Quais são os critérios para considerarmos um tratamento adequado de sífilis em gestante?

27/09/2019

Para fins clínicos e assistenciais, alguns fatores são considerados para o tratamento adequado da gestante com sífilis, como:

  • Administração de benzilpenicilina benzatina: a benzilpenicilina benzatina é a única opção segura e eficaz para tratamento adequado das gestantes. Embora outros antibióticos (como as tetraciclinas orais e os macrolídeos) tenham sido utilizados para tratamento de sífilis em adultos, estes não são recomendados no período da gestação por causa da toxicidade ao feto ou por não atravessarem a barreira placentária. Não existem estudos controlados em gestantes que tenham determinado a eficácia da ceftriaxona no tratamento do feto. Por essa razão, não é uma medicação recomendada para o tratamento de sífilis na gravidez.

Saiba mais na Pergunta da semana “Qual é o tratamento alternativo para sífilis, na impossibilidade do uso de penicilina?”.

  • Início do tratamento até 30 dias antes do parto.
  • Esquema terapêutico de acordo com o estágio clínico (conforme tabela abaixo):
Estágio Clínico Esquema Terapêutico
Sífilis recente (com menos de dois anos de evolução): sífilis primária, secundária e latente recente Benzilpenicilina benzatina 2,4 milhões UI, intramuscular, dose única*
Sífilis tardia (com mais de 2 anos de evolução): sífilis latente tardia ou latente com duração ignorada e sífilis terciária Benzilpenicilina benzatina 2,4 milhões UI, intramuscular, 1 vez por semana, por 3 semanas. Dose total: 7,2 milhões UI, intramuscular**
Neurossífilis Benzilpenicilina cristalina 18 a 24 milhões UI/dia, IV, administrada em doses de 3 a 4 milhões de UI, a cada 4 horas ou por infusão contínua, por 14 dias

*Em situações especiais como desabastecimento, a OMS recomenda utilizar Ceftriaxona 1g, intramuscular, por 10 a 14 dias, para tratamento de sífilis recente. Nesses casos será necessário notificar/investigar e tratar a criança para sífilis congênita.
** Não existem outras opções terapêuticas na literatura.

  • Respeito ao intervalo recomendado de doses: no tratamento da sífilis latente tardia ou latente com duração ignorada, o intervalo ideal entre as doses de benzilpenicilina é de 7 dias. Gestantes que ultrapassarem o intervalo de 14 dias entre as doses devem reiniciar o esquema terapêutico.

Saiba mais na Pergunta da Semana “Qual o intervalo máximo entre as doses de penicilina G benzatina para o tratamento da sífilis latente ser considerado adequado?”

  • Avaliação quanto ao risco de reinfecção: muitas vezes é difícil diferenciar entre reinfecção, reativação e resposta imunológica mais lenta. Por isso é fundamental a avaliação da presença de sinais ou sintomas clínicos novos, reexposição de risco, violência sexual, morbidades, histórico do tratamento (duração, adesão e medicação utilizada) e exames laboratoriais prévios para facilitar a elucidação diagnóstica.
  • Resposta imunológica adequada: documentação de queda do título do teste não treponêmico em pelo menos duas diluições em três meses, ou de quatro diluições em seis meses, após a conclusão do tratamento.  Nas gestantes, o teste não treponêmico deve ser solicitado mensalmente até o parto.

Saiba mais na Pergunta da Semana: Quais exames solicitar após tratamento de um paciente com sífilis adquirida?”.

Se os critérios acima não forem cumpridos, o tratamento da gestante é considerado inadequado. Assim, o recém-nascido será notificado como sífilis congênita e submetido a avaliação clínica e laboratorial. Reforça-se a importância do registro de todas as ações na caderneta de pré-natal da gestante, evitando, assim, que a criança exposta seja submetida a intervenções desnecessárias no pós-parto.

As parcerias sexuais de gestantes com sífilis podem estar infectadas, mesmo apresentando testes imunológicos não reagentes; portanto, devem ser tratadas presumivelmente com Benzilpenicilina benzatina 2,4 milhões UI, intramuscular, dose única. Se o teste for reagente para sífilis, realizar o mesmo tratamento da gestante, conforme suspeita clínica e sorológica.

Saiba mais na Pergunta da Semana “Como devem ser tratadas as parcerias sexuais de pacientes com sífilis?”

Referências:

  1. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Doenças de Condições Crônicas e Infecções Sexualmente Transmissíveis. Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para Prevenção da Transmissão Vertical do HIV, Sífilis e Hepatites Brasília: Ministério da Saúde; 2019.
  2. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Doenças de Condições Crônicas e Infecções Sexualmente Transmissíveis. Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para Atenção Integral às Pessoas com Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST). Brasília: Ministério da Saúde; 2019.
  3. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Coordenação-Geral de desenvolvimento da Epidemiologia em Serviços. Guia de Vigilância em Saúde: volume único [recurso eletrônico] 3a. ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2019.
  4. Brasil. Nota informativa n°2 2017. Altera os critérios de definição de casos para notificação de sífilis adquirida, sífilis em gestantes e sífilis congênita. Sistema Eletrônico de Informações. 2017 set. 19. Disponível em: <http://portalsinan.saude.gov.br/images/documentos/Agravos/Sifilis-Ges/Nota_Informativa_Sifilis.pdf>.
  5. Errol RN, Charles BH. Syphilis in pregnancy. Waltham (MA): UpToDate, Inc.; 2019 [citado em 2019 Ago]. Disponível em: <https://www.uptodate.com/contents/syphilis-in-pregnancy>.
  6. Dynamed. Record No. 115619, Primary syphilis [Internet]. Ipswich (MA): EBSCO Information Services, 1995 [atualizado em 30 nov. 2018]. Disponível em: <http://www.dynamed.com/login.aspx?direct=true&site=DynaMed&id=115619>.
  7. Dynamed. Record No. 115040, Latent syphilis [Internet]. Ipswich (MA): EBSCO Information Services, 1995 [atualizado em 30 nov. 2018]. Disponível em: <http://www.dynamed.com/login.aspx?direct=true&site=DynaMed&id=115040>.
  8. Schub T, March P, Pravikoff D. Sexually Transmitted Diseases During Pregnancy: Syphilis. CINAHL Nursing Guide. Database: Nursing Reference Center; 2018 Nov 9.
  9. World Health Organization. WHO Guideline for the treatment of Treponema pallidum (syphilis). Geneva: WHO; 2016. Disponível em: <https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/249572/9789241549806-eng.pdf?sequence=1>.

Teleconsultoria por:

Fabiane Elizabetha de Moraes Ribeiro

Enfermeira

ver Lattes

Revisão por:

Elise Botteselle de Oliveira

Médica de Família e Comunidade

ver Lattes

Outras Perguntas

Como iniciar o tratamento farmacológico de Transtorno Obsessivo Compulsivo na Atenção Primária?

7 min leitura ler mais

Quais são as recomendações para tratamento de hipotireoidismo subclínico na gestação?

10 min leitura ler mais

Quais são os critérios para considerarmos um tratamento adequado de sífilis em gestante?

12 min leitura ler mais

Como realizar avaliação e manejo inicial do paciente com comportamento suicida na APS?

10 min leitura ler mais

Quais são as indicações de punção lombar na investigação de sífilis?

3 min leitura ler mais