Curso Poéticas Urbanas e Artivismo tem 12 encontros até o final do ano no Centro Cultural

O premiado multi-instrumentista e agitador cultural Richard Serraria, em parceria com o Departamento de Difusão Cultural da UFRGS, organiza de 20 de maio a outubro deste ano uma série de encontros com o propósito de discutir o papel da arte na realidade urbana e dos problemas recorrentes no país e no mundo em relação às lutas feministas, de igualdade de gênero, transfobia e diversos outros temas. Todas as oficinas acontecem na Sala Laranjeira do Centro Cultural (Rua Eng. Luiz Englert, 333, Porto Alegre-RS). 

Sobre o projeto

A produção artística em diálogo indissociável com o ativismo no século XXI (por isso o termo “artivismo”), partindo da noção de espaço público, compreendido em sua territorialidade urbana, cultural e social. O objetivo é enfocar a produção artística contextualizada com a cidade. A poética da metrópole em que a cidade é matéria prima, conjunto de circunstâncias nas quais se insere um fato e que estão em situação de interação. Enfocam-se assim criações baseadas em circunstâncias urbanas contemporâneas e que compõe textos (tecidos) distintos na atualidade.

Richard Serraria (organizador)

É músico, compositor, poeta e agitador cultural da cena porto-alegrense há mais de 20 anos. Como compositor, ganhou o Prêmio Açorianos de 2002 por seu trabalho atrelado à Bataclã FC. Recebeu o prêmio de Melhor Arranjo no Festival de Música de Porto Alegre em 1999 e novamente o Prêmio Açorianos de Melhor Compositor em 2006. Em 2005 e 2006, ganhou o prêmio de Melhor Letrista do VIII Festival de Música de Porto Alegre, também com a Bataclã FC, banda que recebeu o Prêmio Açorianos ainda em outras duas oportunidades. Em 2010, a banda ganhou o Selo Cultura Viva do Ministério da Cultura por sua articulação envolvendo comunicação, arte e cultura, difundindo o tambor de sopapo em pontos de cultura do RS e Brasil.

Richard lançou seu oitavo disco em 2017, intitulado Mais Tambor Menos Motor, em que avançou em sua peculiar mescla de poesia no formato canção, juntando a negritude afro gaúcha com a musicalidade do Atlântico Negro. Em 2019, recebeu três prêmios Açorianos de Música (Melhor Disco MPB, Melhor Arranjador MPB e Melhor Projeto Gráfico) referentes a este seu último lançamento, que também foi objeto de estudo em sua tese de doutorado em Estudos de Literatura do Programa de Pós-Graduação em Literatura Brasileira da UFRGS.

Ciclo de oficinas

1) Atena Beauvoir – Oficina Transantropologia poética

Data: 20/05
Horário: 14h às 18h
Duração: 4h
Inscrição: https://forms.gle/uKRN7jAq9j86tqYF7
Lista de Selecionados: LISTA DE PARTICIPANTES CONFIRMADOS DO ENCONTRO

Ministrada por Atena Beauvoir Roveda, natural de Porto Alegre, escritora, poetisa, professora e filósofa. Em 2016, recebeu Menção Honrosa pela atuação em defesa e promoção da dignidade humana de LGBTs na cidade de Canoas/RS. É colaboradora da Rede Trans Brasil e Red Latinoamericana y del Caribe de Personas Trans. Enfocará a Poesia de Rua, Slam e Transantropologia. Falará ainda da construção poética de 2 dos seus livros “Libertê” e “Phóda” mais exercícios práticos de escrita coletiva com grande grupo.

2) Diego Kurtz – Oficina Poética dos Objetos

Data: 27/05
Horário: 14h às 18h
Duração: 4h
Inscrição: https://forms.gle/92GnrgJhKKpYgrtB8
Lista de selecionados: Lista de Presença Oficina Diego Kurtz

Ministrada por Diego Kurtz, bonequeiro da Caixa de Elefante, músico, rapper e ativista social. A oficina está baseado na Imaginação, curiosidade e conhecimento dos participantes, que serão estimulados a partir de jogos e improvisações individuais e coletivas. A oficina objetiva desenvolver o potencial criativo e imaginativo dos participantes a partir do teatro de animação com objetos; apresentar os princípios técnicos indispensáveis para a realização dessa arte; experimentar possibilidades de animação dos objetos pesquisados.

3) Ana dos Santos – Oficina Mulher Negra: Meu Corpo, Minha Voz

Data: 10/06
Horário: 14h às 18h
Duração: 4h
Inscrição: https://forms.gle/LCcxWABFYfmvwMZf6
Lista de selecionados: Lista de participantes – Oficina Mulher Negra meu corpo minha voz

Formada em Letras na UFRGS com diversos títulos publicados e premiações em concursos literários. Abordará formas de poesia negra feminina na oficina, ainda oportunizando o conhecimento de diversas autoras negras brasileiras, discutindo a representatividade da mulher negra na Literatura e priorizando o trabalho prático na produção de poesias com o grupo.

4) Diego Dourado – Oficina Topografias Poéticas

Data: 17/06

Horário: 14h às 18h
Duração: 4h
Inscrição: https://forms.gle/99CmVRejDgSe26wn9
Lista de selecionados: Lista de Participantes – Oficina Topografias Poéticas

Artista plástico maranhense com mestrado em Artes Visuais na UFRGS, ministrará oficina abordando convergências entre Arte e Literatura expondo as intersecções das Artes plásticas com a Literatura. Pretende ainda levantar alguns questionamentos sobre os limites da linguagem, com ênfase em estratégias poéticas que dialoguem ativa e criticamente com o espaço público da cidade. Para isso, propõe reflexão sobre as relações entre artes visuais e literatura, tomando a cidade como matéria-prima e/ou suporte do processo de criação. Nessa medida, a oficina visa uma nova ordem de leitura na qual a linguagem poética não está apartada da linguagem do mundo e se constitui como um lugar de experiência sensível.
 
5) Dany Lopez – Oficina Composição de Canção
 
Data: 18/06
Horário: 13h30 às 17h30
Duração: 4h

Inscrição: https://forms.gle/YdmyBb6XkaiaDomx6
Lista de selecionados: Selecionados Oficina Dany Lopez 18-6

Cancionista de Montevidéo, Uruguai, com inúmeros discos Produzidos junto a outros artistas uruguaios (Daniel Drexler, Samantha Navarro, Ana Prada, etc) e brasileiros (Marcelo Delacroix, Richard Serraria, Angelo Primon, etc) assim como em carreira solo. Dany López trabalha como professor de piano e teoria da composição desde 1997. Atualmente, se dedica exclusivamente, na área do ensino, a Oficina de Composição de Canções, trabalhando tudo aquilo que está relacionado à criação musical e poética, explorando novas perspectivas em composição para esse objeto composto de poesia e melodia. Apresentará uma introdução básica à estrutura e dinâmica da psiquê a partir da perspectiva freudiana e junguiana e tratará do tema da criação musical, com foco no universo da canção, dentro desse contexto.

6)  Leandro Anton – Oficina Sensibilização do Olhar

Data: 08/07 e 09/07
Horário: 14h às 18h
Duração: 8h
Inscrição: https://forms.gle/qeCJBQEDiQVfwPzR9
Lista de selecionados: Selecionados Oficina Sensibilização do Olhar

Fotógrafo, geógrafo e educador popular no Quilombo do Sopapo, Leandro ministrará atividade enfocando viés fotográfico e poesia imagética a partir de câmeras pinhole e sua experiência ainda com projetos Imagens Faladas assim como em Mais Tambor Menos Motor (cartões postais poéticos para disco/livro de Richard Serraria e Sensibilização do Olhar, projeto de fotografia e rap com jovens da FASE em 2019).

7) Lorena Sanchez – Oficina Poéticas Femininas na Contação de Histórias

Data: 19/08
Horário: 14h às 18h
Duração: 4h
Inscrição: https://forms.gle/5et1Tgt8TiFbf39v9

Atriz e educadora popular, percussionista e integrante do grupo de percussão feminina Iyalodê Idunn no Ponto de Cultura Quilombo do Sopapo. Ministrará Oficina de a partir De pesquisa literária com seleção de textos da Professora Liliam Ramos (Letras UFRGS; Literatura Hispano Americana). Desenvolvendo técnicas de leitura de livro, leitura em roda, contação de histórias em público, uso de objetos em cena, formas de imposição de voz e adequação a diferentes faixas etárias. Criação de roteiro para contação de história e apresentação final dos oficinandos.

9) Josiane França – Oficina Poéticas Não-visuais

Data: 26/08
Horário: 14h às 18h
Duração: 4h
Inscrição: https://forms.gle/xLuxJ9d95cv2B36cA

Mulher com deficiência visual cega há 11 anos adquirida por uma meningite, mãe de um casal. Integrante da Coordenação executiva do movimento brasileiro de mulheres cegas e com baixa visão. arte em diferentes dimensões junto a pessoas com deficiência. Ministrará a oficina enfocando a ausência da visão e o aguçamento dos sentidos. Olhos vendados e percepção sonora na paisagem ao redor com inserções poéticas verbais.

10) Nati Gaspa – Oficina Poética dos Slams

Data: 14/09
Horário: 14h às 18h
Duração: 4h
Inscrição: https://forms.gle/zA8UqxL1katBSaFA8

Poeta, slammer, slam master, professora da Rede Municipal de Porto Alegre, Licenciada em Letras Mestra em Estudos da Linguagem pela UFRGS. A partir da leitura e de vídeos de slammers, a oficina se organiza em torno da análise de poesias e da escrita de histórias de vida transformadas em metáfora para compor poesias faladas. Ritmo, imagem, expressão corporal e narrativa em verso são abordados através do despertar poético a partir da pergunta que move slammers: o que faz ser quem eu sou e como mostro para meus ouvintes a maneira como experiencio o mundo?

11) Xadalu – Oficina Poética Visual Urbana e Indígena

Data: 07/10
Horário: 14h às 18h
Duração: 4h
Inscrição: https://forms.gle/tcdmCih7r5mPGLmX9

Stêncil, arte gráfica e cidadã, pós grafite, mediada por um dos principais artistas plásticos gaúcho, Dione Martins conhecido como Xadalu Brasil. Centra seu trabalho na arte de rua em diálogo com as Artes Visuais. O artista atua ainda constantemente em aldeias guaranis entendendo a arte em sua função política, arte participativa, artivismo.

12) Nanda Barreto – Oficina Webpoéticas Urbanas

Data: a confirmar
Horário: 14h às 18h
Duração: 8h
Inscrição:

Nanda Barreto é jornalista, instrutora de yoga e feminista. Fez pós-graduação em comunicação pública (IESB) e especialização em comunicação e gênero (Instituto Internacional de Periodismo José Martí). Também estudou Psicologia Transpessoal (Unipaz-Sul). Integra os coletivos Nexo Grupal, de Brasília, e Sarau das Deusas Mundanas, de Porto Alegre. Publicou o livro Manual de Incertezas (Patuá, 2018) e é coautora do livro 50 anos em seis: Brasília, prosa e poesia (Teixeira, 2010). Publicou 12 edições do fanzine ZenBuZINE, em 2015. Sua poesia está presente no álbum Bataclã FC e Mastigadores de Poesia, da banda Bataclã FC, e no disco Linguardente, de grupo homônimo. Nas redes sociais, é @transitivaedireta. Na vida real, é poeta. A oficina propõe um encontro entre a criação analógica e a digital como forma de ativismo poético. Partiremos de uma reflexão sobre a relação com a cidade e a vizinhança na era das comunidades virtuais. Das redes para as ruas & vice-versa, nos uniremos para erguer imaginários e desmoronar o concreto. Trocaremos experiências sobre aplicativos e utilizaremos recursos disponíveis em smarthphones para criar lambes e pequenos vídeos. Produziremos cartazes manuscritos e um fanzine coletivo para oferecer a transeuntes e espaços públicos da cidade.

Deixe uma resposta

Facebook
Twitter
YouTube
Instagram
X