Qual a indicação de uso de máscaras caseiras pela população?

As pessoas devem usar máscaras caseiras em ambientes públicos, em especial quando não for possível manter as recomendações de distanciamento social e em regiões com alta transmissão comunitária. [1,2,3,4,5] 

Essa recomendação é baseada nos seguintes pontos:

  • Estudos recentes mostram que muitos pacientes têm infecção assintomática e podem transmitir o vírus. [2,6]
  • A máscara pode criar uma barreira física e impedir a disseminação de gotículas no ar. [2,4,5]
  • Trata-se de uma medida de proteção populacional, como uma medida de saúde pública voluntária para diminuir a disseminação do vírus. [2]

Alguns cuidados na utilização da máscara devem ser seguido com atenção. Do contrário há risco de perda de efetividade ou mesmo aumento do risco de infecção:

  • O uso da máscara não deve diminuir as outras medidas de proteção. A maneira mais efetiva de se proteger contra o coronavírus é a lavagem frequente de mãos, distanciamento de pelo menos 2 metros de pessoas com sintomas respiratórios e cobrir a face com o cotovelo ao tossir ou espirrar. [3,4,5,7,8,9] 
  • Pessoas com quadro de síndrome gripal que estiverem em isolamento domiciliar, devem continuar usando máscara cirúrgica. O mesmo vale para o cuidador mais próximo dessa pessoa, quando estiver no mesmo ambiente da casa. O uso de máscaras caseiras não é adequado nestas situações e só deve ser utilizado quando não houver máscara cirúrgica disponível. [1,3,4,5]
  • Não utilizar a máscara por mais de 2 a 3 horas seguidas e não utilizar quando já estiver úmida ou com sujeira aparente. [1,3]
  • O importante é que a máscara seja feita nas medidas corretas cobrindo totalmente a boca e nariz e que esteja bem ajustada ao rosto, sem deixar espaços nas laterais. [1]
  • A máscara deve ser individual e nunca deve ser compartilhada. 
  • Cuidados para remover a máscara: [1,2]
    • não tocar a máscara nem ficar ajustando no rosto ao utilizá-la na rua;
    • antes de retirar a máscara, deve-se lavar as mãos com água e sabão; 
    • para removê-la pegue o elástico/laço/nó da parte traseira (evite tocar a parte da frente);

Para confecção da máscara, sugere-se as seguintes orientações [1,3]:

  • Material: A máscara precisa ter duas camadas de tecido (ser dupla face) e deve ser feita com os seguintes tecidos (em ordem de capacidade filtrante de partículas virais: 
    • tecido de saco de aspirador;
    • cotton (poliéster 55% e algodão 45%), 
    • tecido de algodão; 
    • fronhas de tecido antimicrobiano.

Pode-se ainda utilizar TNT na  gramatura de 20 – 40 g/m², porém neste caso a máscara deve ser descartada após o uso e nunca reutilizada.

  • Tamanho: A máscara deve cobrir o nariz e a boca totalmente e estar bem ajustada ao rosto, sem deixar espaços nas laterais (o elástico ou as tiras devem amarrar acima das orelhas e abaixo da nuca).

Como higienizar: 

A forma de higienizar as máscaras caseiras diverge na literatura. O CDC recomenda lavar:

  • na máquina de lavar com detergente de roupas normalmente (podendo lavar junto com outras roupas); ou
  • à mão, deixando a máscara em imersão de solução de água sanitária por 5 minutos [10]. 

A OMS não faz menção à higienização dessas máscaras. 

No Brasil, o Ministério da Saúde e ANVISA recomendam que a máscara deve ser lavada pelo próprio indivíduo e nunca junto com outras roupas. Lavar previamente com água corrente e sabão. Deixar em imersão por 30 minutos em solução de água potável e água sanitária 2,0 a 2,5%, na proporção 1:50 (por exemplo: 10 mL de água sanitária para 500mL de água potável). Após, enxaguar a máscara e deixar secar. Depois de seca, passar com ferro quente e acondicionar em saco plástico. Também é possível usar máquina de lavar com ciclo completo de lavagem (lavagem, enxágue, secagem) por pelo menos 30 minutos com uma temperatura de lavagem de 60ºC.

Máscaras não devem ser colocadas em crianças menores de 2 anos ou em qualquer pessoa que tenha dificuldade respiratória, estiver inconsciente ou que seja incapaz de remover a máscara sem assistência. [2]

As máscaras cirúrgicas e N95 devem ser priorizadas para uso por profissionais de saúde, para que não cause o desabastecimento deste EPI e se garanta a proteção dos profissionais de saúde e pacientes. [1,2]

Referências:

1. Ministério da Saúde (Brasil). Secretaria de Atenção Primária à Saúde. Departamento de Saúde da Família. Coordenação-Geral de Garantia dos Atributos da Atenção Primária. Nota Informativa nº 3/2020-CGGAP/DESF/SAPS/MS. Brasília, DF; [4 Abr 2020, citado em 27 Maio 2020]. Disponível em: https://www.saude.gov.br/images/pdf/2020/April/04/1586014047102-Nota-Informativa.pdf

2. Centers for Disease Control and Prevention. Coronavirus Disease 2019 (COVID-19). Recommendation regarding the use of cloth face coverings, especially in areas of significant community-based transmission coronavirus disease 2019 (COVID-19). Georgia; 2020 Apr 3 [citado em  27 Maio 2020]. Disponível em: https://www.cdc.gov/coronavirus/2019-ncov/prevent-getting-sick/cloth-face-cover.html.

3. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Orientações gerais: máscaras faciais de uso não profissional. Brasília, DF; 3 Abr 2020 [citado em  27 Maio 2020]. 11 f. Disponível em: http://portal.anvisa.gov.br/documents/219201/4340788/NT+M%C3%A1scaras.pdf/bf430184-8550-42cb-a975-1d5e1c5a10f7.

4.    World Health Organization. Advice on the use of masks in the context of COVID-19: interim guidance. Geneva; 2020 Apr 6 [citado em  27 Maio 2020]. Disponível em: https://apps.who.int/iris/handle/10665/331693

5.    World Health Organization. Rational use of personal protective equipment for coronavirus disease (COVID-19) and considerations during severe shortages: Interim guidance. Geneva; 2020 Apr 6 [citado em  27 Maio 2020]. Disponível em: https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/331695/WHO-2019-nCov-IPC_PPE_use-2020.3-eng.pdf

6.    Leung CC, Lam TH, Cheng KK. Mass masking in the COVID-19 epidemic: people need guidance. Lancet. 2020 Mar 21;395:945. Doi 10.1016/S0140-6736(20)30520-1.

7. McIntosh K. Coronavirus disease 2019 (COVID-19): epidemiology, virology, clinical features, diagnosis, and prevention [Internet]. Waltham (MA): UpToDate; [atualizado em 22 May 2020, citado em  27 Maio 2020]. Disponível em: https://www.uptodate.com/contents/coronavirus-disease-2019-covid-19-epidemiology-virology-clinical-features-diagnosis-and-prevention.

8. DynaMed. Record No. T1579903929505, COVID-19 (Novel Coronavirus) [Internet]. Ipswich (MA): Information Services, 1995; [atualizado em 27 Jan 2020, citado em  27 Maio 2020]. Disponível em: https://www.dynamed.com/topics/dmp~AN~T1579903929505

9. World Health Organization (WHO). Health Emergencies Preparedness and Response. Q&A on coronaviruses (COVID-19). Genebra; 2020 Apr 17 [citado em  27 Maio 2020]. Disponível em: https://www.who.int/news-room/q-a-detail/q-a-coronaviruses.

10.  Centers for Disease Control and Prevention. Coronavirus Disease 2019 (COVID-19). How to wash cloth face coverings. Georgia; 2020 May 22 [citado em  27 Maio 2020]. Disponível em: https://www.cdc.gov/coronavirus/2019-ncov/prevent-getting-sick/how-to-wash-cloth-face-coverings.html.

Com dúvida clínica?

conheça nossa teleconsultoria

Essa resposta foi gerada a partir de uma da mais de 100 mil teleconsultorias realizadas por nós atráves do 0800 644 6543, canal gratuito para resolução de dúvidas de profissionais da saúde de todo o Brasil.

+ Lidas

acessar todas

Qual a aplicabilidade dos testes diagnósticos para COVID-19?