O evento

Desejamos que o III Encontro Discente do Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da UFRGS permita-nos conversar sobre como  nossos corpos e nossos fazeres enquanto sujeitos estão imbricados no processo de produção de saberes e de sua legitimidade em mundos marcados pela disciplina antropológica. Por disciplina antropológica entendemos não somente as linhagens e tradições que conformam os diversos campos singulares das práticas realizadas nas cinco regiões brasileiras, mas também e, especialmente, as performatividades cotidianas de nossa formação e de nossas pesquisas.

O convite parte da identificação de um cenário que cada vez mais nos convoca a negar a invenção de modos de produção rebeldes e que acaba nos levando à produção e reificação de uma disciplina, muitas vezes, apartada da perspectiva da criação de outros modos de vida que não aqueles que nos constrangem a seguir rumos disfarçados de rigor científico. Sendo assim, propomos como tema de pensamento conjunto uma qualidade, a insurgência.

É com esse intuito que convidamos a todas as colegas pesquisadoras e todos os colegas pesquisadores, desde a graduação até a pós-graduação, para juntarem-se a nós no esforço de pensarmos as implicações éticas e políticas de fazer antropologia hoje. Ainda mais, convidamos a todas e todos para um evento que se pretende uma conversa produtiva sobre as possibilidades insurgentes da Antropologia.

Se o pensamento é algo que se faz em relação, assim como as pesquisas que abrem as passagens para que eles possam tomar formas ainda insuspeitas desde lugares já investigados, é preciso dizer que tanto a pesquisa quanto o pensamento, para se colocarem no mundo, para serem feitos, exigem de nós atenções sérias em relação à ética dos encontros e as suas políticas de existência. Pois, como fazer existir um saber que, dentro de uma tradição de conhecimentos, seja capaz de discuti-la e repensá-la, fortalecendo tudo o que permita um mundo de afirmação dos modos diferentes de viver, modos esses historicamente colonizados e maltratados? A política da antropologia é parte de sua arte e queremos falar sobre essa arte: no que ela consiste agora? No que ela pode ser modificada? Ou de outro modo: quais são as políticas da Antropologia? O que significa ser insurgente diante das acomodações institucionais da antropologia como disciplina acadêmica? O que pode uma antropologia insurgente? Com quem essa antropologia pode acontecer e de que maneiras? Como ela vem acontecendo?

O evento ocorrerá entre os dias 4 e 7 de novembro de 2019, no Campus do Vale da UFRGS. Esperamos vocês para construirmos juntos um evento que potencialize nossas resistências!

Inscrição de ouvintes