Qual conduta frente a um paciente com pólipo gástrico em endoscopia?

Devem ser encaminhados para ressecção endoscópica os pacientes que apresentarem:

  • pólipos de glândulas fúndicas maiores de 10mm ou localizados no antro;
  • pólipos hiperplásicos maiores de 10mm, com presença de displasia ou sintomáticos;
  • pólipos adenomatosos de qualquer tamanho.

A maior parte dos pólipos identificados ou retirados em endoscopia digestiva não necessita de seguimento. Pólipos gástricos são geralmente assintomáticos e são encontrados em 2 a 3% das endoscopias, usualmente de forma incidental. Os mais comumente encontrados são os pólipos de glândulas fúndicas pequenos, que tem característica típica, podem ser definidos sem biópsia e não necessitam de investigação ou seguimento.

Quadro 1: Tipos de pólipos gástricos e manejo específico.

Pólipo de glândulas fúndicas
Diagnóstico: o diagnóstico é endoscópico (sem necessidade de realização de biópsia) quando sua descrição for típica: presença de um ou mais pólipos sésseis pequenos (<10mm), no fundo ou corpo gástricos.

Polipectomia: há indicação de ressecção endoscópica se:

    • tamanho maior que 10mm;
    • localizados no antro;
    • paciente for portador de polipose adenomatosa familiar.

Descrição: é o tipo mais comum de pólipo gástrico, sendo achado ocasional, sem risco de evolução neoplásica e não causando sintomas. Há indicação de encaminhamento apenas quando houver indicação de ressecção e impossibilidade de solicitação na APS, ou se o paciente for portador de polipose adenomatosa familiar (PAF).

Seguimento: não há necessidade de repetição de endoscopia ou qualquer seguimento dos pólipos que não possuem indicação de ressecção, ou para aqueles sem displasia quando realizada a polipectomia. Pacientes com PAF ou displasia no anatomopatológico devem ser encaminhados para atendimento especializado.

Pólipos hiperplásicos
Diagnóstico: o diagnóstico é sugerido pela endoscopia e confirmado pelo anatomopatológico.

Polipectomia: há indicação de ressecção endoscópica se:

    • tamanho maior que 10mm;
    • displasia à biópsia;
    • presença de sintomas associados ao pólipo (anemia ferropriva sem outra causa identificada ou dispepsia sem resposta ao uso de inibidores da bomba de prótons).

Descrição: usualmente localizam-se no antro gástrico, com aspecto eritematoso. São pólipos que geralmente surgem quando há outras alterações gástricas como gastrite, infecção por H. pylori, atrofia ou metaplasia. No estômago, inclusive, os pólipos hiperplásicos podem conter displasia (diferentemente dos pólipos hiperplásicos de cólon).

Seguimento: pacientes com H. pylori devem ser tratados com esquema de erradicação da infecção. Veja aqui como realizar o tratamento.
Pacientes com pólipo hiperplásico, sendo ou não realizada polipectomia, devem repetir endoscopia em um intervalo de 1 ano. O seguimento posterior pode ser feito em 3 anos, mas pode ser reavaliado de acordo com o risco de neoplasia do paciente (história familiar, presença de atrofia ou metaplasia nas biópsias gástricas).

Pólipos adenomatosos
Diagnóstico: o diagnóstico de adenoma é confirmado por biópsia em lesão suspeita à endoscopia.

Polipectomia: indicada em todos os casos.

Descrição: são precursores de neoplasia gástrica. São raros, geralmente associados a gastrite atrófica e metaplasia intestinal. Quando encontrados no estômago devem sempre ser removidos em nova endoscopia e seguimento, pois estão fortemente associados a adenocarcinoma síncrono ou metacrônico.

Seguimento: devem ser encaminhados para gastroenterologista ou centro especializado de endoscopia para acompanhamento com imagem de alta resolução.

Fonte: TelessaúdeRS-UFRGS (2020).

Quando não houver descrição adequada das características do pólipo, deve-se encaminhar para realização nova endoscopia ou para gastroenterologia. 

 

Referências:

  1. Mahachai V, Graham DY, Odze RD. Gastric polyps [Internet]. Waltham (MA): UpToDate; [atualizado em 14 Fev 2019, citado em  26 Jun 2020]. Disponível em: https://www.uptodate.com/contents/gastric-polyps?.
  2. Feldman M, Friedman LS, Brandt LJ. Sleisenger and Fordtran’s gastrointestinal and liver disease: pathophysiology, diagnosis, management. 10a edition. Philadelphia: Saunders, Elsevier; 2015.
  3. Islam RS, Patel NC, Lam-Himlin D, Nguyen CC. Gastric polyps: a review of clinical, endoscopic, and histopathologic features and management decisions. Gastroenterol Hepatol (N Y). 2013 Oct;9(10):640-51.
  4. Chun HJ, Yang S-G, Choi M-G, editors. Clinical gastrointestinal endoscopy: a comprehensive atlas. Heidelberg: Springer; 2014.
  5. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Programa de Pós-Graduação em Epidemiologia. TelessaúdeRS(TelessaúdeRS-UFRGS). Quais são as opções de tratamento para erradicação de Helicobacter Pylori? Porto Alegre: TelessaúdeRS; 23 Jul 2018 [citado em 26 Jun 2020]. Disponível em:  https://www.ufrgs.br/telessauders/perguntas/quais-sao-as-opcoes-de-tratamento-para-erradicacao-de-helicobacter-pylori/.
  6. Castro R, Pimentel-Nunes P, Dinis-Ribeiro M. Evaluation and management of gastric epithelial polyps. Best Pract Res Clin Gastroenterol. 2017 Jun;31(4), 381–7. Doi 10.1016/j.bpg.2017.06.001.
  7. Han AR, Sung CO, Kim KM, Park C-K, Min B-H, Lee JH, et al. The clinicopathological features of gastric hyperplastic polyps with neoplastic transformations: a suggestion of indication for endoscopic polypectomy. Gut Liver. 2009;3(4):2715. Doi 10.5009/gnl.2009.3.4.271.
  8. Cheesman AR, Greenwald, DA, Shah SC. Current management of benign epithelial gastric polyps. Curr Treat Options Gastroenterol. 2017 Dec;15(4):676-90. Doi 10.1007/s11938-017-0159-6.
  9. Averbach M, Safatle-Ribeiro AV, Ferrari Jr AP, Cappellanes CA, Ejima FH, Fang HJ, et al. Endoscopia digestiva: diagnóstico e tratamento. Rio de Janeiro: Thieme Revinter; 2013. p. 318-20.
  10. Ferrari Jr AP, Averbach M, Maruta LM. Endoscopia digestiva terapêutica. Rio de Janeiro: Thieme Revinter; 2012. p. 47.

Como citar: Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Programa de Pós-Graduação em Epidemiologia. TelessaúdeRS (TelessaúdeRS-UFRGS). Qual conduta frente a um paciente com pólipo gástrico em endoscopia? Porto Alegre: TelessaúdeRS-UFRGS; Jun 2020 [citado em “dia, mês abreviado e ano”]. Disponível em: https://www.ufrgs.br/telessauders/perguntas/qual-conduta-frente-um-paciente-com-polipo-gastrico-em-endoscopia/.

Teleconsultoria por:

Juliana Nunes Pfeil

Médica de Família e Comunidade

ver Lattes

Jerônimo De Conto Oliveira

Gastroenterologista

ver Lattes

Revisão por:

Elise Botteselle de Oliveira

Médica de Família e Comunidade

ver Lattes

Renata Rosa de Carvalho

Médica de Família e Comunidade

ver Lattes

Com dúvida clínica?

conheça nossa teleconsultoria

Essa resposta foi gerada a partir de uma da mais de 100 mil teleconsultorias realizadas por nós atráves do 0800 644 6543, canal gratuito para resolução de dúvidas de profissionais da saúde de todo o Brasil.

+ Lidas

acessar todas

Quais são os diagnósticos diferenciais da COVID-19?