Seiscentos e Sessenta e Seis (Mario Quintana)

A vida é uns deveres que nós trouxemos para fazer em casa.

Quando se vê, já são 6 horas: há tempo…
Quando se vê, já é 6ª-feira…
Quando se vê, passaram 60 anos!
Agora, é tarde demais para ser reprovado…
E se me dessem – um dia – uma outra oportunidade,
eu nem olhava o relógio
seguia sempre em frente…

E iria jogando pelo caminho a casca dourada e inútil das horas.

(QUINTANA, Mario. Nova Antologia Poética. 9. ed. São Paulo: Globo, 2003.)

 

Assista à belíssima declamação deste poema por Antônio Abujamra aqui.

 

 

Adicionar a favoritos link permanente.

Um Comentário

  1. Obra prima de Quintana que distribuo para amigos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *