Novo método de teste de deficiência da enzima DPD em tratamento oncológico

Panorama tecnológico
O câncer é uma doença crônica de alta incidência e está relacionada entre as cinco principais causas de morte no mundo. Pode-se estimar que o câncer é a segunda maior causa de morte quando analisados os números de mortes de pacientes portadores de doenças crônicas. Dentre esse grupo de doenças, entende-se que as neoplasias colorretal, de cabeça e pescoço, de estômago e de mama, são as mais frequentes e apresentam indicação terapêutica neoadjuvante, adjuvante ou paliativa com o antineoplásico 5- fluorouracil (5-FU).

Esse antineoplásico é um quimioterápico do grupo dos antimetabólicos que interfere na síntese do DNA e RNA por inibição enzimática, que apresenta um tempo de meia vida curto, entre 10 a 20 minutos. Sua depuração total do corpo varia conforme a sua administração, sendo que a enzima dihidropirimidina desidrogenase (DPD) é a principal responsável. Sabe-se que, contudo, pacientes podem apresentar mutações genéticas que levam a não expressão desta enzima, o que pode provocar efeitos adversos graves devido ao acúmulo do fármaco.

Descrição da tecnologia
Uma nova forma de identificar a redução da atividade do DPD através  do teste de deficiência da enzima DPD para pacientes em tratamento com fluoropirimidinas, resultando na estimativa do risco de toxicidade severa causado por fármacos quimioterápicos, por meio de análise de amostra de sangue capilar do paciente após sobrecarga oral de uracil.

Problema resolvido
Alternativas já publicadas incluem técnicas bastante complexas, já que fazem uso de baixas temperaturas para transportar as amostras que, geralmente, devem ser coletadas por especialistas. O método proposto pode ser executado pelo próprio paciente de maneira segura e ágil através de um kit de amostra de sangue onde o risco de toxicidade do paciente é fornecido com base na proporção entre as concentrações.

Vantagens
– Amostras a partir de sangue seco;
– Permite a coleta em ambiente domiciliar e o transporte das amostras em temperaturas ambiente.

Aplicações
– Farmacologia;
– Bioquímica.

Estágio de desenvolvimento (TRL – Technology Readiness Level)
Status da tecnologia

Pedido de patente depositado no INPI.

Oportunidades de parceria

Licenciamento

Parceria estratégica

Captação de recursos

Inventores
Rafael Linden
Marina  Venzon Antunes
Gilberto Schwartsmann
Suziane Raymundo

Visite nossos laboratórios (clique no logo)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *