Referendo no Egito para estender mandato do presidente Abdel Fattah el-Sisi

Via: Mohamed Abd El Ghany/Reuters

Depois de três dias de votação, terminou nesta segunda-feira (22/04) o referendo para ampliar o mandado do presidente Abdel Fattah el-Sisi. O mandatário assumiu o poder oficialmente em 2014 após um golpe de estado que derrubou o governo islamista de Mohamed Morsi, e foi reeleito em 2018. Seu mandato termina em 2022, mas a reforma constitucional aprovada pelo parlamento em 16 de abril aumenta seu mandato até 2024, além de permitir a reeleição presidencial. Assim, Sisi poderia ficar no poder até 2030.

Leia mais aqui

União Africana fixa prazo para transferência de poder no Sudão

Via: Ashraf Shazly/AFP

A União Africana alertou as forças armadas sudanesas que o país tem 15 dias para instalar um governo civil ou corre o risco de ser expulso do bloco, enquanto um protesto exigindo que o exército entregue o poder entrou em seu 11º dia na terça-feira. O Sudão deve ter como objetivo realizar “eleições livres, justas e transparentes” o mais rápido possível, disse o Conselho de Paz e Segurança da UA em uma declaração na segunda-feira. “Uma transição liderada pelos militares seria completamente contrária às aspirações do povo do Sudão”, acrescentou. O presidente do Sudão , Omar al-Bashir , foi afastado pelos militares após meses de protestos contra o seu governo de três décadas. Bashir, já foi transferido da prisão domiciliar para a penitenciária de Cartum.

Leia mais aqui

Rússia e Angola assinam acordos de cooperação em Moscou

Via: Africanews

Vladimir Putin e João Lourenço assinaram seis documentos relativos à cooperação na mineração de diamantes, produção de gás e petróleo, espaço e agricultura após uma visita de três dias do presidente angolano. Antes da reunião, Lourenço disse que Angola é um dos principais compradores de armas russas e seu país quer “não apenas comprar, mas também produzi-las”. A Rússia entregou seis jatos de combate SU-30K a Angola este ano e outros dois são esperados até o final de maio, disse o ministro da Defesa de Angola, Salviano de Jesus Sequeira, aos repórteres.

Leia mais aqui