Documentário mostra realidade da juventude negra nas universidades

Foto: FLUP – Festa Literária das Periferias/ Divulgação
Destaque | Quadro Negro exibe as dificuldades enfrentadas por estudantes no ingresso ao ensino superior

A porta de saída da universidade não deve ser a desistência ou o jubilamento e, sim, a formatura, explica Julio Ludemir, um dos idealizadores do documentário Quadro Negro. A ser exibido no Dia Internacional pela Eliminação da Discriminação Racial no museu da UFRGS, o filme trata da emergência de uma geração de jovens negros nas universidades brasileiras e das dificuldades que eles enfrentam nesse meio.

O elenco do longa-metragem conta com 16 personagens reais que expõem, em roda de conversa, sua experiência com a universidade. Julio justifica a realização do documentário – para além de uma produção visual – como um ato político. O filme enfatiza as ações afirmativas criadas pelo Estado para oportunizar o acesso e a permanência dos jovens negros de periferia no ensino superior.

O documentário é uma produção independente resultante da parceria entre o Ministério Público do Trabalho e a Festa Literária das Periferias (FLUP), festival realizado desde 2012 em comunidades do Rio de Janeiro que foi idealizado pelo próprio Julio – escritor e produtor cultural – e pelo já falecido poeta Écio Salles. Os produtores esperam exibir o documentário em ao menos uma universidade federal de cada estado do país. Julio encara essa conduta como uma forma de acolhimento aos alunos negros ingressantes no ensino superior. Na UFRGS, o filme será exibido no dia 21 de março, sábado, às 9h, e contará com uma roda de conversa. Nesse dia é lembrado o Massacre de Sharpeville, ocorrido em 1960 na África do Sul. Em meio a um protesto pacífico realizado por pessoas negras durante o regime do Apartheid, 69 pessoas foram mortas pela polícia sul-africana

Leia mais: Confira o trailer do documentário