Critério de Benefício Provável


prob.sucesso/Goldim

José Roberto Goldim


O benefício provável é um critério vinculado ao princípio da efetividade. É utilizado no processo de tomada de decisão para estabelecer, preferencialmente com base em dados estatísticos oriundos da experiência da própria equipe de saúde, ou da literatura científica, qual a probabilidade que cada indivíduo em particular (microalocação) ou um grupo de indivíduos (macroalocação) tem em se beneficiar do recurso que está sendo disputado.

Na área de pesquisa o benefício pode ser diferenciado em benefício individual e benefício difuso. O benefício individual ou pessoal é aquele que já tem repercussões diretas no próprio sujeito da pesquisa. O benefício difuso não tem repercussões para o sujeito da pesquisa em si, traz benefícios para uma coletividade ou para outro grupo de pessoas. É típico de estudos com voluntários sadios que se submetem a testes de novas drogas ou procedimentos. 

A forma de lidar com o benefício também pode ser subdividida em oportunidade ou esperança. Quando uma pessoa lida com o benefício no tempo presente é uma oportunidade, quando o projeta para o futuro é uma esperança. Muitos pacientes assumem um tratamento como oportunidade e esperança, como no caso extremo de tratamentos compassivos. Na maioria dos casos

A adequada compreensão deste conceito é fundamental para o estabelecimento de uma relação custo-benefício. O nome correto desta relação seria relação dano provável/benefício provável, ou então relação risco/oportunidade ou risco/espérança.

O benefício também pode ser denominado de Critério de Sucesso Provável.


Alocação de Recursos
Consentimento Informado em Pesquisa
Material de Apoio - Textos
Página de Abertura - Bioética
Texto incluído em 15/08/1997 e atualizado em 21/08/2005
(c)Goldim/1997-2005