Eixos temáticos


08 de novembro das 14h às 17h30 – Sessões de Trabalho: Comunicações por Eixos Temáticos
Local: Faculdade de Educação (Relação das salas de aula)


Eixo Temático 1: Educação, interculturalidades e libertação

Coordenadores: Laura Mansur e Cristina Simmonds Muñoz

O encontro com o Outro no espaço educativo evidencia a existência de diferentes universos de compreensão, racionalidades e maneiras de pensar a América Profunda, revelando indícios da continuidade do passado americano no presente. Diversas vozes surgem, cada vez com maior força, para pensar esta América desde o que realmente somos, com implicações na educação e com a disposição de quebrar estereótipos e pré-conceitos já naturalizados nos fazeres educativos em nosso continente. Nesse contexto, este eixo convida a pensar a escola desde o olhar de Kusch, traçando modos que permitam vivenciar e reconhecer essas diversas formas de pensamento (co)existentes, abrindo horizontes para estabelecer diálogos interculturais em um plano de igualdade com o Outro.

Trabalhos aceitos


Eixo Temático 2: Povos indígenas: educação, cosmologias e línguas

Coordenadores: Beatriz Stumpf e Olga Lucía Reyes Ramírez

Os povos indígenas apresentam grande riqueza de conhecimentos teóricos e práticos relacionados com suas cosmologias, modos de vida, línguas e pedagogias próprias. No entanto, enfrentam o desafio histórico e atual de lidar com questões interculturais e decoloniais em uma sociedade onde predomina a globalização neoliberal, com a imposição de padrões culturais, linguísticos e educacionais. Diante desse desafio, este eixo aborda reflexões que integram o pensamento de Rodolfo Kusch e de outros autores com conhecimentos e compreensões sobre epistemologias e concepções indígenas, incluindo cosmologias, sistemas organizacionais, línguas, tecnologias e processos educacionais próprios, de modo a contribuir para uma maior compreensão do pensamento ameríndio, suas trajetórias, lutas e concretizações.

Trabalhos aceitos


Eixo Temático 3: Filosofias do sul e processos de libertação

Coordenadores: Sandra Regina Ritcher e Mario Vilca

Descolonizar a filosofia significa não apenas escutar e acolher outras vozes e outras cosmovisões, mas problematizar a lógica hegemônica e a imposição de pensamentos dominantes. Recuperar para a filosofia o fundo comum da humana experiência mundana implica interrogar quem pode pensar e sobre o que pensar. Aqui, o que e o quem do pensamento são inseparáveis. Este eixo propõe um diálogo entre o pensamento de Rodolfo Kusch e o pensamento indígena, afrodescendente e popular que emerge dos sujeitos instituintes de ações sociais emancipatórias para promover o reencontro com uma filosofia adiada. Assim, acolhe propostas que permitam pensar como a filosofia – e o filosofar – que reconhece outros modos de existência e justifica outros modos de convivência pode fazer deste território de diferenças seu mapa de questionamentos e conceitos.

Trabalhos aceitos


Eixo Temático 4: Histórias, memórias e narrativas

Coordenadores: Ana Tettamanzy e Andrea Bocco

A narrativa é forma que organiza a experiência humana no tempo e no espaço. Sua contribuição é inegável para o campo da história, assim como para a elaboração da memória coletiva ou individual. No caso da obra de Rodolfo Kusch, para além da escrita literária, a narrativa encontra lugar na escuta que realizou dos povos andinos e dos grupos populares sua imersão na América profunda. Através de antigas narrativas, o filósofo aprende sobre a marcha de deus no mundo e com elas chega à compreensão da história como conflito, mas também como equilíbrio de coisas opostas. Enquanto a pequena história da cidade se reduz à riqueza do pátio de objetos e ao desamparo no esforço de “ser alguém”, a história grande do americano se forja no saber milenar de ritos e mitos manifestos no simples “estar aqui” em comunidade, submetido à natureza e à ira divina.

Trabalhos aceitos


Eixo Temático 5: Corporeidade, espiritualidade e saúde

Coordenadores: Felipe Gustsack e Oscar Fernandez

Este eixo contempla estudos, práticas e investigações que pensem a saúde na sua relação com a corporeidade e a espiritualidade. Acolhe discussões de perspectivas amplificadas da espiritualidade como modos de existência e de pensamento, como nas cosmologias ameríndias e afrodescendentes. Considera o xamanismo como práticas tradicionais de cura e de educação e suas derivações na contemporaneidade na formação profissional e nas práticas sociais.

Trabalhos aceitos


Eixo Temático 6: Colonialismo, colonialidade e pensamento decolonial

Coordenadores: Marizete Lucini e Edson Antoni

A história do continente americano é marcada pela modernidade/colonialidade eurocêntrica que sustentou e, em parte ainda sustenta, a ideia de um mundo civilizado se contrapondo à barbárie, de um tipo de desenvolvimento e progresso baseados em modelos exógenos indicados como único caminho para sair de um suposto atraso. São heranças coloniais que tentam explicar a dominação e a submissão que aflige a América indo-afro-latina por meio da ideia de “inferioridade natural”. Contudo, a América contém a força da Pachamama, que produz caminhos próprios inspirados em uma geocultura, em saberes e conhecimentos originários como fontes alimentadoras do pensamento e de posturas decoloniais, que também são heranças de lutas e re-existências, como sementes germinando no mais profundo solo americano.

Trabalhos aceitos


Eixo Temático 7: Teatro, artes, literaturas e estéticas

Coordenadores: Dannilo Melo e João Vanderlei Filho

Em sua obra, Rodolfo Kusch, criou categorias e metáforas para indagar a filosofia ocidental dominante. Para isso, mergulhou numa vivência investigativa sobre o pensamento americano situado e seminal, em que questiona diversas formas de realidades através de diferentes perspectivas, como: o monstruoso e amorfo estético, o vazio da arte americana, tragédias dicotômicas entre o vital e o social, a crítica a uma “gran arte” e a uma literatura do tenebroso. É nessa paisagem entrelaçada de arte e cultura que o pensamento de Kusch orbita e fagocita, abrindo caminhos para análises críticas de nossas mais profundas problemáticas e criações. Portanto, este eixo convida a debater sobre teatro, artes, literaturas e estéticas nos vieses de poéticas de(s)coloniais, bem como nos gestos de libertação.

Trabalhos aceitos


Eixo Temático 8: Políticas e estudos de América

Coordenadores: Cláudia Antunes e Marcelo Roberto Gobatto

Aprendemos com Rodolfo Kusch que a compreensão da realidade sul-americana encontra-se além das metodologias, dos critérios de objetividade e das relações de causa e efeito herdados do racionalismo eurocêntrico. Essa compreensão está profundamente relacionada ao solo americano, com toda a sua gravidade e potencial de germinação, sendo ela própria fruto que brota deste solo, onde noções como “seminalidade” e “fedor” mostram-se mais fecundas para a compreensão de nossos processos políticos e de outros aspectos de nossa realidade do que as categorias acadêmicas tradicionais. Nesse sentido, este eixo busca reunir estudos voltados para a compreensão de políticas, bem como de variados aspectos da realidade americana desde sua porção Sul, em diálogo com a obra de Kusch e de pensadores que abrem brechas para o reconhecimento de outras epistemologias, contemplando diferentes contextos e problemáticas na compreensão da realidade americana.

Trabalhos aceitos


Eixo Temático 9: Mulheres, sabedorias e lutas

Coordenadores: Graziela Rinaldi e Andreia Meinerz

O presente eixo tem como objetivo dialogar sobre as diferentes narrativas de mulheres negras, indígenas, da periferia de nossa América profunda; de que maneira suas histórias de vida e sabedorias produzem modos de re-existência nos coletivos a que pertencem. Re-existência é, nesse sentido, criação, capacidade que os coletivos encontram de reinventarem a si próprios e, ao mesmo tempo, inspirados pela ancestralidade, pelas narrativas e vivências de seus povos, poderem reconstruir mundos e formas de estar juntos.

Trabalhos aceitos


Eixo Temático 10: Territórios, territorialidades e modos de estar sendo

Coordenadores: Fernanda Brabo e Dilermando Cattaneo

Territórios, territorialidades: termos que assumem múltiplos sentidos e significados ao evocar a terra, seja o solo/chão/terreno em que se pisa ou nos instalamos, seja uma terra mater sagrada onde se pode estar sendo e conjurar sonhos/horizontes. Território é domicílio, existência, re-existência, lugar de fala e de escuta, instalação e retomada. Territorialidade é fluidez e densidade, é transitoriedade, é ação e contemplação, é ordem e desordem, momento e movimento. Correspondem a diferentes arranjos, temporalidades, espacialidades: diferentes modos de estar sendo no mundo, no aqui e agora, num passado e num futuro presentificados. Modos de estar sendo na e junto com a Terra, de sentir/pensar/sentipensar nossa geocultura, de afirmar e reificar territórios e territorialidades múltiplas, únicas, outras.

Trabalhos aceitos


Eixo Temático 11: América profunda, democracias e movimentos sociais

Coordenadores: Fátima Souza e Óscar Diaz

O afã comercial, manipulativo e dominador dos colonizadores estrangeiros da América tem gerado a necessidade de nossos povos se reconectarem com sua ancestralidade para resistir a esse domínio. Nesse sentido, este eixo acolhe discussões pautadas no pensamento de Rodolfo Kusch visando (re)configurar compreensões das democracias e dos movimentos sociais na América. São bem-vindas reflexões quanto à negação do pensamento indígena e popular como (des)constituição do sujeito; às funções do mítico e do simbólico na seminalidade de movimentos sociais e democracias; à conjugação de dicotomias: medo original, temor à ira divina, medo de ser primitivo/inferior, fedor e pulcritude, ser alguém e mero estar, solução e salvação, fagocitação como processo de resistência, entre outros acertos fundantes de nossa cultura e pensamento.

Trabalhos aceitos