf>. Acesso em: 29 maio 2018.

DUNCAN, B. B. et al. Medicina ambulatorial: condutas de atenção primária baseadas em evidências. 4. ed. Porto Alegre: Artmed, 2013.

DYNAMED. Record n. 115810, Impetigo [Internet]. Ipswich (MA): EBSCO Information Services, 2016. Disponível mediante login e senha em: <http://search.ebscohost.com/login.aspx?direct=true&db=dnh&AN=115810&site=dynamed-live&scope=site>. Acesso em: 29 maio 2018.

DYNAMED. Record n. 116794, Cellulitis [Internet]. Ipswich (MA): EBSCO Information Services, 2018. Disponível mediante login e senha em: <http://search.ebscohost.com/login.aspx?direct=true&db=dnh&AN=116794&site=dynamed-live&scope=site>. Acesso em: 29 maio 2018.

DYNAMED. Record n. 116837, Mammalian bite [Internet]. Ipswich (MA): EBSCO Information Services, 2017. Disponível mediante login e senha em: <http://search.ebscohost.com/login.aspx?direct=true&db=dnh&AN=116837&site=dynamed-live&scope=site>. Acesso em: 29 maio 2018.

DYNAMED. Record n. 474272, Antibiotics for streptococcal pharyngitis [Internet]. Ipswich (MA): EBSCO Information Services, 2014. Disponível mediante login e senha em: <http://search.ebscohost.com/login.aspx?direct=true&db=dnh&AN=474272&site=dynamed-live&scope=site>. Acesso em: 29 maio 2018.

EVANS, K. Overview of treatment of chronic wounds [Internet]. Waltham (MA): UpToDate, 2017. Disponível em: <https://www.uptodate.com/contents/overview-of-treatment-of-chronic-wounds>. Acesso em: 29 maio 2018.

LAN, A. J.; COLFORD, J. M.; COLFORD JÚNIOR, J. M. The impact of dosing frequency on the efficacy of 10-day penicillin or amoxicillin therapy for streptococcal tonsillopharyngitis: A meta-analysis. Pediatrics, Springfield, v. 105, n. 2, E19, 2000.

PICHICHERO, M. E. Treatment and prevention of streptococcal pharyngitis [Internet]. Waltham (MA): UpToDate, 2018. Disponível em: <https://www.uptodate.com/contents/treatment-and-prevention-of-streptococcal-pharyngitis>. Acesso em: 29 maio 2018.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE CARDIOLOGIA; SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA; SOCIEDADE BRASILEIRA DE REUMATOLOGIA. Diretrizes brasileiras para diagnóstico, tratamento e prevenção da febre reumática. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, São Paulo, v. 93, Supl. 4, p. 1-18, 2009. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1590/S0066-782X2009002100001>. Acesso em: 29 maio 2018.

SPELMAN, D.; BADDOUR, L. M. Cellulitis and skin abscess in adults: Treatment [Internet]. Waltham (MA): UpToDate, 2018. Disponível em: <https://www.uptodate.com/contents/cellulitis-and-skin-abscess-in-adults-treatment>. Acesso em: 29 maio 2018.

TELESSAÚDERS-UFRGS. Novas Recomendações: Qual é o tratamento alternativo para sífilis primária na impossibilidade do uso de penicilina? [Internet]. Porto Alegre: TelessaúdeRS-UFRGS, 2016. Disponível em: <https://www.ufrgs.br/telessauders/perguntas/sifilis-primaria/>. Acesso em: 29 maio 2018.

UPTODATE. Clindamycin (systemic): Drug information [Internet]. Waltham (MA): UpToDate, 2018. Disponível em: <https://www.uptodate.com/contents/clindamycin-systemic-drug-information>. Acesso em: 29 maio 2018.

UPTODATE. Doxycycline: Drug information [Internet]. Waltham (MA): UpToDate, 2018. Disponível em: <https://www.uptodate.com/contents/doxycycline-drug-information>. Acesso em: 29 maio 2018.

UPTODATE. Penicillin G benzathine (long-acting intramuscular): Drug information [Internet]. Waltham (MA): UpToDate, 2018. Disponível em:<https://store.uptodateonline.com/contents/penicillin-g-benzathine-long-acting-intramuscular-drug-information>. Acesso em: 29 maio 2018.

UPTODATE. Trimethoprim-sulfamethoxazole (co-trimoxazole): Drug information [Internet]. Waltham (MA): UpToDate, 2018. Disponível em:<https://www.uptodate.com/contents/trimethoprim-sulfamethoxazole-co-trimoxazole-drug-information>. Acesso em: 29 maio 2018.

Teleconsultoria respondida por:
Juliana Nunes Pfeil, Médica de Família e Comunidade – http://lattes.cnpq.br/0825312213168769
Alexandre Wahl hennigen, Clínico Geral – http://lattes.cnpq.br/6176703373604625
Revisão
Elise Botteselle de Oliveira, Médica de Família e Comunidade – http://lattes.cnpq.br/8444756167343059
Kelli Wagner Gomes, Médica Dermatologista – http://lattes.cnpq.br/8646319977643885

 

Gostou do Nosso Conteúdo? Compartilhe com seus contatos:

Notícias Relacionadas