Embora não se tenha localizado nenhum registro oficial quanto à criação da Biblioteca do Instituto de Artes, originalmente chamada de Biblioteca Carlos Barbosa, é sabido que sua existência está ligada à trajetória do Instituto de Belas Artes do Rio Grande do Sul. Segundo informação encontrada na Coleção Especial (CE) Memória do Instituto de Artes, da Biblioteca do IA, a revista Acrópole em seu número de outubro publicou o seguinte:

Inaugurou-se a 1º de Julho de 1943, com a presença das altas autoridades civis, militares e eclesiásticas, representantes das entidades culturais, educacionais e científicas, das classes sociais e intelectuais, corpos docente e discente do Instituto, legionários e imprensa, o novo Edifício do Instituto de Belas Artes do Rio Grande do Sul […].  (Inauguração do Novo Edifício : 1º de julho de 1943. Porto Alegre: Oficina Gráfica da Livraria do Globo, 1943. P. 34).

E segue descrevendo as dependências do novo edifício:

Impressiona tanto o conjunto de belo efeito arquitetônico, como suas dependências. Já de entrada, precedido pelo vasto hall, o auditório “Tasso Corrêa” […]. Seguem-se o primeiro andar, com as galerias, foyer e Sala de exposição; o segundo, ocupado pelas instalações da Secretaria, direção e Biblioteca e os subsequentes, com as várias divisões do Instituto por secções de ensino. (Inauguração do Novo Edifício : 1º de julho de 1943. Porto Alegre: Oficina Gráfica da Livraria do Globo, 1943. P. 35).

Já o nome original da Biblioteca supõe-se ter sido escolhido em homenagem ao então governador do Estado, Dr. Carlos Barbosa Gonçalves.

Em 2018 o nome da Biblioteca passou a ser apenas Biblioteca do Instituto de Artes.