Plano de ações emergenciais no abastecimento de água em tempos de epidemias – o fator coronavírus

Plano de ações emergenciais no abastecimento de água em tempos de epidemias – o fator coronavírus

Plano de ações emergenciais no abastecimento de água em tempos de epidemias – o fator coronavírus

O sistema de abastecimento de água envolve uma cadeia de processos e ações operadas por profissionais com variadas funções. O espalhamento do COVID-19 em sua cidade nos próximos dias irá colocar diversas pessoas em situação de risco. O objetivo deste plano emergencial é apresentar ações imediatas para reduzir esses riscos. Recomenda-se que seja antes elaborado um diagnostico inicial sobre o seu sistema, para que as ações possam ser priorizadas e ajustadas conforme a realidade local.

 

Elaborado pelo Grupo de Pesquisa em Planejamento e Gestão de Recursos Hídricos, IPH/UFRGS

Prof. Guilherme Fernandes Marques, PhD, IPH/UFRGS (guilherme.marques@ufrgs.br)

Eng. Iporã Possantti, MSc, IPH/UFRGS (possantti@gmail.com)

Eng. Rossano Belladona, MSc IPH/UFRGS (rbelladona101@gmail.com)

21 de Março de 2020. Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil.

 

Baixar PDF: Plano emergencial

PLANO EMERGENCIAL DE AÇÕES PARA O SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA FRENTE AOS RISCOS OFERECIDOS PELO CORONAVÍRUS

  1. Introdução

O sistema de abastecimento de água envolve uma cadeia de processos e ações operadas por profissionais com variadas funções. O espalhamento do COVID-19 em sua cidade nos próximos dias irá colocar diversas pessoas em situação de risco. O objetivo deste plano emergencial é apresentar ações imediatas para reduzir esses riscos. Recomenda-se que seja antes elaborado um diagnostico inicial sobre o seu sistema, para que as ações possam ser priorizadas e ajustadas conforme a realidade local.

  1. Recomendações

 As recomendações são agrupadas nas categorias: comunicação, alteração em quadro, alterações operacionais, proteção individual e considerações financeiras, detalhadas a seguir.

Comunicação

Um plano de comunicação é a primeira linha de defesa em situações dessa natureza. O primeiro passo é a criação de um centro de acompanhamento e resposta (ou sala de situação) na própria empresa de abastecimento. Essa ação deve ser acompanhada das demais apresentadas a seguir

Criação de sala de situação

 Esse centro deve ter atendimento 24h (ou o máximo possível) e deve reunir as seguintes informações:

  • Mapa da área de cobertura
  • Posicionamento no mapa das ETAs
  • Posicionamento no mapa das rotas percorridas pelos funcionários, a partir dos seus endereços
  • Listagem de cada ETA e funcionário, com respectiva função, endereço e telefone
  • Posicionamento no mapa das rotas percorridas pelos entregadores de materiais, a partir dos seus endereços, com respectivo material, empresa fornecedora, endereço e telefone do motorista
  • Lista detalhada de cada fornecedor, prestador de serviços terceirizados críticos (análise laboratorial e fornecedor de produtos químicos) incluindo nome, endereço e telefone

Contato inicial de emergência

 Realizar contato imediato em cada estação, com a presença de profissional de segurança do trabalho responsável e profissional habilitado da área de saúde. No contato, devem ser repassadas informações pertinentes de cuidado e precaução, além de explicar os demais procedimentos de segurança detalhados no presente plano. Informar aos funcionários de cada ETA sobre a necessidade de isolamento em casa, de modo a reduzir o risco de contágio, e de procedimentos de descontaminação assim que os mesmos retornarem às suas residências ao final de um dia de trabalho. O objetivo é limitar o contato do funcionário, e de seus familiares, com situações de risco de contágio. Uma possibilidade é gravar um vídeo institucional com orientações e disponibilizar na plataforma Youtube.

Canais de comunicação internos – ETAs e equipes de manutenção (sistema de distribuição)

Estabelecer três canais de comunicação, via aplicativo whattsup. Deve ser criado um grupo para cada ETA, com a inclusão de todos os funcionários e um administrador (gerente), um grupo para equipes de manutenção e operação de rede (sistema de distribuição) e um grupo com os gerentes de cada ETA, a diretoria e o responsável pela sala de situação.

Informar aos funcionários para comunicar no grupo imediatamente em caso de sintomas manifestados pelo funcionário, membros da família ou vizinhos próximos (na mesma rua).

Canais de comunicação externos – fornecedores e transportadores

A sala de situação deve criar canal de comunicação direto (grupo whattsup) com fornecedores e transportadores de serviços e produtos críticos (análises laboratoriais, produtos químicos) para atualização de condições de entrega, adoção de procedimentos de segurança e previsão de desabastecimento de algum produto. Identificar fornecedores alternativos de produtos e serviços críticos e estabelecer contato.

Manuais simplificados operacionais de emergência

Em caso da de alguma tarefa crítica na ETA ou na manutenção e operação da rede precisar ser operada por pessoal com experiência reduzida (situação crítica) os mesmos devem ter acesso fácil a um manual de orientação básico (exemplo: dosagem de produtos químicos, manobra de registros, para permitir que as tarefas sejam executadas.

Rede de contatos com companhias de abastecimento

Estabelecer contatos com outras prestadoras de serviço de abastecimento de água em área próxima, via sala de situação, para identificar pessoal técnico qualificado capaz de prestar atendimento em situações críticas.

Checagem com funcionários para problemas em casa

Verificar com funcionários o planejamento de questões familiares. O avanço rápido da doença está demandando diversas alterações na rotina de várias pessoas, o que pode afetar a disponibilidade dos funcionários para comparecer ao trabalho (meios de transporte alternativos, cuidados dos filhos, idosos, problema na renda familiar etc). Se há risco de funcionários não comparecerem por questões familiares, há risco de comprometer a operação da estação. Os profissionais de segurança do trabalho devem conduzir um levantamento dessas condições e elaborar um relatório de diagnóstico rápido indicando quais ETAs apresentam maiores riscos. Esse relatório deve ser encaminhado à sala de situação.

Alteração em quadro

  • Reduzir o número de pessoal ao mínimo possível, conforme avaliação da chefia responsável.
  • Implementar trabalho remoto para casa pessoal com mais de 60 anos e condições médicas de risco.
  • Implementar ou ampliar sistema de monitoramento e acompanhamento por vídeo de tarefas e procedimentos críticos.
  • Substituir pessoal de funções não críticas por pessoal em menor condições de risco e manter orientações remotas pelo pessoal que ficar em casa.
  • Considerar a implementação de turnos de trabalho alternados de modo a reduzir a quantidade de funcionários trabalhando simultaneamente, e no mesmo ambiente.
  • Treinar pessoal reserva para criar equipes de contingência para (1) limpeza e desinfecção de instalações (2) operação das ETAs e (3) manutenção e operação da rede de abastecimento.

Alterações operacionais

  • Priorizar apenas as tarefas referentes aos processos críticos do funcionamento das ETAs e operação e manutenção da rede de distribuição, de modo a reduzir o número de pessoas em circulação nas unidades e nas ruas, reduzindo os riscos.
  • Revisar e checar o funcionamento dos geradores a diesel. Manter estoque extra de combustível e de peças críticas sobressalentes.
  • Verificar a possibilidade de disponibilizar meio de transporte alternativo a alguns funcionários para evitar aglomeração em coletivos urbanos e reduzir o risco.
  • Em relação aos serviços laboratoriais terceirizados, recomenda-se verificar se o laboratório mantém equipe adequada e as condições de funcionamento do mesmo. Para cada análise deve ser elencado um segundo laboratório para preencher a lacuna. Certificar que o segundo laboratório tem a certificação necessária.
  • Em relação aos serviços laboratoriais terceirizados, verificar a possibilidade de alterações nos procedimentos de coleta de material em caso de necessidade.
  • Manter kits sobressalentes, onde possível, para análises. Providenciar etiquetagem ampla e clara, considerando que a análise pode ter que ser feita por alguém com reduzida experiência.
  • Adiar, por tempo indeterminado, a entrega de materiais e produtos que não forem absolutamente necessários ao funcionamento da ETA no período de curto prazo.
  • Avaliar os estoques de suprimentos críticos para a operação da ETA. As recomendações de isolamento podem reduzir a disponibilidade de motoristas para entregas, resultando em atrasos ou até cancelamentos.
  • Interromper temporariamente análises laboratoriais e/ou procedimentos padrão de verificação de processos de qualidade não essenciais, conforme previsão legal.
  • Aumentar o estoque de suprimentos críticos para período de pelo menos 6 meses, conforme a capacidade de armazenamento. Em caso de limitada capacidade de armazenamento, providenciar depósitos adicionais.
  • Providenciar aquisição em caráter emergencial de peças sobressalentes para equipamentos críticos como dosadores, medidores e outros.
  • Avaliar as manobras hidráulicas necessárias para conectar os sistemas que possuem ligações já existentes, caso já não estejam operando conectados.
  • O fechamento temporário de empresas em áreas comerciais e industriais, juntamente com a rotina de isolamento imposta aos habitantes poderá resultar na necessidade de mudanças na operação da rede para acomodar mudanças espaciais e temporais no padrão de consumo. A equipe de operação deverá se reunir, avaliar cenários possíveis e identificar medidas e alterações em resposta.
  • Avaliar a possibilidade de conexão hidráulica emergencial nos sistemas isolados.
  • Solicitar à vigilância sanitária a autorização para redução temporária na quantidade de análises de água, visando poupar mão de obra necessária coleta.

Proteção individual

  • Verificar os estoques e disponibilidade de EPI (máscaras, luvas e sanitizadores) disponíveis para os operadores em cada ETA e equipes de campo em trabalhos de manutenção e operação de rede.
  • Criar um protocolo de chegada em cada ETA, com procedimentos de troca de calcados e higienização das mãos, rosto, chaves, carteira e aparelho celular antes de entrar na ETA
  • Restringir o acesso à área onde trabalham pessoas em processos nas parte química, físico-química e laboratorial.

Considerações Financeiras

O impacto econômico da pandemia ainda é incerto. Esse impacto pode afetar fornecedores, funcionários e especialmente usuários da rede na forma de atrasos em pagamentos e inadimplência. Deve ser realizada simulação do fluxo de caixa considerando cenários diferentes de inadimplência e atrasos, para identificar gargalos financeiros e tomada de providencias.

 

gerente

Os comentários estão fechados.