Performance Fronteiras Líquidas explora a poesia do movimento no Cenas Mínimas de junho


A performance de dança Fronteiras Líquidas, com os artistas Andrea Spolaor e Rui Moreira, é a terceira proposição do projeto Cenas Mínimas. O encontro acontece nos dias 17 e 18 de junho, às 19h, no Centro Cultural da UFRGS, e, ao final da segunda, o público terá a oportunidade de participar de uma roda de conversa com os dançarinos. Embora gratuito e aberto ao público, os espectadores poderão doar espontaneamente como uma maneira de retribuição aos artistas.

A essência de Fronteiras Líquidas é o encontro do corpo e da comunicação não verbal. A partir de uma trilha com colagens sonoras, os andançarinos apresentam uma poesia gestual que tem como inspiração o hermetismo de Hermes Trismegisto e as reflexões de Zygmunt Bauman sobre a pós-modernidade. Com duração máxima de 35 minutos, a performance é um processo contínuo e colaborativo entre Andrea Spolaor e Rui Moreira.

Serviço
CENAS MÍNIMAS | Fronteiras Líquidas
Data: 17 e 18 de junho, às 19h
Ingresso: por ordem de chegada – gratuito e aberto ao público
Local: Centro Cultural da UFRGS (Av. Luiz Englert, 333)

Sobre o Cenas Mínimas
Cenas Mínimas é o novo projeto idealizado para a Sala Pitangueira do Centro Cultural da UFRGS, e tem como foco – como o próprio nome já indica -produções de pequeno formato. Para além dos desafios que surgem em atuações de elencos reduzidos e na não-espetacularidade dos recursos, o que está em jogo aqui é a própria relação entre atores e espectadores na situação da performance. Possibilidades de contato, afetação e proximidade com ênfase na presença viva dos gestos humanos no contexto das artes cênicas: teatro, performance-arte, dança, arte circense e música. As apresentações acontecerão mensalmente às segundas e terças-feiras e, ao final do segundo encontro, haverá ainda uma conversa entre artistas, público e um convidado ou convidada especial.

Lígia Petrucci, coordenadora e curadora do projeto

Deixe uma resposta

X