Cultura / Música / Viés

A “Boa Música”

Está intrínseco na nomenclatura que damos a algumas coisas as suas qualidades, ou que de alguma maneira, são atribuídas como julgamento de valor em tal nominação. Música eletrônica. Por mais genuína e orgânica que seja qualquer manifestação sonora, não a chamamos de “música orgânica” ou “música mecânica” e sim há uma profusão de ritmos muito bem definidos e diagnosticados: “isso é hard rock” ou “isso é pós-punk”. Não na música eletrônica. Que suas derivações fiquem por conta de seus entusiastas, o que é comum de outras manifestações de nicho. A questão aqui está na forma como é apresentada: a necessidade de declarar sua natureza “eletrônica”, antes de qualquer coisa, soa como um degrau a menos no pedestal daquilo que é considerado boa música. É automatizada, técnica, é só “tunt tunt” que serve para as raves, qualquer um pode fazer, descartável. Bom não é verdade. A música eletrônica (e aqui até eu me rendo a essa caracterização), além de ser digna de todos os elementos de composição – melodia, harmonia e ritmo – é capaz de criar grandes narrativas e reflexões a partir de sua construção. Também é verdade, como qualquer outro tipo de som, que tenhamos as versões comerciais e absorvidas pela indústria pop (e que não devem ser desmerecidas).

Quando os alemães do Kratwerk (percursores da dance music moderna) revolucionaram a maneira como os elementos sintéticos de som poderiam se tornar música em si e se apropriaram dos ruídos da computação ainda nos anos 70, já era possível identificar a critica social do pós-guerra e temáticas relacionadas à automatização da vida urbana. Não são os sintetizadores que impedem a erudição da e-music (como muitos pensam), por muitas vezes são eles que tornam possível a abordagem de temas recorrentes contemporâneos e a criação de  uma reflexão sobre os próprios. Entre eles a corrida tecnológica, a automatização da vida e do trabalho, a obsolência programada, o pós-humanismo, o neoshamanismo, futurismo, entre outros. O experimentalismo permite hipertextos dignos de análise sobre um mundo contemporâneo em uma metalinguagem do som.

Divulgação

 

O vencedor do Grammy Awards de 2012 Skrillex e principal responsável pela difusão do dubstep no cenário mundial sublima os críticos de música convencionais – e aqueles que profanam a e-music como arte – na primeira faixa de sua obra-prima “”Scary Monsters and Nice Sprites” ao colocar uma mensagem reveladora sobre a narrativa sintética que a antecede:

 

“You have technicians here, making noise. No one is a musician.They are not artists because nobody can play the guitar.”

(Rock’n Roll Will Take You To The Mountain/Scary Monster And Nice Sprites/2011)

Divulgação. Big Beat Records

 

O projeto “Africanism All Stars” contempla outra vertente da e-music que se apropria dos elementos tribais de percurssão para incitar construções de rito e de magia. Na própria música pop, a faixa “This Used to be the Future” do duo Pet Shop Boys conta com uma epopeia de um pouco mais de 1 minuto de sintetizadores que claramente sozinhos conseguem representar uma crítica à progressão tecnológica e aceleração do ritmo de vida.

 

A grande questão é que a música não deveria ser classificada pela natureza de seus elementos. “Boa música” é uma porção individual de referências que a vão criar para quem aprecia. Muitos acreditam que os sintetizadores e maquinaria eletrônica não merecem ser levados a sério, ou até que estejam dominando e sublimando as outras organizações “convencionais” de música. Sejam os acordes de um violão ou os “loops” ajustados digitalmente, nossos ouvidos vão ser estimulados por aquilo que nos toca, e ambos aqui são capazes.A música se torna música pela intenção e recorte sonoro de cada artista. Tanto as incontáveis bpm (batidas por minuto) em uma festa, a construção e reflexão de elementos compostos digitalmente ou qualquer coisa que sequer tenha passado perto desse processamento merecem a mesma prerrogativa: se os pelinhos do braço levantarem, essa é a “boa música”.

Tags: , , , ,

3 comentários

  1. Concordo Maurício! Os rótulos usados para atribuir característica a determinados ramos musicais quase sempre cometem injustiças com quem atravessa essas fronteiras

  2. Este conceito de “boa música” sempre me intrigou. Ótimo texto!

  3. Christiana Cirne Lima says:

    Baita texto. Mesmo não entendendo (essa expressão cabe melhor) nada de música eletrônica, não faz sentido criar categorias de qualidade para nenhum tipo de arte.

Deixe uma resposta para Christiana Cirne Lima Cancelar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*