O excesso da mídia em cobertura de tragédias é tema de podcast

#ConversaHumanista recebe o professor de Jornalismo da UFRGS, Flávio Porcello, para debater o assunto após recentes casos de excessos cometidos pela mídia em tragédia

#ConversaHumanista

No dia 15 de outubro, o desabamento de um prédio em Fortaleza ganhou as manchetes nacionais. O resgate de sobreviventes era atentamente vigiado pelas diversas emissoras do país. Contudo, não apenas os resgates foram notícia, mas também o cotidiano de quem morava no Edifício Andrea. Essa não foi a primeira vez que imagens do interior do ambiente em que ocorreu uma tragédia – que estava, inclusive, isolado para perícia – são divulgadas, expondo objetos pessoais das vítimas e desrespeitando sua dignidade.

Em nota oficial, a FENAJ (Federação Nacional dos Jornalistas) frisou que o Código de Ética dos Jornalistas Brasileiros estabelece que ““a liberdade de imprensa, direito e pressuposto do exercício do jornalismo, implica compromisso com a responsabilidade social inerente à profissão” (art.2º, inc. III). Ainda segundo o regimento, é dever do jornalista “respeitar o direito à intimidade, à privacidade, à honra e à imagem do cidadão” (art. 6º, inc. VIII). Por fim, o art. 11º reforça que o jornalista não pode divulgar informações “de caráter mórbido, sensacionalista ou contrário aos valores humanos, especialmente em cobertura de crimes e acidentes””.

Para discutir o sensacionalismo na cobertura de acontecimentos pela mídia e a ética jornalística, o #ConversaHumanista recebeu o professor de Jornalismo da UFRGS, Flávio Porcello. Ao lado das repórteres Humanistas Júlia Flor, Vitória Pacheco e Vitória Pinzon, o jornalista condena esse comportamento desrespeitoso dos profissionais de jornalismo, mas justifica que a atração pela morbidez ganha audiência, o que é de grande interesse das emissoras. Ouça!



O podcast

O #ConversaHumanista é produzido quinzenalmente por estudantes da disciplina de Laboratório de Jornalismo Convergente da Fabico/UFRGS, com técnica de Neudimar da Rocha, sob a supervisão do professor Felipe Moura de Oliveira. Nesta segunda temporada, quatro episódios  já estão disponíveis no SoundCloud e também no Spotify! Ouça!

Credibilidade no jornalismo 

Segurança pública 

Erotização da infância

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *