Qual a conduta frente a um paciente com pólipo de vesícula biliar em ecografia abdominal total?

O manejo de pacientes com pólipos de vesícula biliar depende do tamanho do(s) pólipo(s) e da presença ou não de sintomas.

Há indicação de colecistectomia, independente da presença de sintomas, para pacientes com:

  • Pólipos acima de 10 mm, devido à maior chance de malignidade;
  • Pólipos com presença concomitante de cálculos biliares;
  • Pólipos com crescimento ao longo de duas ou mais ultrassonografias;
  • Pólipos e diagnóstico de colangite esclerosante primária.

O manejo conservador é indicado para pólipos menores que 6mm.  Esses pacientes devem ser acompanhados com ultrassonografia em 6 a 12 meses após o diagnóstico. Caso se confirme a estabilidade com tamanho abaixo de 6mm, pode-se encerrar o seguimento.

O manejo pode ser conservador ou com indicação de colecistectomia nas seguintes situações:

  • Pólipos entre 6 e 9 mm tem manejo controverso na literatura. Esses pacientes podem ser acompanhados com ultrassonografia em 3 a 6 meses após o diagnóstico e, após, a cada 6 a 12 meses. O tempo de duração da vigilância não é bem estabelecido. Alternativamente, pode ser indicada colecistectomia, embora com menor nível de evidência.
  • Pacientes sintomáticos com apenas pólipos (sem cálculos) podem ser encaminhados para cirurgia, desde que excluídas outras causas para os sintomas.

 

Referências

  1. Rohde L, Osvaldt AB, editores. Rotinas em cirurgia digestiva. 2ª ed. Porto Alegre: Artmed; 2011. p. 547-550.
  1. Feldman M, Friedman LS, Brandt LJ, editors. Sleisenger and Fordtran’s gastrointestinal and liver disease: pathophysiology, diagnosis, management. 10th edition. Philadelphia: Saunders/Elsevier; 2015. p. 1162-1165.
  1. Zakko WF, Zakko SF. Gallbladder polyps and cholesterolosis [Internet]. Waltham (MA); Uptodate Inc.; 2019 [citado em 2019 Maio 03]. Disponível em https://www.uptodate.com/contents/gallbladder-polyps-and-cholesterolosis
  1. European Association for the Study of the Liver (EASL). EASL Clinical Practice Guidelines on the prevention, diagnosis and treatment of gallstones. J Hepatol. 2016 Jul;65(1):146-181.

 

Teleconsultoria por:

Jerônimo De Conto Oliveira

Gastroenterologista

ver Lattes

Revisão por:

Elise Botteselle de Oliveira

Médica de Família e Comunidade

ver Lattes

Com dúvida clínica?

conheça nossa teleconsultoria

Essa resposta foi gerada a partir de uma da mais de 100 mil teleconsultorias realizadas por nós atráves do 0800 644 6543, canal gratuito para resolução de dúvidas de profissionais da saúde de todo o Brasil.

+ Lidas

acessar todas

Quais são os diagnósticos diferenciais da COVID-19?