Qual o tratamento de pitiríase versicolor?

Publicado em 06/12/2017

Pergunta-da-Semana

O tratamento tópico é o tratamento de primeira escolha. A opções são:

  • Antifúngicos azólicos tópicos (cremes, loções, sprays): miconazol, cetoconazol, clotrimazol, oxiconazol: aplicar 1 a 2 vezes ao dia, por 1 a 4 semanas; ou
  • Cetoconazol 2% xampu: deixar em contato com a pele por 5 a 10 minutos, 1 vez ao dia, por 1 a 4 semanas.

O tratamento oral é utilizado para casos extensos, recorrentes ou refratários ao tratamento tópico:

  • Fluconazol 300 mg, 1 vez por semana, por 2 a 4 semanas; ou
  • Itraconazol 200 mg, 1 vez ao dia, por 5 a 7 dias.

Áreas de hipopigmentação podem permanecer após o tratamento, a repigmentação será gradual, ao longo dos meses após o tratamento.  A despigmentação persistente não é critério para falência ao tratamento tópico.

Deve-se considerar tratamento profilático para casos recorrentes com Cetoconazol 2% xampu, aplicar em todo o corpo, manter por 10 minutos, 1 vez por mês, principalmente nos meses quentes.

O tratamento oral não é usualmente utilizado em crianças. Tebinafina oral não é efetiva no tratamento de pitiríase versicolor.  Cetoconazol oral não deve ser utilizado para tratamento de micoses superficiais. Clique aqui

Encaminhar para dermatologia os pacientes com pitiríase versicolor se:

  • quadro extenso em pacientes imunocomprometidos (por medicamentos, HIV, outras imunodeficiências); ou
  • refratária ao tratamento clínico otimizado.

 

Referências

BOLOGNIA, J.; JORIZZO, J.; RAPINI, R. P. Dermatology. 3rd ed. Toronto: Elsevier, 2012

GOLDSTEIN, B. G.; GOLDSTEIN, A. O. Tinea versicolor (Pityriasis versicolor). Waltham (MA): UpToDate, 2017. Disponível em: <http://www.uptodate.com/contents/tinea-versicolor-pityriasis-versicolor>. Acesso em: 04 dez. 2017.

DUNCAN, B. B. et al. Medicina Ambulatorial: condutas de atenção primária baseadas em evidências. 4. ed. Porto Alegre: Artmed, 2013.

DYNAMED PLUS. Record No. 114485, Tinea versicolor. Ipswich (MA): EBSCO Information Services, 2017.Disponível mediante senha e login em: <http://www.dynamed.com/topics/dmp~AN~T114485/Tinea-versicolor>. Acesso em: 5 dez. 2012.

GOLDSTEIN, B. G.; GOLDSTEIN, A. O. Tinea versicolor (Pityriasis versicolor). Waltham (MA): UpToDate, 2017. Disponível em: <http://www.uptodate.com/contents/tinea-versicolor-pityriasis-versicolor>. Acesso em: 04 dez. 2017.

GRIFFITHS, C. et al. Rook’s Textbook of Dermatology. 9th ed. Malden, Oxford, Victoria: Wiley-Blackwell, 2016. Chap. 32.

 

Teleconsultoria respondida por Taiane Sawada de Souza. Teleconsultora Médica Dermatologista. Graduada em Medicina pela UFRGS, residência em Dermatologia no HCPA e Kelli Wagner Gomes, Teleconsultora do TelessaúdeRS-UFRGS, Médica pela UFRGS e Residência em Dermatologia no Hospital de Clínicas de Porto Alegre.

 

Gostou do Nosso Conteúdo? Compartilhe com seus contatos:

Notícias Relacionadas