Quando indicar rifampicina para tratamento de infecção latente pelo Mycobacterium tuberculosis (quimioprofilaxia)?

11/06/2019

O esquema para tratamento de ILTB com rifampicina é a primeira escolha em:

  • crianças menores de 10 anos;
  • adultos com mais de 50 anos;
  • pacientes com cirrose ou doença hepática em atividade (por exemplo: hepatite viral ou alcoólica);
  • contatos de pacientes com tuberculose monorresistente à isoniazida;
  • intolerantes à isoniazida.

A rifampicina é contraindicada nas pessoas que vivem com HIV em uso de dolutegravir e de inibidores de protease (atazanavir, darunavir, fosamprenavir).

A dose indicada em adultos e adolescentes (com idade maior ou igual a 10 anos) é de 10 mg/kg/dia de peso, até a dose máxima de 600 mg por dia. Em crianças (menores de 10 anos), utiliza-se a dose de 15 (10-20) mg/kg/dia de peso, até a dose máxima de 600 mg por dia. Recomenda-se a utilização de no mínimo 120 doses que deverão ser tomadas idealmente em 4 meses, podendo-se prolongar até 6 meses.

Atenção: a rifampicina é um potente indutor de enzimas que metabolizam outros medicamentos, resultando em aumento da excreção, redução da absorção gastrintestinal e diminuição da ação de vários fármacos. A rifampicina pode diminuir a concentração dos seguintes medicamentos: contraceptivos orais, glicocorticóides, ciclosporina, estatinas, antibióticos macrolídeos, tacrolimus, varfarina, anticoagulantes orais diretos (rivaroxabana, dabigatrana), fenitoína, levotiroxina, antifúngicos azólicos agentes, hipoglicemiantes orais de sulfoniluréias, vários antimaláricos, quinidina, verapamil, metadona, betabloqueadores e antirretrovirais (principalmente inibidores de protease, selecionar inibidores não nucleosídeos da transcriptase reversa (etravirina e rilpivirina) e inibidores da integrase (raltegravir, dolutegravir e elvitegravir).

Referências

  1. Ministério da Saúde. Protocolo de vigilância da infecção latente pelo Mycobacterium tuberculosis no Brasil [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2018 [citado em 2019 Jun 10]. Disponível em: http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2018/setembro/28/Protocolo-de-vigil–ncia-da-ILTB-2018.pdf
  1. Ministério da Saúde. Manual de recomendações para o controle da tuberculose no Brasil. 2ª ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2019 [citado em 2019 Abr 5]. Disponível em: http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2019/marco/25/manual-recomendacoes-tb-20mar19-isbn.pdf
  1. Horsburgh CR Jr. Treatment of latent tuberculosis infection in HIV-uninfected nonpregnant adults [Internet]. Waltham (MA): UpToDate, Inc.; 2019 [citado em 2019 Jun 10]. Disponível em: https://www.uptodate.com/contents/treatment-of-latent-tuberculosis-infection-in-hiv-uninfected-nonpregnant-adults
  1. Drew RH. Rifamycins (rifampin, rifabutin, rifapentine); Waltham (MA): UpToDate, Inc.; 2018 [citado em 2019 Jun 10]. Disponível em: https://www.uptodate.com/contents/rifamycins-rifampin-rifabutin-rifapentine
  1. DynaMed Plus. Record No. T356440, Rifampin [Internet]. Ipswich (MA): EBSCO Information Services; 2018 [citado em 2019 Jun 10]. Disponível mediante login e senha em: https://www.dynamed.com/topics/dmp~AN~T356440
  1. World Health Organization. Latent tuberculosis infection: Updated and consolidated guidelines for programmatic management. Geneva: World Health Organization; 2018 [citado em 2019 Jun 10]. Disponível em: http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/260233/1/9789241550239-eng.pdf?ua=1
  1. Centers for Disease Control and Prevention. Treatment of latent TB infection. In: CDC. Latent tuberculosis infection: a guide for primary health care providers. Bethesda, MD: US Dept of Health and Human Services, CDC; 2013 [atualizado em 2019 Mar 11, citado em 2019 Jun 10]. Disponível em: cdc.gov/tb/publications/ltbi/treatment.htm
  1. Haas MK, Belknap RW. Updates in the treatment of active and latent tuberculosis. Semin Respir Crit Care Med. 2018;39(3):297-309.
  1. Kumar N, Kedarisetty CK, Kumar S, Khillan V, Sarin SK. Antitubercular therapy in patients with cirrhosis: challenges and options. World J Gastroenterol. 2014;20(19):5760-72.
  1. Fresard I, Bridevaux PO, Rochat T, Janssens JP. Adverse effects and adherence to treatment of rifampicin 4 months vs isoniazid 6 months for latent tuberculosis: a retrospective analysis. Swiss Med Wkly. 2011;141:w13240.

Teleconsultoria por:

Renata Rosa de Carvalho

Médica de Família e Comunidade

ver Lattes

Revisão por:

Elise Botteselle de Oliveira

Médica de Família e Comunidade

ver Lattes

Jerônimo de Conto Oliveira

Gastroenterologista

ver Lattes

Outras Perguntas

Como iniciar o tratamento farmacológico de Transtorno Obsessivo Compulsivo na Atenção Primária?

7 min leitura ler mais

Quais são as recomendações para tratamento de hipotireoidismo subclínico na gestação?

10 min leitura ler mais

Quais são os critérios para considerarmos um tratamento adequado de sífilis em gestante?

12 min leitura ler mais

Como realizar avaliação e manejo inicial do paciente com comportamento suicida na APS?

10 min leitura ler mais

Quais são as indicações de punção lombar na investigação de sífilis?

3 min leitura ler mais