Laboratórios

icone

Laboratórios

LOPP

O Laboratório de Otimização de Produtos e Processos (LOPP) é formado por um grupo de pesquisadores, doutores e mestres, que atuam na otimização de produtos e processos, e suas interfaces, desenvolvendo atividades de ensino e pesquisa. O LOPP também vem se consolidando como um centro de difusão de conhecimento, através do desenvolvimento de projetos junto a empresas industriais e de serviços. O LOPP atua dentro do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Coordenação

Cordenação Geral

Prof. José Luis Duarte Ribeiro, Dr.

Núcleos de Pesquisa

Coordenação: Prof. Francisco José Kliemann Neto, Dr.

Vice-Coordenadora: Profa. Joana Siqueira de Souza, Dra.

O NECOP é um grupo de pesquisa que desenvolve estudos e projetos na área de avaliação econômica de processos operacionais com foco em três linhas de pesquisa: Análise Gerencial de Custos, Avaliação Econômica de processos, projetos e empreendimentos e Análise e Gestão de Riscos. Considerando estes três grandes temas, o núcleo desenvolve trabalhos em diferentes ambientes, como agronegócio, indústria, setor portuário, organizações de saúde, entre outros, sempre visando aprimorar o processo de decisão organizacional através do desenvolvimento e da aplicação de metodologia estruturadas com foco no desempenho econômico.

Coordenação: Prof. Fernando Gonçalves Amaral, Dr.

Os problemas com a segurança e a saúde no trabalho constituem-se em grandes preocupações no cotidiano das empresas. Tais conceitos estão intimamente ligados e indivisíveis, tratando de um mesmo contexto: da proteção e da saúde do trabalhador. A falta ou a ofensa a uma delas implicará na ocorrência da outra, de imediato ou em curto prazo, pois, também estão profundamente vinculados ao contexto sócio-econômico-cultural dos trabalhadores. Deve-se frisar ainda a carência de formação no Brasil, com relação aos profissionais atuantes em pesquisas na área proposta capazes de transferir diretamente às empresas os conhecimentos em gestão de saúde e segurança no trabalho.

Nesse sentido, é preciso capacitar os atores envolvidos para a formação de uma cultura participativa, como fator fundamental para o estabelecimento de uma política de saúde e segurança que integre todas as áreas e níveis hierárquicos. É nesse âmbito que o NECSSO (Núcleo de Ergonomia e Capacitação em Segurança e Saúde Ocupacional) se insere, pois procura, através da formação de um núcleo especializado em segurança e saúde ocupacional, desenvolver e implementar pesquisas nas empresas, fundamentando a cultura em Ergonomia, saúde e segurança através da transferência de conhecimentos.

O Núcleo tem por objetivo a concepção e consolidação de um centro de referência em Ergonomia, segurança e saúde do trabalho. Através da formação de pesquisadores que possam implementar modelos de gestão em saúde ocupacional e segurança e de transferi-los a terceiros, ou seja, através da difusão do conhecimento pela atuação conjunta do setor empresarial e acadêmico.

O NECSSO foi concebido de forma a atender as demandas de pesquisa em duas frentes: formação de pesquisadores (formação do corpo técnico) e formação e capacitação nas empresas pela transferência (teórico-prática) dos resultados de pesquisas para os participantes destas.

Cordenação: Prof. Ricardo Augusto Cassel, Dr.

PENDENTE

Coordenação: Prof. Tarcísio Abreu Saurin, Dr.

Desenvolve novos métodos de para a gestão de operações em sistemas complexos. Atualmente, o dinamismo ambiental e o número de variáveis presentes na gestão de operações apresentam-se como um grande desafio para os gestores, pois os sistemas produtivos estão cada vez mais interligados e dependentes de outros sistemas. Com isso, a incerteza na tomada de decisão demanda que estes sistemas sejam resilientes para lidar com a complexidade organizacional. Percebe-se, no entanto, que os métodos tradicionais de gestão de operações possuem limitações para abranger o nível de complexidade frequentemente encontrador nos sistemas hospitalares, indústrias petroquímicas, e na aviação, por exemplo. A partir desta lacuna teórico-prática, as ações do grupo visam desenvolver e testar ferramentas mais adequadas a estes contextos.

Coordenação: Prof. Alejandro Germán Frank

Vice-Coordenção: Prof. Néstor Fabián Ayala

O Núcleo combina ferramentas de engenharia de produção com teorias e abordagens de gestão estratégica e organizacional objetivando compreender as problemáticas organizacionais e desenvolver soluções práticas para as empresas. Assim, este grupo trabalha sobre o bloco temático da engenharia organizacional, conforme a classificação da Associação Brasileira de Engenharia de Produção (ABEPRO), que contempla tópicos como: Gestão do desenvolvimento de produtos, gestão da inovação, gestão do conhecimento, gestão estratégica e organização industrial, entre outros.

Coordenação: Profa. Istefani Carísio de Paula

Desenvolve atividades de ensino, pesquisa e acessoria a empresas, buscando aproximar as inovaçõesm em métodos, processos, ferramentas e melhores práticas de gestão para os projetos de produto à realidade das empresas brasileiras.

Tendo uma visão essencialmente multidisciplinar, o GEDEPRO conta com a participação de mestres e doutores de diferentes áreas (Engenharias, Marketing, Estatística, Design, Ergonomia e Saúde), os quais atuam em diferentes linhas de pesquisa relacionadas com a Gestão do Desenvolvimento de Produto dando um espectro amplo de atuação na indústrial regional.

Coordenação: x

Atua em projetos de desenvolvimento de sistemas de informação com ênfase nas informações necessárias ao gerenciamento da produção e planejamento e implantação de SIG (Sistemas de Informações Gerenciais) em organizações. A especialidade do LOPP-SI é desenvolver SIG voltados para o ambiente Web

icone

Laboratórios

LASTRAN

As atividades profissionais em transportes, que se caracterizam pela interdisciplinariedade, envolvem desde análises de viabilidade e planejamento até a implantação e operação de sistemas multimodais. No LASTRAN, a ênfase é o desenvolvimento e uso de modelos computacionais e processos analíticos dedicados à solução de problemas de transportes. Pesquisas são desenvolvidas em estreita colaboração com demais áreas do PPGEP, Escola de Engenharia, Faculdade de Arquitetura, Instituto de Informática, e outros centros nacionais e internacionais. Trabalhos são realizados para empresas do setor privado e órgãos governamentais.

Coordenação

Cordenação Geral

Profa. Helena Beatriz Bettella Cybis, Dra.

Núcleos de Pesquisa

Coordenação: Profa. Christine Tessele Nodari, Dra.

Vice-Coordenação: Profa. Simone Valdete dos Santos, Dra.

Foi constituído em maio de 2018 e tem como objetivos: (i) integrar as atividades realizadas pelas diversas Unidades da Universidade sobre a temática do trânsito; (ii) trocar experiências entre as diversas unidades da UFRGS e outras entidades externas, visando a colaboração entre diferentes órgãos e núcleos universitários interdisciplinares de trânsito; (iii) desenvolver pesquisas na área de trânsito possibilitando a produção científica na área, com publicação de artigos, periódicos e livros científicos; (iv) divulgar e discutir a temática de trânsito de forma articulada com as Políticas Públicas; (v) representar a UFRGS nas questões relacionadas ao trânsito, quando for solicitado pelo Reitor; (vi) realizar ações concretas junto à comunidade da UFRGS e à sociedade na temática de trânsito, especialmente educação para o trânsito; e (vii) elaborar planos de redução de acidentes de trânsito, em conjunto com órgãos públicos de trânsito em nível municipal, estadual e federal e o Ministério da Educação e demais núcleos interdisciplinares universitários de trânsito.

icone

Laboratórios

CRETIES

A homologação de equipamentos médico-hospitalares durante o Processo de Desenvolvimento de Produtos (PDP) exige, frequentemente, mecanismos de validação rigororsos para garantir a segurança e eficácia das tecnologias de saúde disponibilizadas à população. Os processos regulatórios de equipamentos médicos-hospitalares constatemente solicitam e estabelecem mecanismos de validação mais rigorosos para garantir a segurança e eficácia das tecnologias de saúde disponibilizadas à população. As agências reguladores do mundo aumentam a segurança para a população, mas imputam novas barreiras técnicas que limitam o acesso de produtos nacionais a mercados externos e à população.

O procedimento de qualificação de produtos requer que a indústria garanta que os equipamentos, processos e sistemas operem de acordo com os objetivos para o qual foi projetado. Este tipo de ação deve ser especialmente desenvolvido para componentes críticos do produto.

Desta forma, este projeto permitirá estabelecer um Centro de Referência de Tecnologias em Equipamentos e Insumos Estratégicos em Saúde (CRETIES) com competência especializada no desenvolvimento, qualificação e validação de equipamentos e sistemas de imagens médicas.

Além disso, este convênio permitirá que os órgãos sanitários reguladores utilizem a infraestrutura laboratorial das instituições do Estado para a execução de suas atividades-fim, e contribuirá para a proteção da vida (segurança), para a proteção da saúde e para a preservação do meio ambiente.

A Constituição do CRETIES permitirá desenvolver pesquisas aplicadas no campo da Engenharia Biomédica/Clínica e poderá ainda prover apoio tecnológico às empresas nacionais para a superação dos gargalos tecnológicos dos produtos fabricados e, consequentemente, aumentar a sua competitividade frente aos produtos importados.

Coordenação

Cordenação Geral

Prof. Francisco José Kliemann Neto, Dr.

Núcleos de Pesquisa

icone

Laboratórios

CIM

O Laboratório de Manufatura Integrada por Computador – CIM teve sua inauguração em 2014, com a chegada dos equipamentos. que compõem sua planta produtiva e, após ajustes de infraestrutura da sala para o recebimento destes módulos e treinamento do pessoal autorizado na manipulação dos equipamentos iniciaram-se algumas atividades básicas pertinentes à sua utilização em atividades didáticas.

Coordenação

Cordenação Geral

Profa. Carla Schwengber ten Caten, Dra.

Núcleos de Pesquisa