Como deve ser realizado o esquema para profilaxia da raiva?

Publicado em 25/06/2018

3tabela_raiva_parte 1

3tabela_raiva_parte_2
Adaptado de: Ministério da Saúde (2014).

Se o paciente não comparecer na data agendada para a vacinação, ajustar o aprazamento das doses:

  • No caso de o paciente faltar para a 2ª dose, aplicar no dia em que comparecer e agendar a 3ª dose com intervalo mínimo de 2 dias.
  • No caso de o paciente faltar para a 3ª dose, aplicar no dia em que comparecer e agendar a 4ª dose com intervalo mínimo de 7 dias.
  • No caso de o paciente faltar para a 4ª dose, aplicar no dia em que comparecer.

As doses deverão sempre ser aplicadas em datas posteriores às agendadas, nunca adiantadas.

Os estabelecimentos de saúde da rede do SUS (Hospitais/ Unidades/Postos de Vacinação) que atendam uma demanda de pelo menos de 02 (dois) pacientes acidentados/dia podem lançar mão da administração pela via intradérmica (ID), desde que a equipe técnica esteja habilitada para aplicação por essa via. Atentar para as particularidades dessa opção, na Nota Informativa nº 26-SEI/2017.

Leia mais sobre profilaxia para raiva:

Deve-se realizar profilaxia para raiva em mordedura causada por cão ou gato do próprio domicílio?

Deve-se realizar profilaxia para raiva em mordeduras por ratos?

Veja mais Perguntas da Semana:

Deve-se realizar antibioticoterapia profilática em mordeduras por animais?

Quais as indicações de uso da penicilina G benzatina?

Referências

BRASIL. Ministério da Saúde. Esquema para profilaxia de raiva humana com vacina de cultivocelular. Brasília: Ministério da Saúde, 2014. 1 folder.

BRASIL. Ministério da Saúde.  Normas técnicas de profilaxia da raiva humana. 1. ed. Revisada. Brasília: Ministério da Saúde, 2014. Disponível em: <http://portalarquivos.saude.gov.br/images/pdf/2015/outubro/19/Normas-tecnicas-profilaxia-raiva.pdf >. Acesso em: 20 junho 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Nota informativa nº 26-SEI/2017- CGPNI/DEVIT/SVS/MS. Informa sobre alterações no esquema de vacinação da raiva humana pós-exposição e dá outras orientações. Brasília: Ministério da Saúde, 2017. Disponível em: <http://portalarquivos.saude.gov.br/images/pdf/2017/agosto/04/Nota-Informativa-N-26_SEI_2017_CGPNI_DEVIT_SVS_MS.pdf>. Acesso em: 20 junho 2018.

DUNCAN, B. B.; SCHMIDT, M. l.; GIUGLIANI, E. R. J. (Ed.). Medicina ambulatorial: condutas de atenção primária baseadas em evidências. 4. ed. Porto Alegre: Artmed, 2013.

Teleconsultoria respondida por:

Laura Ferraz, Enfermeira – http://lattes.cnpq.br/9391494206897397

Revisão:

Elise Botteselle de Oliveira, Responsável Regulação e Teleconsultoria, Médica de Família e Comunidade – http://lattes.cnpq.br/8444756167343059

 

 

Gostou do Nosso Conteúdo? Compartilhe com seus contatos:

Notícias Relacionadas