Produção de esfoliantes biodegradáveis para cosméticos

Panorama tecnológico

Eliminar gradualmente a produção de cosméticos e produtos de higiene que contêm microesferas de polímeros sintéticos é um objetivo comum de diversos países no mundo. As micropartículas são feitas de polietileno, polipropileno ou poliestireno, que são polímeros não-biodegradáveis e podem acumular-se em ambientes marinhos naturais. Além disso, são pequenas o suficiente para passar através de sistemas de filtração de água. As microesferas de plástico são adicionados aos produtos para dar-lhes propriedades esfoliantes.

Descrição da tecnologia

Processo para obtenção de quitina e carbonato de cálcio a partir de resíduos de crustáceos. A quitina obtida é um biopolímero atóxico, biodegradável, biocompatível e com importância industrial e tecnológica há quase setenta anos. O carbonato de cálcio tem função importante como carga em diversos processos e produtos industriais.

Problema resolvido

A utilização do processo gera matéria-prima a fim de substituir polímeros não-biodegradáveis por opções biodegradáveis, em aplicações industriais diversas. Além disso, reduz o impacto ambiental causado pelo acúmulo nos locais onde são gerados e estocados os resíduos de crustáceos.

Vantagens

– O processo não necessita de fontes de aquecimento
– Não há produção de resíduos
– Não há liberação de CO2

Aplicações

A quitina obtida no processo pode ser empregada na indústria como substituta das microesferas em produtos para higiene e limpeza da pele.
– Esfoliantes faciais
– Cremes dentais
– Géis de banho
Tratamento de águas por sua capacidade de adsorver sulfatos e molibdatos em efluentes industrais em pH ácido
A quitina é precursora de quitosana cujos usos variam desde a agricultura até a indústria farmacêutica

Estágio de desenvolvimento (TRL – Technology Readiness Level)

Status da tecnologia
Pedido de patente depositado no INPI.

Oportunidades de parceria
Licenciamento
Parceria estratégica
Captação de recursos

Inventores
Carlos Pérez Bergmann
Tania Maria Hubert Ribeiro

2 Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *