Quando solicitar exames radiológicos de imagem em pacientes com COVID-19 e que alterações podem ser observadas?

Casos com sintomas leves de Síndrome Gripal, sem tosse ou febre persistente, sem piora do estado clínico geral e sem sinais de alarme (dispneia, taquipneia, esforço respiratório, saturação < 95%) ou comorbidades descompensadas não necessitam avaliação com exame de imagem [1,2]. 

Recomenda-se solicitar radiografia de tórax em todos os casos suspeitos de pneumonia por COVID-19, em casos de Síndrome Gripal com dispneia, sinais de alarme ou com comorbidades descompensadas [1,2].

O achado mais comumente encontrado é infiltrado pulmonar bilateral (75% dos casos), enquanto infiltrado unilateral é observado em 25% dos pacientes [1]. Achados radiológicos de gravidade incluem acometimento por opacidades bilaterais maior que 50% dos campos pulmonares em imagens realizadas entre 24 a 48 horas do início dos sintomas [1].

Já a tomografia computadorizada (TC) de tórax sem contraste pode ser considerada para casos hospitalizados, especialmente naqueles com radiografias normais ou com achados indeterminados. Em metanálise com mais de 50 mil pacientes internados na China, houve alterações em 97% dos casos [3]. Os achados mais comumente observados são opacidades em vidro fosco, podendo estar associadas a consolidações, espessamento septal interlobular, ou padrão de pavimentação em mosaico. Há predomínio de distribuição periférica ou posterior, principalmente nos lobos inferiores bilateralmente [1,4,5,6]. Achados menos frequentes incluem: aumento da vasculatura pulmonar, espessamento pleural, broncogramas aéreos e bronquiectasias. São raros os relatos de derrame pleural, derrame pericárdico, linfadenopatia, pneumotórax e cavitações [1,4,5,6].

Em crianças, as alterações mais comumente encontradas são pequenas opacidades nodulares em vidro fosco e consolidações com sinal do halo [1,4].

Os critérios atuais de caso confirmado de COVID-19 consideram os achados de imagem como relevantes na definição de caso. Considera-se caso confirmado os pacientes com Síndrome Gripal ou Síndrome Respiratória Aguda Grave em que não foi possível confirmar por critério laboratorial e que apresentem pelo menos uma das alterações radiográficas a seguir: 

  • opacidade em vidro fosco periférica, bilateral, com ou sem consolidação ou linhas interlobulares visíveis; OU
  • opacidade em vidro fosco multifocal, arredondada, com ou sem consolidação ou linhas interlobulares visíveis; OU 
  • sinal do halo reverso ou outros achados de pneumonia em organização [7].

Considerando a possibilidade de o RT-PCR ser falso negativo, pacientes com achados tomográficos e clínica sugestiva de COVID-19 deverão ser submetidos a novo RT-PCR para confirmar diagnóstico, se disponível [1,4]. Porém, é importante considerar que os achados de imagem são semelhantes a outras pneumonias virais. Uma revisão sistemática e metanálise demonstrou que pneumonia viral não-COVID e pneumonia COVID-19 apresentam sobreposição de achados na TC de tórax, exceto por uma prevalência maior de distribuição periférica e envolvimento dos lobos superiores e médio pela COVID-19 [8].

As alterações podem estar presentes em pacientes assintomáticos ou oligossintomáticos e casos graves podem apresentar alterações tomográficas entre 6 e 13 dias após o início dos sintomas. Esses achados radiológicos podem persistir após melhora clínica. É esperado que as alterações da COVID-19 em exames de imagem se resolvam em 2 a 4 semanas, mas a melhora completa pode levar até 12 semanas [9]. 

Caso complexo na APS?

Discuta-o com nossos especialistas através do 0800 644 6543, o canal gratuito para profissionais da saúde de todo o Brasil

Resolva casos complexos junto com nossos especialistas através do 0800 644 6543,
o canal gratuito para profissionais da saúde de todo o Brasil

Referências:

  1. Beeching NJ, Fletcher TE, Fowler R. Coronavirus disease 2019 (COVID-19) [Internet]. BMJ Best Practice. 29 Jan 2021 [citado em 1 Fev 2021]. Disponível em: https://bestpractice.bmj.com/topics/en-gb/3000168.

  2. World Health Organization. Use of chest imaging in COVID-19: a rapid advice guide. Geneva: WHO, 11 June 2020 [citado em 1 Fev 2021]. Disponível em: https://apps.who.int/iris/handle/10665/332336

  3. Sun P, Qie S, Liu Z, Ren J, Li K, Xi J. Clinical characteristics of hospitalized patients with SARS-CoV-2 infection: A single arm meta-analysis. J Med Virol. 2020;92(6):612-7. Doi 10.1002/jmv.25735

  4. Colégio Brasileiro de Radiologia e Diagnóstico por Imagem. Recomendações de uso de métodos de imagem para pacientes suspeitos de infecção pelo COVID-19: versão 3. São Paulo; 9 Jun 2020 [citado em 1 Fev 2021]. 9 f. Disponível em: em: https://cbr.org.br/wp-content/uploads/2020/06/Recomendacoes-de-uso-de-metodos-de-imagem-para-pacientes-suspeitos-de-infeccao-pelo-COVID19_v3.pdf

  5. Wong HYF, Lam HYS, Fong AH-T, Leung ST, Chin TW-Y, Lo CSY, et al. Frequency and distribution of chest radiographic findings in COVID-19 positive patients. Radiology. 2020 Aug;296(2):E72-8. Doi 10.1148/radiol.2020201160.

  6. McIntosh K. Coronavirus disease 2019 (COVID-19): clinical features [Internet]. Waltham (MA): UpToDate; [atualizado em 17 Dec 2020, citado em 1 Fev 2021]. Disponível em: https://www.uptodate.com/contents/coronavirus-disease-2019-covid-19-clinical-features

  7. Ministério da Saúde (Brasil). Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde, Associação Nacional de Medicina do Trabalho. Guia prático de gestão em saúde no trabalho para COVID-19. Brasília, DF; Jul 2020 [citado em 1 Fev 2021]. 37 f. Disponível em: http://docs.bvsalud.org/biblioref/2020/08/1116676/guia-pr-tico-de-gest-o-em-sa-de-no-trabalho-para-covid-19-20-07-20.pdf

  8. Altmayer S, Zanon M, Pacini GS, Watte G, Barros MC, Mohammed T-L, et al. Comparison of the computed tomography findings in COVID-19 and other viral pneumonia in immunocompetent adults: a systematic review and meta-analysis. Eur Radiol. 2020 Dec 30;(12):6485-96. Doi 10.1007/s00330-020-07018-x.

  9. Mikkelsen ME, Abramoff B. Coronavirus Disease 2019 (COVID-19): evaluation and management of persistent symptoms in adults following acute viral illness [Internet]. Waltham (MA): UpToDate; [atualizado em 25 Jan 2021, citado em 1 Fev 2021]. Disponível em: https://www.uptodate.com/contents/coronavirus-disease-2019-covid-19-evaluation-and-management-of-persistent-symptoms-in-adults-following-acute-viral-illness

 

Como citar: Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Programa de Pós-Graduação em Epidemiologia. TelessaúdeRS (TelessaúdeRS-UFRGS). Quando solicitar exames radiológicos de imagem em pacientes com COVID-19 e que alterações podem ser observadas? Porto Alegre: TelessaúdeRS-UFRGS; 1 Fev 2021 [citado em dia, mês abreviado e ano].  Disponível em: https://www.ufrgs.br/telessauders/posts_coronavirus/quando-solicitar-exames-radiologicos-de-imagem-em-pacientes-com-covid-19-e-que-alteracoes-podem-ser-observadas/.

Teleconsultoria por:

Luíza Emília Bezerra Medeiros

Médica de Família e Comunidade

ver Lattes

Revisão por:

Ana Cláudia Magnus Martins

Médica de Família e Comunidade

ver Lattes

Isadora Cristina Olesiak Cordenonsi

Médica de Família e Comunidade

ver Lattes

+ Lidas

acessar todas

Como é feito e como deve ser interpretado o resultado do teste de absorção da lactose?

Qual o tratamento para escabiose (sarna)?

Como deve ser feita a reposição de vitamina B12?