Política / Viés

A tal da Lei Seca

Não há dúvida nenhuma de que dirigir bêbado é perigoso, tanto para quem está dirigindo, quanto para quem está de carona e principalmente para quem também está no trânsito e pode ser envolvido em um acidente. Mas preste atenção, eu estou falando de dirigir bêbado. Tomar uma cervejinha com os amigos e depois dirigir, ao meu ver, não teria problema nenhum, desde que o motorista não estivesse embriagado e com os sentidos alterados.

Foto: Diogo Zanatta

Até poucos anos atrás o artigo 276 da Lei 9.503 dizia que para o condutor ser considerado inapto para dirigir, era necessária a concentração de seis decigramas  de álcool por litro de sangue. Em 2008, foi criada a Lei 11.705, revisando a lei anterior, onde ficou definido que a partir de então, qualquer concentração de álcool no sangue, por mais insignificante que fosse, já impossibilitaria o condutor de dirigir, estando sujeito a diversas penalidades rigorosas. Essas penalidades todas devem sim ser aplicadas para quem conduz, embriagado, um veículo automotor, mas será que é justo aplicá-las com o mesmo rigor para aqueles que apenas beberam algumas cervejas batendo papo com os amigos? É claro que voltando de uma festa com bebida liberada é totalmente imprudente pegar um carro e sair pela cidade, mas não posso nem assistir ao jogo do meu time tomando uma gelada por que tenho que me preocupar se vai ter blitz na hora de voltar pra casa.

Sou a favor da Operação Balada Segura, apoio o uso do bafômetro, concordo com as multas, recolhimentos de documentos de habilitação, retenções de automóveis. Mas por que diabos não mantiveram o já conhecido limite de 6 decigramas de álcool por litro de sangue? Li que esse limite seria equivalente a 2 copos de cerveja. Ótimo! É a medida ideal para matar a vontade e não oferecer risco para ninguém! Pena que já não tenho mais essa opção. Posso estar totalmente sóbrio e consciente dos meus atos, mas se for pego numa blitz, sou punido da mesma forma que uma criatura inconsequente que não sabe nem como foi parar dentro do carro.

Tags: ,

1 comentário

  1. Pingback: O outro lado da lei seca | Viés | O outro lado da rede

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*