Início

Introdução e Objetivos do SIMPós

Nos dias 21 e 22 de maio de 2018 será realizado o primeiro Simpósio de Maio da Pós-Graduação (SIMPós) do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Química (PPGEQ) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

O SIMPós tem por slogan: “Aproximando pós-graduação e empresas”.  É com esse propósito que o evento está estruturado em três eixos principais de atuação, concebidos da seguinte forma:

  1. Eixo da divulgação das pesquisas realizadas: Nessa dimensão os alunos de mestrado, doutorado e pesquisadores apresentam o andamento dos seus trabalhos nos diversos projetos de pesquisa, patrocinados por órgãos de fomento e empresas, nos mesmos moldes das apresentações realizadas no OktoberFórum evento que se encontra na sua 17ª edição realizado pelo PPGEQ (https://www.ufrgs.br/oktoberforum/ ).
  2. Eixo do debate de ideias através de mesa-redonda: Temas de interesse à comunidade do PPGEQ são debatidos e diferentes pontos de vistas são confrontados em uma mesa-redonda. Através do debate salutar de ideias se espera contribuir para uma visão mais ampla sobre temas relevantes da atualidade. Nessa primeira edição, o tema da mesa-redonda será: “Mestrado e Doutorado pra quê?”.
  3. Eixo das apresentações em Pitch – começando uma startup. Buscando tirar do papel as pesquisas desenvolvidas no PPGEQ, essa sessão do evento é focada nas apresentações em Pitch (http://ideianoar.com.br/pitch-o-roteiro-para-uma-apresentacao-eficaz/)  destinadas a possíveis investidores e tem como objetivo fomentar o surgimento de novas StartUps.


Mesa-Redonda – Debate de Ideias e Visões de Mundo

Tema: “Mestrado e Doutorado pra quê?”

A motivação para o tema da mesa-redonda deste ano do SIMPós, está devidamente capturada na reportagem “Qual o propósito de fazer um mestrado ou doutorado no Brasil?” de autoria de Anderson Bortolotto (http://terracoeconomico.com.br/qual-o-proposito-de-fazer-um-mestrado-ou-doutorado-no-brasil). Essa reportagem começa com duas histórias, uma de um doutor tipicamente brasileiro procurando uma vaga em universidade pública e um outro americano, que se tornou um importante gestor de desenvolvimento da General Eletric.

Claramente no Brasil, a maior parte dos pesquisadores brasileiros está nas instituições de ensino superior (ca. 80%), enquanto que nas empresas a proporção é de apenas 5%, bastante abaixo de países como: Estados Unidos, Coreia, Japão, China, Alemanha, França e Rússia. Essa é uma das causas da dissociação entre o avanço científico e a incorporação da inovação tecnológica à base produtiva brasileira. Só para se ter uma ideia, nos Estados Unidos, a proporção de doutores na indústria chega a 40%.

Tendo em conta que atualmente a capacidade de absorção das universidades públicas está bem abaixo da oferta anual dos doutores formados, fica evidente que se não forem geradas novas oportunidades, teremos o caso ilustrado na reportagem se tornando a regra e uma oportunidade de desenvolvimento tecnológico nacional deixará de ser devidamente aproveitada.

Sendo assim, a mesa-redonda “Mestrado e Doutorado pra quê?” visa discutir esse tema fomentando novos caminhos e diferentes visões sobre o papel de mestres e doutores na sociedade brasileira.

Organização

A mesa-redonda tem atividades antes, durante e após o evento. Como atividades anteriores, podemos destacar o questionário que visa coletar informações e opiniões da comunidade em relação ao tema. O resultado deste questionário será fornecido aos painelistas uma semana antes do evento e será apresentado no início da mesa redonda para comunidade, servindo como ponto de partida para o debate entre os painelistas. Após o evento, se fará uma enquete eletrônica, para avaliar de que forma o evento contribuiu para ampliar a visão sobre o assunto. Adicionalmente se irá filmar a mesa-redonda e após o evento a gravação ficará disponível no site do evento para ser acessada e permitindo que o debate possa ser continuado. Após a mesa-redonda será servido um coquetel, onde as pessoas poderão continuar discutindo o assunto em um ambiente mais descontraído.

Responda ao nosso questionário até dia 06/04!


Apresentações em Pitch

O que é uma apresentação Pitch?

O pitch é uma apresentação sumária de 3 a 5 minutos com objetivo de despertar o interesse da outra parte (investidor ou cliente) pelo seu negócio, assim, deve conter apenas as informações essenciais e diferenciadas. O pitch deve tanto poder ser apresentado apenas verbalmente quanto ilustrado por 3 a 5 slides. Ele deve conter basicamente: 1. Qual é a oportunidade; 2. O Mercado que irá atuar; 3. Qual é a sua solução; 4. Seus diferenciais; 5. O que está buscando. Leia mais em Endeavor @ https://endeavor.org.br/como-elaborar-um-pitch-quase-perfeito/

Objetivos

O primeiro objetivo a ser alcançado com esse tipo de apresentação é fomentar dentro do PPGEQ a visão de mercado despertando o interesse por viabilizar que os desenvolvimentos científicos virem realidade possivelmente na forma de startups.

Organização

No SIMPós, para permitir um embasamento maior das tecnologias que serão propostas na forma de Pitch, se dará um tempo de 10 minutos para apresentar as ideias e 20 minutos para debate-las com a banca avaliadora das propostas encaminhadas.

Divulgação das pesquisas do PPGEQ

Nos mesmos moldes e com a mesma validade que o OktoberFórum, uma parte significativa da programação do SIMPós está vinculada com apresentações dos alunos de mestrado e doutorado.  São apresentações de 15 minutos seguidos pelos comentários de banca formada por dois avaliadores, perfazendo no total 25 minutos por trabalho apresentado. Alunos de mestrado e doutorado que ingressaram no segundo semestre de 2016 deverão obrigatoriamente apresentarem seus trabalhos no SIMPós 2018. Nesse sentido, o SIMPós pode ser visto como sendo um pequeno exame de “qualificação” ao mestrado e uma pré-qualificação à qualificação do doutorado. Alunos de doutorado que já qualificaram poderão escolher entre apresentarem no OktoberFórum ou no SIMPós de acordo com a sua preferência e proximidade da defesa de tese.


Sobre o PPGEQ

09_ppgeq_vertical_02Programa de Pós-Graduação em Engenharia Química (PPGEQ) iniciou em março de 1995 e veio atender a carência do setor industrial e acadêmico por profissionais mais qualificados. Uma das características fortes é a pesquisa aplicada aos interesses do setor industrial. A interação com empresas na forma de parceria e patrocínio em projetos cresceu nos últimos anos, destacando-se as seguintes: CMPC Celulose Riograndense, BRASKEM, INNOVA, OXITENO, PETROBRAS, Petroquímica TRIUNFO, REFAP, entre muitas outras.

A área de concentração do Programa é a de “Pesquisa e Desenvolvimento de Processos” a qual é constituída pelas linhas de pesquisa abaixo:

  • Cinética Aplicada, Catálise e Reatores Químicos e Biorreatores
  • Fenômenos de Transporte e Operações Unitárias
  • Materiais da Indústria Química
  • Projetos, Simulação, Controle e Otimização de Processos Químicos e Biotecnológicos

Algumas estatísticas do PPGEQ são listadas abaixo:

  • Número de alunos matriculados: 115 de mestrado e 95 de doutorado;
  • Número de defesas de mestrado: 287 defesas em 22 anos de programa de mestrado;
  • Número de defesas de doutorado: 65 defesas em 13 anos de programa de doutorado;
  • Conceito CAPES: 6.

SAIBA MAIS


Perfil do público

A grande maioria do público é composta por mestrandos e doutorandos do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Química (PPGEQ) da UFRGS. Por sua vez, esses são engenheiros químicos, engenheiros de alimentos e químicos graduados em várias universidades do Brasil (UFRGS, UFSC, UFSM, FURG, PUCRS, UCS, ULBRA, UNISINOS, FURB, UFBA, UNIOESTE, UFRJ, UERGS, UNICAMP, UFSCAR).

Fazem parte do público alvo deste evento, também, os professores doutores do PPGEQ, alguns professores doutores de outros programas de pós-graduação desta Universidade, alunos formandos em Engenharia Química e áreas afins das universidades do estado do Rio Grande do Sul. Ainda compõem o público profissionais que atuam nas empresas ligadas ao setor, tais como as do Pólo Petroquímico do Sul, refinarias, curtumes, indústrias alimentícias, de tintas, de papel e celulose e químicas em geral.