Monthly Archives: December 2018

Andry Rajoelina declared winner of Madagascar’s election

Via Madagascar Tribune

Andry Rajoelina has been declared the winner of a runoff presidential election, according to full provisional results released on Thursday by the electoral commission. Rajoelina won 55.66 percent of the vote compared to 44.34 percent for Ravalomanana and turnout was just over 48 percent, the commission said.

Read more here

Eleições na República Democrática do Congo: perfil dos principais candidatos

Via Aljazeera

No próximo domingo (23/12), 40 milhões de eleitores vão às urnas na República Democrática do Congo (RDC) para escolher o próximo presidente da República. Dentre os 19 candidatos que disputam a corrida presidencial, se destacam: Emmanuel Shadary (ex-governador da província de Maniema, ministro do Interior do atual governo e membro do Partido do Povo para Reconstrução e Democracia – PPRD), Vital Kamerhe (ex-presidente do parlamento e líder do partido de oposição União para a Nação Congolesa/ UNC) e Félix Tshisekedi (líder do partido de oposição União para a Democracia e o Progresso Social/ UDPS). Conheça o perfil dos principais candidatos à presidência aqui.

Museu das Civilizações Negras é inaugurado em Dakar

Via Le Quotidien

Foi inaugurado na última quinta feira (06/12), em Dakar, no Senegal, o Museu das Civilizações Negras. A instituição tem 14 mil metros quadrados de espaço expositivo, com  capacidade para mais 18 mil itens e estará aberta ao público em algumas semanas. Entre as mostras disponíveis no museu estão “Africa Now” de arte africana contemporânea, e “The Caravan and the Caravel”, sobre o comércio escravo através do Oceano Atlântico e do Deserto do Saara. Também há uma exibição (Women of the Nation) que retrata mulheres de ascendência africana, como a ativista dos Estados Unidos Angela Davis. Na coleção, há trabalhos de artistas do Mali, Burkina Faso, Cuba e Haiti. O museu foi parcialmente financiado pela China, a qual investiu cerca  US$ 34 milhões. A ideia do museu data de 1966, quando o então presidente do Senegal, Leopold Senghor, propôs a construção de uma instituição dedicada ao patrimônio cultural das civilizações da África negra. Devido a dificuldades financeiras, o projeto se arrastou por décadas. Ao lado de outros líderes africanos do início do período pós-colonial, Senghor pregava o orgulho da negritude e o fortalecimento de uma identidade africana desvinculada do paradigma eurocêntrico. Segundo o curador do museu, Babacar Mbow, a instituição vem para “finalizar a descolonização da sabedoria que cabe à África”. Recentemente, vem ganhando força um movimento que advoga a devolução de peças africanas que estão em museus europeus para o continente. O presidente francês, Emmanuel Macron, anunciou que seu país iria devolver vinte e seis artefatos levados do Benin em 1892, incluindo tronos e estátuas.

Leia mais aqui