Como iniciar o tratamento farmacológico para Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) na Atenção Primária à Saúde?

03/06/2019

O psicoestimulante mais usado no TDAH é o metilfenidato de liberação imediata (Ritalina®), que pode ser iniciado nas doses de 5 mg, uma ou duas vezes por dia. As doses devem variar entre 0,4 a 1,3 mg/kg/dia (usualmente até 1 mg/kg/dia), com dose máxima de 60 mg/dia. O aumento de 5 mg pode ser feito a cada 3 a 7 dias, até que os principais sintomas melhorem em 40 a 50% em comparação ao quadro inicial, na ausência de efeitos adversos inaceitáveis. A última dose deve ser administrada antes das 18 horas e a medicação deve ser descontinuada se não houver benefício após 4 semanas de uso. As principais contraindicações para uso de metilfenidato são: hipertensão grave, insuficiência cardíaca, arritmia, angina, psicose, glaucoma, hipertireoidismo, história pessoal ou familiar de Síndrome de Tourette.

A dose ideal do metilfenidato é aquela que atinge os resultados-alvo com o mínimo de efeitos colaterais. É útil iniciar a medicação para TDAH em um dia do final de semana para que os pais possam observar os efeitos adversos com as primeiras doses. As crianças não devem ser autorizadas a administrar sua própria medicação e adolescentes com bom entendimento e, após afastado ideação suicida, poderiam administrar a própria medicação na escola. É importante que os pais monitorem a adesão e os efeitos adversos.

Na dose terapêutica, o efeito inicial geralmente ocorre em 30 a 40 minutos após a administração e continua pela duração esperada de ação (aproximadamente de 3 a 5 horas). Refeições ricas em gordura podem atrasar o início do efeito e aumentar as concentrações de pico.

A decisão sobre a frequência da medicação estimulante (quantas vezes por dia e dias de final de semana) baseia-se no tipo de TDAH e nos domínios de função em que a melhora é desejada (por exemplo, criança que não possui atividades escolares no final de semana ou outras atividades que requerem melhora da atenção, poderiam ser liberadas do uso no final de semana e feriados).

Os efeitos adversos costumam ser leves e podem desaparecer com o tempo ou podem ser resolvidos com ajustes de dose. Algumas orientações para manejo inicial e monitoração dos efeitos adversos podem ser vistos na Tabela 1.

pds_TDAH_20190604_002_tabela_01
Fonte: Adaptado de Moriyama TS, Cho AJM, Verin RE, Fuentes J, Polanczyk GW. Attention deficit hyperactivity disorder. In: Rey JM, editor. IACAPAP e-Textbook of Child and Adolescent Mental Health. Geneva: International Association for Child and Adolescent Psychiatry and Allied Professions; 2012. p. 18-19.

 

Existem outros psicoestimulantes disponíveis no Brasil além do metilfenidato de liberação imediata. As principais características farmacológicas de cada um podem ser vistas na Tabela 2. É possível iniciar com qualquer uma das formulações, porém, uma boa estratégia é iniciar com o metilfenidato de liberação imediata, que tem a meia-vida mais curta entre os psicoestimulantes listados, permitindo verificar a tolerância do paciente à medicação e retirá-lo mais rapidamente em casos de efeitos colaterais maiores. Além disso, o metilfenidato de liberação imediata tem o menor custo entre os psicoestimulantes. Tanto as formulações de metilfenidato de liberação prolongada quanto a lisdexanfetamina tem custo elevado.

pds_TDAH_20190604_002_tabela_02
1SODAS: Spheroidal Oral Drug Absorption System
2OROS: Osmotic Release Oral System
Fonte: adaptado de Moreno RA, Cordás TA, organizadores. Condutas em psiquiatria: consulta rápida. 2ª ed. Porto Alegre: Artmed; 2018. p. 198.

 

Referências:

  1. Moriyama TS, Cho AJM, Verin RE, Fuentes J, Polanczyk GW. Attention deficit hyperactivity disorder. In: Rey JM, editor. IACAPAP e-Textbook of Child and Adolescent Mental Health. Geneva: International Association for Child and Adolescent Psychiatry and Allied Professions; 2012 [citado em 2019 Maio 31]. Disponível em: https://iacapap.org/wp-content/uploads/D.1-ADHD-072012.pdf
  1. Cordioli AV, Galois CB, Isolan L, organizadores. Psicofármacos: consulta rápida. 5ª ed. Porto Alegre: Artmed; 2015.
  1. Methylphenidate: Drug information [Internet]. Waltham (MA): UpToDate, Inc.; 2017 [citado em 2019 Abr 26]. Disponível em: https://www.uptodate.com/contents/methylphenidate-drug-information.
  1. Taylor DM, Barnes TRE, Young AH. The Maudsley prescribing guidelines in psychiatry. 13th ed. Hoboken, New Jersey: Wiley; 2019.
  1. Krull KR. Attention deficit hyperactivity disorder in children and adolescents: Overview of treatment and prognosis [Internet]. Waltham (MA): UpToDate, Inc.; 2019 [citado em 2019 Maio 02]. Disponível em: https://www.uptodate.com/contents/attention-deficit-hyperactivity-disorder-in-children-and-adolescents-overview-of-treatment-and-prognosis
  1. Krull KR. Attention deficit hyperactivity disorder in children and adolescents: Treatment with medications [Internet]. Waltham (MA): UpToDate, Inc.; 2019 [citado em 2019 Maio 02]. Disponível em: https://www.uptodate.com/contents/attention-deficit-hyperactivity-disorder-in-children-and-adolescents-treatment-with-medications
  1. Krull KR. Pharmacology of drugs used to treat attention deficit hyperactivity disorder in children and adolescents [Internet]. Waltham (MA): UpToDate, Inc.; 2017 [citado em 2019 Abr 26]. Disponível em: https://www.uptodate.com/contents/pharmacology-of-drugs-used-to-treat-attention-deficit-hyperactivity-disorder-in-children-and-adolescents
  1. Moreno RA, Cordás TA, organizadores. Condutas em psiquiatria: consulta rápida. 2ª ed. Porto Alegre: Artmed; 2018.
  1. TelessaúdeRS-UFRGS. Protocolos de encaminhamento para psiquiatria pediátrica [Internet]. Porto Alegre: TelessaúdeRS-UFRGS; 2018 [citado em 2019 Maio 31]. Disponível em: https://www.ufrgs.br/telessauders/documentos/protocolos_resumos/ptrs_psiquiatriapediatrica.pdf
  1. DynaMed Plus [Internet]. Ipswich (MA): EBSCO Information Services. 1995 – . Record nº T233098, Methylphenidate; [atualizado em 2018 Nov 30, citado em 2019 Maio 31]. Disponível mediante login e senha em: http://www.dynamed.com/topics/dmp~AN~T233098/Methylphenidate
  1. DynaMed Plus [Internet]. Ipswich (MA): EBSCO Information Services. 1995 – . Record nº T113926, Attention deficit hyperactivity disorder (ADHD) in children and adolescents; [atualizado em 2018 Nov 30, citado em 2019 Maio 31]. Disponível mediante login e senha em: http://www.dynamed.com/topics/dmp~AN~T113926

Teleconsultoria por:

Saulo Batinga Cardoso

Psiquiatra

ver Lattes

Revisão por:

Ligia Marroni Burigo

Médica de Família e Comunidade

ver Lattes

Elise Botteselle de Oliveira

Médica de Família e Comunidade

ver Lattes

Outras Perguntas

Como iniciar o tratamento farmacológico de Transtorno Obsessivo Compulsivo na Atenção Primária?

7 min leitura ler mais

Quais são as recomendações para tratamento de hipotireoidismo subclínico na gestação?

10 min leitura ler mais

Quais são os critérios para considerarmos um tratamento adequado de sífilis em gestante?

12 min leitura ler mais

Como realizar avaliação e manejo inicial do paciente com comportamento suicida na APS?

10 min leitura ler mais

Quais são as indicações de punção lombar na investigação de sífilis?

3 min leitura ler mais