Você está aqui: Página Inicial

Defesas de Maio

 

 

Apresentação

 

O Programa de Pós-graduação em Estudos Estratégicos Internacionais (PPGEEI) da UFRGS teve seu funcionamento autorizado pela CAPES em dezembro de 2010. Ele é o resultado do amadurecimento desta área de conhecimento e apoia-se na solida tradição de pesquisa da Universidade.

Sediado na Faculdade de Ciências Econômicas (FCE) da UFRGS, onde funciona o curso de graduação em Relações Internacionais, o Programa reflete a realidade multidisciplinar da FCE-UFRGS, que já abriga dois cursos de Doutorado, um 
em Economia e outro em Desenvolvimento Rural. O corpo docente do PPGEEI inclui pesquisadores com grande produção científica na área, envolvendo suas três linhas de pesquisa: Política Internacional, Segurança Internacional e Economia Política Internacional.

Em 1999, foi criado na UFRGS o Núcleo Brasileiro de Estratégia e Relações Internacionais (NERINT), um dos centros pioneiros do Brasil nesta área de pesquisa, que publica livros, duas revistas e promove seminários e cursos de extensão.

Em 2004, entrou em funcionamento o curso de graduação em Relações Internacionais. De caráter multidisciplinar e sediado na Faculdade de Ciências Econômicas, com ingresso de alunos do Brasil, além de alunos estrangeiros da África, América Latina e Ásia. O curso foi avaliado como o melhor do Brasil no ENAD de 2013. Muitos dos egressos do curso, atualmente cursam Mestrado e Doutorado no Brasil e no exterior, ou foram aprovados com grande destaque em concursos públicos para a carreira diplomática e outras carreiras estratégicas na Administração Pública, ou estão exercendo a profissão no setor privado.

Além de contar com núcleos de pesquisa e infraestrutura na FCE, tais como o Núcleo de Estudos em Tecnologia, Indústria e Trabalho (NETIT), o Programa apoia-se, também, na infraestrutura e na experiência de pesquisa e extensão do Núcleo Brasileiro de Estratégia e Relações Internacionais (NERINT), do Núcleo de Estudos dos BRICS (NEBRICS), do Centro Brasileiro de Estudos Africanos (CEBRAFRICA) e do Centro de Estudos Internacionais de Governo (CEGOV).