Caso
Adoção Comercial
Belinda e Kimberley


Caso Transplantes / Goldim

José Roberto Goldim


 

Em julho de 2000, em St.Louis, estado de Missouri/EUA, um casal Aaron e Tranda Wecker tiveram duas filhas gêmeas, chamadas de Kiera e Keyara. Em outubro de 2001 a mãe as deu para adoção para um casal de San Bernardino, na Califórnia, por cerca de US$6.000,00.

O casal Richard e Vicky Allen, já tinha um outro filho adotivo, recebeu as duas meninas e as mantiveram por dois meses. A mãe biológica, Tranda Wecker, entrou em contado e solicitou que antes de ser oficializada a adoção, ela gostaria de poder passar dois dias com as filhas. O casal Allen consentiu. Ela entregou as meninas a um casal britânico, Allan e Judith Kilshaw, que havia entrado em contato através de um site na internet para adoção - Caring Hearts Agency. Através da sua diretora Tina Johnson, fizeram contato com a mãe das gêmeas, pagaram o equivalente a US$12.000,00 e receberam as meninas, que foram renomeadas de Belinda e Kimberley. Um, outro casal, Amy e Eddie White, da cidade de Nova Iorque, nos Estados Unidos, admitiu que também tinha disputado as gêmeas. iriam pagar US$10.000,00, porém não tiveram tempo suficiente para juntar o dinheiro para realizar o pagamento.

Ainda na Califórnia, o casal Kinshaw teve um contato  com o casal Allen e ratificaram a sua posse e disposição em levar as crianças para a Grã-Bretanha. O casal Allen se dispôs a entrar na justiça para garantir a guarda das gêmeas.

O casal Kinshaw, que já tem três filhos, dois meninos e uma adolescente, tinha tentado ter outro filho através de reprodução assistida, inclusive com maternidade substitutiva, sem sucesso. A adoção foi a sua última estratégia.

O casal Kinshaw, a mãe biológica e as gêmeas foram para o estado de Arkansas, nos Estados Unidos, onde as leis de adoção são mais fáceis e rápidas. Eles mentiram que já moravam no estado pelo menos por um período prévio de 30 dias. Obtiveram a adoção e rumaram diretamente para a Grã-Bretanha.

Em 16 de janeiro de 2001 o jornal The Sun publicou a história e no dia seguinte a justiça inglesa determinou que as gêmeas deveriam ficar sob a custódia do Flintshire Social Service.

Em 24 de janeiro o pai, Aaron Wecker, entrou na justiça norte-americana solicitando a custódia de suas filhas.

Em 9 de abril de 2001 a justiça inglesa determinou que as gêmeas deveriam retornar para o estado de Missouri no Estados Unidos.

 


Bioética e Reprodução
Página de Abertura - Bioética

(c)Goldim/2002