A prescrição de galactagogos é indicada para estimular a produção de leite materno?

16/08/2019

Não há recomendação do uso rotineiro de galactagogos para estimular a produção de leite materno. As evidências científicas relatam eficácia limitada da utilização desses medicamentos no aumento da produção de leite materno.

O principal manejo para otimizar a produção de leite materno é incentivar as práticas de amamentação, como: ajuste para a pega correta, contato pele a pele, livre demanda, evitar o uso de mamadeiras e outros bicos artificiais, repousar sempre que possível e acionar a rede de apoio. Após esgotados os recursos não farmacológicos de manejo e aconselhamento para fatores modificáveis, em alguns casos específicos, o uso de medicamentos pode ser um recurso:

  • Nutriz e/ou bebê que necessitam de internação hospitalar: quando não há possibilidade de colocar o bebê no peito e, consequentemente, ocorre diminuição da produção do leite materno;
  • Relactação: restabelecer a secreção do leite após o desmame;
  • Amamentação adotiva: mulheres que têm filhos adotivos e que desejam amamentar.

Nestes casos, os medicamentos mais comumente utilizados são a domperidona e a metoclopramida. Há evidências limitadas sobre eficácia desses medicamentos e existem preocupações sobre segurança do uso dos mesmos, portanto, precisam ser usados com cautela. A mulher deve ser orientada quanto aos potenciais efeitos colaterais e a falta de dados que apoiem seu uso. São eles:

  • Domperidona: 10 mg, 3 vezes ao dia, por 7 a 14 dias. Há evidência de efetividade no uso entre o 2º dia até a 4ª semana após o parto. Não atravessa a barreira hematoencefálica, o que o torna mais seguro que a metoclopramida.
  • Metoclopramida: 10 mg, 3 vezes ao dia, por 7 a 14 dias. Em uso por mais de quatro semanas foram descritos efeitos colaterais como agitação, sedação e manifestações extrapiramidais na nutriz. Os lactentes devem ser observados para efeitos adversos como sonolência, déficit de sucção, irritabilidade e desconforto abdominal.

Apesar de também ser muito utilizada, a sulpirida não é recomendada para esta finalidade. Em nota oficial, o laboratório que fornece essa medicação no Brasil, contraindica o seu uso durante a amamentação, justificada por comprovada excreção da substância no leite materno e possíveis eventos adversos na criança amamentada.

Ainda é comum o consumo de alguns alimentos e plantas com objetivo de aumento da produção de leite materno, como por exemplo: feno-grego, silimarina, galega (arruda-caprária), funcho, aveia, dente de leão, milho, algas marinhas, anis estrelado, manjericão. Contudo, não há evidência científica que comprove a eficácia na prática da amamentação, além da ausência de regulação das preparações, dosagem, contaminantes, potencial alérgico e tóxico e possíveis interações medicamentosas.

Referências:

  1. BRASIL. Ministério da Saúde. Amamentação e uso de medicamentos e outras substâncias. 2a ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2014. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/amamentacao_uso_medicamentos_outras_substancias_2edicao.pdf)
  2. BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde da criança: aleitamento materno e alimentação complementar. Brasília: Ministério da Saúde, 2015. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/saude_crianca_aleitamento_materno_cab23.pdf
  3. DONOVAN TJ, BUCHANAN K. Medications for increasing milk supply in mothers expressing breastmilk for their preterm hospitalised infants. Cochrane Database of Systematic Reviews. 2012, v3. Art.n.: CD005544
  4. SANOFI-AVENTIS FARMACÊUTICA. Nota oficial. Medicamentos contendo sulpirida: risco de excreção no leite materno durante amamentação. São Paulo, 2018. Disponível em:http://portal.anvisa.gov.br/documents/33868/5270120/Dogmatil%2C+Equilid+e+Sulpan+%28sulpirida%29+-+contraindica%C3%A7%C3%A3o+para+o+uso+de+sulpirida+durante+a+lacta%C3%A7%C3%A3o.+Sanofi-Aventis+Farmac%C3%AAutica+Ltda%2C+07+de+fevereiro+de+2019/7d9e9221-b3bd-44c0-9d7e-404adc4a191e?version=1.0
  5. SPENCER J. Common problems of breastfeeding and weaning. UptoDate, 2018. Disponível em: https://www.uptodate.com/contents/common-problems-of-breastfeeding-and-weaning?search=Common%20problems%20of%20breastfeeding%20and%20weaning&source=search_result&selectedTitle=1~150&usage_type=default&display_rank=1. Acesso em: 25 abril. 2019.
  6. THE ACADEMY OF BREASTFEEDING MEDICINE PROTOCOL COMMITTEE. ABM Clinical Protocol: Use of Galactogogues in Initiating or Augmenting the Rate of Maternal Milk Secretion (First Revision January 2011). Breastfeeding Medicine. Volume 6, Number 1, 2011. Disponível em:  https://www.liebertpub.com/doi/pdf/10.1089/bfm.2011.9998
  7. THE ACADEMY OF BREASTFEEDING MEDICINE PROTOCOL COMMITTEE. ABM Clinical Protocol: Use of Galactogogues in Initiating or Augmenting Maternal Milk Production, Second Revision 2018. Breastfeeding Medicine. Volume 13, Number 5, 2018. Disponível em: https://pdfs.semanticscholar.org/55d4/5cf816178f917bee75a6bede81aea5cee05c.pdf

 

 

Teleconsultoria por:

Daniela Dal Forno Kinalski

Enfermeira

ver Lattes

Revisão por:

Laura Ferraz do Santos

Enfermeira

ver Lattes

Ana Cláudia Magnus Martins

Médica de Família e Comunidade

ver Lattes

Outras Perguntas

O que é tireotoxicose gestacional transitória e como diferenciar de outras causas de hipertireoidismo na gestação?

8 min leitura ler mais

Como iniciar o tratamento farmacológico de Transtorno Obsessivo Compulsivo na Atenção Primária?

7 min leitura ler mais

Quais são as recomendações para tratamento de hipotireoidismo subclínico na gestação?

10 min leitura ler mais

Quais são os critérios para considerarmos um tratamento adequado de sífilis em gestante?

12 min leitura ler mais

Como realizar avaliação e manejo inicial do paciente com comportamento suicida na APS?

10 min leitura ler mais