Exposições

Exposição Travessia do Dilúvio

A mostra é resultado de diversas expedições dos fotógrafos Eduardo Seidl e Flávia de Quadros, juntamente com o artista visual Gustavo Souza. Durante mais de dois anos, entre 2015 e 2017, os artistas percorreram os caminhos que ligam a foz do Arroio Dilúvio, no bairro Praia de Belas (Porto Alegre – RS), à nascente, no Parque Saint Hilaire (Viamão – RS). Os visitantes estão convidados a participarem de um pic-nic coletivo na área externa do Planetário durante a abertura.

Serão apresentadas fotografias, desenhos, vídeos e objetos coletados ao longo dos quase 18 quilômetros de margem do Arroio. Além da ocupação da sala de exposições, serão instalados seis painéis com fotografias no jardim do Planetário. “Esta foi a forma encontrada pelos artistas para criar uma continuidade entre a paisagem no entorno do Arroio e as imagens criadas a partir dele”, explica Flávia de Quadros.

A exposição foi custeada através de uma campanha de financiamento coletivo na plataforma Kickante entre os meses de julho e agosto de 2019 e as recompensas dos apoiadores devem ser entregues a partir da próxima semana.

Serviço

Data da abertura: 26/10/2019, das 10h às 13h

Local: Planetário professor José Baptista Pereira – UFRGS

Visitação: 29/10 a 20/12, das 9h às 18h.

Tecidos, chimarrão, frutas e lanches são bem-vindos.

*Eduardo Seidl(@fototaxia) é fotojornalista, mestre em Comunicação Social pela Unisinos e professor de fotografia na Escola de Comunicação Artes e Design da PUCRS.

* Flávia de Quadros(@flaviadquadros) é fotógrafa e artista visual com graduação em Jornalismo e Artes Visuais e Mestre em Artes Visuais pela UFRGS. Atualmente é professora de fotografia na Escola de Comunicação Artes e Design da PUCRS.

*Gustavo Souza(@gutosza) é Designer e Artista Visual formado respectivamente na ULBRA e na UFRGS. Sua produção se concentra principalmente nas áreas de escultura e desenho.

Contatos de imprensa para agendamento de entrevistas:

Eduardo Seidl – fototaxia@gmail.com

51 996953729

Flávia de Quadros – fcq1970@gmail.com

celular 51 997419902

Gustavo Souza – gustavo.sza@gmail.com

OS 50 ANOS DA CHEGADA A LUA

Este ano estaremos comemorando os 50 anos desde que a humanidade realizou o primeiro pouso na Lua com o voo espacial Apollo 11.

A NASA vem anunciando seus novos planos, afirmando que a humanidade deverá voltar à Lua. Com o objetivo de montar uma base lunar até 2024, a NASA contará com a ajuda de agências de outros países, como a Roscomos (Rússia) e a CNSA (China).  Empresas privadas, como a SpaceX, a Boeing e a Lockheed Martin, bem como, distintas organizações de todo o mundo também deverão contribuir. A base lunar deverá contar com uma grande infraestrutura associada, como a construção de uma nova estação espacial chamada de “Gateway”, que orbitará a Lua e a Terra.

A montagem de toda a base lunar, com tecnologia e equipamentos de ponta capazes de suportar a vida humana na Lua e  auxiliar os futuros projetos que a NASA já está planejando, irá requerer um alto investimento financeiro e humano. Muitos estudos serão conduzidos e tecnologias novas serão testadas. Sabemos que uma base na Lua será uma porta de entrada para uma nova era na pesquisa em todas as áreas.

Futuramente esta base ainda servirá de alavanca para o próximo grande passo da exploração espacial humana, a primeira missão tripulada para Marte. Tudo isso vem sendo enfatizado pela NASA em suas redes sociais e divulgado com vídeos curtos e explicativos. Você pode encontrar informações mais detalhadas em:

https://www.nasa.gov/topics/moon-to-mars

 https://www.youtube.com/playlist?list=PL2aBZuCeDwlS_2sGfYSvcoJZLRG069i-H

CEM ANOS DO ECLIPSE DE SOBRAL

O dia 29 de maio de 1919 ficará para sempre marcado na história da Física Moderna, da Astrofísica e também do Brasil: há cem anos atrás, na cidade de Sobral, no interior do Ceará, a observação de um eclipse total do Sol forneceu a primeira prova experimental da validade da teoria da Relatividade Geral de Albert Einstein (1879-1955). Publicada quatro anos ante do eclipse de Sobral, em 1915, a Teoria da Relatividade Geral de Einstein estipulava novas concepções de espaço e tempo, de luz – da natureza e comportamento desta diante do espaço-tempo – e as influências sofridas por ela em relação à gravidade.

Segundo a teoria, a trajetória da luz das estrelas seria desviada ao passar por uma região com forte campo gravitacional, como o entorno do Sol. A cidade Sobral “estava na rota do eclipse” (ver imagem abaixo), além de ter aspectos em sua geografia que seriam favoráveis à observação do fenômeno. Dessa maneira, foram fotografadas estrelas próximas ao Sol durante o dia, comparando-as com fotografias noturnas das mesmas estrelas, constatando-se que houve desvio na luz a partir da aparente mudança de posição das estrelas, que de fato não se deslocam.

O céu entreaberto de Sobral possibilitou o êxito do experimento e os astrônomos puderam fazer os cálculos de deflexão da luz que meses depois seriam a prova definitiva da comprovação da Teoria da Relatividade Geral, dando início a fama internacional do e Einstein.

O Planetário Prof. José Baptista Pereira, abre sua exposição Cem Anos do Eclipse de Sobral, para comemorar o centenário do fenômeno. Esta exposição busca mostrar o contexto histórico e sociológico da observação astronômica realizada, com ênfase nos resultados obtidos da cidade de Sobral/CE e nos impactos na ciência a partir deste evento.

Confira aqui as exposições em que ocorreram em 2018