VIDA & OBRA

Alguns Poemas

Os poemas, a seguir, estão publicados em trabalhos científicos diponíveis na Fortuna Crítca

Visual Portfolio, Posts & Image Gallery for WordPress

Oliveira Silveira por Oliveira Ferreira da Silveira

OLIVEIRA SILVEIRA (Oliveira Ferreira da Silveira) – Poeta negro brasileiro, nascido em 1941 na área rural de Rosário do Sul, Estado do Rio Grande do Sul. Filho de Felisberto Martins Silveira, branco brasileiro de pais uruguaios, e de Anair Ferreira da Silveira, negra brasileira de cor preta, de pai e mãe negros gaúchos. 

Graduado em Letras – Português e Francês com as respectivas Literaturas – pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, UFRGS. Docente de português e literatura no ensino médio. Atividades jornalísticas. Ativista do Movimento Negro. 

Oliveira Silveira Vida e Obra
Foto: Irene Santos

Um dos criadores do Grupo Palmares, de Porto Alegre. Estudou a data e sugeriu a evocação do 20 de Novembro, lançada e implantada no Brasil pelo Grupo Palmares a contar de 1971, tornando-se Dia Nacional da Consciência Negra em 1978, denominação proposta pelo Movimento Negro Unificado contra a Discriminação Racial, MNUCDR.  

Como escritor, publicou até 2005 dez títulos individuais de poesia – Pêlo escuro, Roteiro dos tantãs, Poema sobre Palmares, entre outros – e participou de antologias e coletâneas no país e no exterior: Cadernos negros, do grupo Quilombhoje, e A razão da chama, de Oswaldo de Camargo, em São Paulo-SP; Quilombo de Palavras, organização de Jônatas Conceição e Lindinalva Barbosa, em Salvador, na Bahia; Schwarze poesie/Poesia negra e Schwarze prosa/Prosa negra, organizadas por Moema Parente Augel e editadas na Alemanha por Édition diá em 1988 e 1993, com tradução de Johannes Augel; ou revista Callaloo volume 18, número 4, 1995, e volume 20, número 1 (estudo de Steven F. White), 1997, Virgínia, Estados Unidos.  

Na imprensa, publicou artigos, reportagens, e alguns contos e crônicas. Participou com artigos ou ensaios em obras coletivas, caso do ensaio Vinte de novembro: história e conteúdo, no livro Educação e Ações Afirmativas, organizado por Petronilha Beatriz Gonçalves e Silva e Válter Roberto Silvério – Brasília: Ministério da Educação/Inep, 2002.  

Entre algumas distinções recebidas: menção honrosa da União Brasileira de Escritores, do Rio de Janeiro, pelo livro Banzo Saudade Negra em 1969; medalha cidade de Porto Alegre, concedida pelo Executivo Municipal em 1988; medalha Mérito Cruz e Sousa, da Comissão Estadual para Celebração do Centenário de Morte de Cruz e Sousa – Florianópolis-SC, 1998; Troféu Zumbi, obra de Américo Souza, concedido pela Associação Satélite-Prontidão, da comunidade negra de Porto Alegre, 1999; Comenda Resistência Civil Escrava Anastácia, da Rua do Perdão, evento cultural negro, Porto Alegre, 1999; e Tesouro Vivo Afro-brasileiro, homenagem do II Congresso Brasileiro de Pesquisadores Negros, realizado entre 25 e 29 de agosto de 2002 na Universidade Federal de São Carlos, UFSCAR, em São Carlos-SP – ato em 27 de agosto.  

Atuação em outros grupos a contar de meados da década 1970: Razão Negra, Tição, Semba Arte Negra, Associação Negra de Cultura. Integrante da Comissão Gaúcha de Folclore. Conselheiro da Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial da Presidência da República – SEPPIR/PR, integrando, nesse órgão com status de ministério, o Conselho Nacional de Promoção da Igualdade Racial – CNPIR, órgão consultivo, período 2004-2006.  

Alguns exercícios em texto teatral paradidático (cenas, montagens simples) e música popularesca. Poemas musicados por Haroldo Masi, Wado Barcellos, Aírton Pimentel, Luiz Wagner, Marco de Farias, Paulinho Romeu, Flávio Oliveira, Vera Lopes-NinaFóla, Lessandro e, na Suécia, pela compositora Tebogo Monnakgotla.

Dia do Gaúcho

Dia 19 de novembro de 2020, a RBS TV realizou um especial do dia do gaúcho. Sirmar Antunes recitou poemas de seu amigo Oliveira Silveira. Confira:

Vídeo baixado da globoplay, disponível cliquando aqui
1941 – Nascimento
1959
1962
1968
1970
1971
1972
1973
1974
1975
1976
1977
1978
1980
1981
1987
1988
1991
1994
1995

1941 – Nascimento

Nascimento de Oliveira Ferreira Silveira em Touro Passo, Rosário do Sul

1959

Publicação primeiro Livro de Poesia “Primeiros Traços”

1962

Germinou: poemas. Porto Alegre: Edição do Autor, 1962.

1968

Poemas Regionais. Porto Alegre: Edição do Autor, 1968.

1970

Banzo, saudade negra: poemas. Porto Alegre: Edição do Autor, 1970 – Menção Honrosa da União Brasileira de Escritores em 1969.

1971

Primeiro ato evocativo do Vinte de Novembro

Homenagem a Palmares em 20/11 no Clube Náutico Marcílio Dias

1971-1978 – Fase da virada histórica, de novos rumos, de nova
motivação. Grupo Palmares (RS), Cecan, Cecab, Grupo
Teatro Evolução (SP), Ilê Aiyê (BA), Sinba, IPCN, Ceba,
mais o Grupo de Trabalho André Rebouças, Granes
Quilombo (RJ), citados como referência. Literatura negra
(Oswaldo de Camargo), imprensa negra (A Árvore das Palavras, Sinba, Boletim do IPCN).

1972

Sete páginas dedicadas a Palmares na revista ZH do jornal Zero Hora em 19/11

 

Histórico de Palmares, depoimento do grupo, redigido por Helena Vitória dos Santos Machado, poema de Solano Trindade com ilustração de Trindade Leal, um conto, capa e ilustração da artista plástica negra Magliani (Maria Lídia), além da ilustração de Batsow, imagens aproveitadas do fascículo Zumbi da Editora Abril e fotos. Material organizado e redigido pelo componente Oliveira e editado por Juarez Fonseca, de Zero Hora.

1972

1973

1973 – De 6 a 20/11, exposição Três pintores negros (Magliani, J.
Altair e Paulo Chimendes), palestra de Décio Freitas e o
espetáculo Do carnaval ao quilombo (música, texto). Local: Teatro de Câmara. Em 13 de maio fora publicada no
Jornal do Brasil uma entrevista concedida pelo Grupo
Palmares. Segundo informações, uma síntese da matéria
apareceu no jornal francês Le Monde. Nesse e noutros
anos, televisão e rádio ajudaram na difusão da proposta.

1974

Décima do negro peão. Porto Alegre: Edição do Autor, 1974.

1975

Encontro Grupo Palmares e grupo Afro-Sul, de música e
dança, no Clube de Cultura, associação judaica. A seguir,
em 10 e 16 de dezembro, foram realizadas, em parceria
com o clube, duas palestras de Décio Freitas.

1976

Lançamento do livreto Mini-história do negro brasileiro, na sociedade negra Nós os Democratas.

Da tentativa de reformulação surgiu posteriormente História do negro brasileiro: uma síntese, outro livreto editado pela Prefeitura de Porto Alegre, através da SMEC, em 1986, assinado por Anita Abad e outros. Nesse ano, em novembro, semanas do negro em Campinas-SP com o Grupo Teatro Evolução e em São Paulo com o Cecan e o Cecab. No Rio de Janeiro, conferir ações do IPCN, por exemplo, entidade nova já atenta ao Vinte de Novembro. Meses antes, em 1976, o Grupo Palmares recebeu a visita de Orlando Fernandes, vice-presidente cultural do IPCN, e Carlos Educação e Ações Afirmativas|entre a injustiça simbólica e a injustiça econômica Alberto Medeiros, vice-presidente de relações publicas. O Vinte ganhava adesões

Livro Praça da palavra: poemas. Porto Alegre: Edição do Autor, 1976.

1977

Pelo escuro – poemas afro-gaúchos. Porto Alegre: Edição do Autor, 1977.

 

Ato na Associação Satélite-Prontidão, sociedade negra,

Com exposição da minibiblioteca do Grupo Palmares e a
presença do escritor negro paulista Oswaldo de Camargo,
convidado especial. O grupo Nosso Teatro, depois Grupo
Cultural Razão Negra, fez apresentação demonstrativa
(não a caráter) de sua montagem para a dramatização de
“Esperando o embaixador”, conto de Oswaldo.

1978

Criada a Revista Tição

A revista criada em Porto Alegre circulou entre 1978 e 1980.

Capa revista tição

1980

Publicação do livro de poesias “Cinco Poemas – em Cadernos Negros 3”

 

1978-1988 – Fase de articulação nacional, protestos, reivindicações, agitação política, artística, cultural. Instituições oficiais (assessorias, conselhos). Assembléia Nacional Constituinte. Intensifica-se a criação de semanas do negro. Memorial Zumbi. Correntes confessional cristã (Grucon, APNs) e político-partidária (grupos em partidos), a par da corrente ou filão-base que é o Movimento Negro propriamente dito. Antologias literárias, congressos, os Perfis da Literatura Negra, encontros, os negros na Bienal Nestlé de Literatura. MNUCDR e o nome Dia Nacional da Consciência Negra para o Vinte de Novembro, revista Tição nº l, secção “Afro-Latino-América” no Versus, Feconezu, Cadernos Negros n° l (Quilombo hoje assume a série mais adiante), livros de Abelardo Rodrigues, Cuti, João Carlos Limeira e Èle Semog são fatos que marcam bem o início desta fase, num ano “pleno de acontecimentos culturais sob o signo ao negrismo”, como observa Oswaldo de Camargo (1988, p. 99). Jornegro, da Feabesp, também abre esta fase do movimento, encerrada no centenário da abolição.

1981

Livro Roteiro dos tantãs. Porto Alegre: Edição do Autor, 1981.

 

10 anos do 20

1987

Poema sobre Palmares. Porto Alegre: Edição do Autor, 1987.

Capa Livro Poema Sobre Palmares

1988

1988 em diante – Fase de conquistas, a partir do espaço no texto da Constituição para o grupo étnico afro brasileiro, remanescentes de quilombo e legitimação de suas terras, institucionalização, ONGs (organizações não-governamentais), Fundação Cultural Palmares. “Puxada de tapete” neoliberal atingindo em cheio a comunidade negra. Os parlamentares, secretários de Estado e ministros negros. A cobrança da dívida social: reparações, políticas públicas de ação afirmativa buscando o concreto, o palpável, em tempos de crise aguda. Literatura negra
brasileira traduzida e estudada no exterior (Alemanha, Estados Unidos). Obras culturais importantes como A
mão afro-brasileira (Emanoel Araújo, organizador) e Negro brasileiro negro (organização de Joel Rufino dos
Santos, Iphan). Produção acadêmica, Congresso Brasileiro de Pesquisadores Negros (Recife e São Carlos, SP, entre a injustiça simbólica e a injustiça econômica na UFSCar), eventos e publicações na área educacional. O Vinte de Novembro sempre celebrado em semanas, eventos ao longo do mês de novembro, sendo até adotado como feriado em algumas cidades importantes, mais a idéia de feriado nacional, etc.

1991

20 anos do 20!

 

1994

Divulgação de manifesto através do Jornal do Brasil

em matéria assinada por Alexandre Garcia (repórter também na entrevista de 13/5/1973). No texto, breve histórico de Palmares, sugestão expressa de reformulação dos livros didáticos quanto a Palmares “e outros movimentos negros” e indicação de bibliografia. No Rio de Janeiro, Maria Beatriz Nascimento (2002, p. 48), atenta, registrou.

Anotações à margem. Porto Alegre: Unidade Editorial Porto Alegre/Secretaria Municipal da Cultura, 1994. (Petit POA).

1994

1995

Orixás – pintura e poesia. Porto Alegre: Unidade Editorial Porto Alegre/Secretaria Municipal da Cultura, [1995]. Pinturas de Pedro Homero.