Quais as medidas não farmacológicas indicadas para tratamento da doença do refluxo gastroesofágico (DRGE)?

Publicado em 11/05/2017

Pergunta da Semana TelessaúdeRS/UFRGS

As medidas não farmacológicas recomendadas no tratamento da DRGE são:

  • perda de peso em pacientes com IMC acima de 25 ou ganho de peso recente;
  • evitar refeições 2 a 3 horas antes de deitar, especialmente com alimentos gordurosos;
  • elevação da cabeceira da cama (15 cm) com “tacos” ou “blocos” (principalmente se sintomas noturnos).

Não se recomenda rotineiramente mudanças dietéticas. Entretanto, pode-se sugerir evitar alimentos específicos em pacientes que notarem desencadeamento dos sintomas de refluxo com esses alimentos, como por exemplo, comidas gordurosas ou apimentadas, chocolate, cafeína, refrigerantes e bebidas gaseificadas.

Outras medidas não demonstraram benefício clínico consistente na DRGE, embora tenham base fisiopatológica adequada, e não devem ser recomendadas rotineiramente:

  • evitar o uso de tabaco e bebidas alcoólicas;
  • promoção da salivação com gomas de mascar;
  • evitar exercícios de levantamento de peso que possam aumentar a pressão intra-abdominal.

O manejo não farmacológico faz parte do tratamento da DRGE e essas medidas podem ser úteis também nos pacientes com sintomas leves e intermitentes. Deve-se evitar excesso de recomendações no manejo da DRGE, visado aumentar a adesão do paciente àquelas com eficácia comprovada e aumentar a confiança no tratamento.

Referências

DUNCAN, B. B.; SCHMIDT, M. l.; GIUGLIANI, E. R. J. (Ed.). Medicina ambulatorial: condutas de atenção primária baseadas em evidências. 4. ed. Porto Alegre: Artmed, 2013.

DYNAMEDPLUS. Record n. 116914, Gastroesophageal reflux disease (GERD).  [Internet]. Ipswich (MA): EBSCO Publishing, 2017 [atualizado em 21 mar. 2017]. Acesso em: 9 maio 2017, via Sistema de Bibliotecas da UFRGS. Disponível em: <http://www.dynamed.com/topics/dmp~AN~T116914/Gastroesophageal-reflux-disease-GERD>.

FELDMAN, M.; FRIEDMAN, L. S.; BRANDT, L. J. Sleisenger and Fordtran’s gastrointestinal and liver disease: pathophysiology, diagnosis, management. 10th ed. Philadelphia: Saunders/Elsevier, 2016.

KAHRILAS, P. J.; SHAHEEN, N. J.; VAEZI, M. F. American Gastroenterological Association Institute. Clinical Practice and Quality Management Committee. American Gastroenterological Association Institute technical review on the management of gastroesophageal reflux disease. Gastroenterology, Baltimore, v. 135, n. 4, p. 1392-1413, 2008.

KAHRILAS P, J. Medical management of gastroesophageal reflux disease in adults. Waltham (MA): UpToDate, Inc.; 2017. Disponível em <https://www.uptodate.com/contents/medical-management-of-gastroesophageal-reflux-disease-in-adults>. Acesso em 09 maio 2017.

KATZ, P. O.; GERSON, L. B.; VELA, M. F. Guidelines for the diagnosis and management of gastroesophageal reflux disease. Am J Gastroenterol, New York, v. 108, n. 3, p. 308-328, 2013.

Teleconsultoria respondida por:Jerônimo De Conto Oliveira, Médico Gastroenterologista, Teleconsultor médico do TelessaúdRS-UFRGS, Graduação em Medicina pela UFRGS, Residência médica em Medicina Interna no HCPA, Residência médica em Gastroenterologia no HCPA e Residência médica em Endoscopia Digestiva no HCPA.

Gostou do Nosso Conteúdo? Compartilhe com seus contatos:

Notícias Relacionadas