Páscoa e Diabetes

6 abril, 2017    tags: dieta nutrição

 

Estamos quase na Páscoa e os supermercados já estão com seus “túneis” de ovos de chocolate montados, o que chama a atenção e aumenta a vontade de degustar essa guloseima. Mas e o paciente que convive com diabetes? Também pode se deliciar com chocolate? Pode sim, mas é muito importante que alguns cuidados sejam tomados. Vejamos…

O chocolate é feito de cacau, planta que como o chá-verde é rica em flavonoides. Estes compostos são potentes antioxidantes e anti-inflamatórios naturais. Estas substâncias, quando consumidas regularmente, têm o potencial de trazer uma série de benefícios ao cérebro, coração, vasos e metabolismo.

Além da melhora da função cognitiva, alguns estudos sugerem que o consumo de chocolate possa ajudar a combater sintomas depressivos através da modulação da dopamina e dos opioides no cérebro, além de ajudar a reduzir a pressão arterial devido à liberação de óxido nítrico, um potente vasodilatador.

Além disso, os chocolates com mais de 60% de cacau, apesar de possuírem gorduras saturadas, são capazes de reduzir os níveis de colesterol LDL (ruim) e aumentar os níveis de HDL (colesterol bom).

Contudo, todos os estudos que mostraram benefícios sempre usaram as versões “amargas” do chocolate, ou seja, com alto teor de cacau (60% ou mais). As versões ao leite e branco são ricas em açúcar e gorduras adicionadas (diferentes do ácido esteárico do cacau), além de serem pobres nos benéficos polifenóis, ou seja, podem ser prejudiciais à saúde e devem ser evitadas principalmente por pacientes diabéticos.

Nesta Páscoa, peça ao Coelho chocolates com alto teor de cacau e não abuse! Apesar de bom para saúde, o chocolate amargo ainda é um alimento calórico, ou seja, em excesso pode aumentar o peso.

Fonte: Dr. Mateus Dornelles Severo – Médico endocrinologista