Termina em Adis Abeba a 32ª Cúpula da União Africana

Via African Union

Entre os dias 10 e 11 de fevereiro, os representantes dos 55 países membros da União Africana (UA) reuniram-se em Adis Abeba, Etiópia, na 32ª Cúpula da UA.

Confira abaixo as 10 principais decisões tomadas:

  • Eleição dos novos membros do Conselho de Paz e Segurança da UA: Os 5 Estados eleitos para um mandato de três anos são: Argélia (representante do Norte da África), Burundi (representante da África Central), Quênia (representante da África Oriental), Lesoto (representante da África Austral) e Nigéria (representante da África Ocidental).
  • Eleição dos novos membros do Bureau da Assembleia da UA: Presidência de 2019 -República Árabe do Egito (Presidente Abdel Fattah El-Sisi); 1º vice-presidente: República da África do Sul; 2º vice-presidente: República Democrática do Congo; 3.º vice-presidente: República do Níger; Relator: República de Ruanda.
  • Presidente da UA em 2020: Depois do Egito, a República da África do Sul assumirá a presidência da UA, em 2020.
  • Sobre a situação política no Burundi: A Assembleia “acolheu com prazer a  declaração feita pelo Presidente Pierre Nkurunziza de não se candidatar à eleição presidencial em 2020”.
  • Reforma em curso da NEPAD: Em junho/julho de 2019, o Conselho Executivo se reunirá para “considerar e aprovar o Estatuto e o Regulamento Interno das Estruturas de Governança da Agência de Desenvolvimento da União Africana (AUDANEPAD)”.  
  • APRM: A Assembleia “decidiu que o Mecanismo Africano de Avaliação por Pares (APRM) será um Órgão da União Africana, em conformidade com o Artigo 5 (2) do Ato Constitutivo”.
  • Estabelecimento de um centro de migração no Sudão: A Assembléia defendeu “a proposta do Conselho Executivo sobre o estabelecimento do Centro Operacional Continental e de um escritório técnico especializado da UA no Sudão, para combater a migração irregular”.
  • Estabelecimento de um observatório sobre migração em Marrocos: A Assembleia apoiou “a assinatura de um acordo entre o Reino do Marrocos e a Comissão da União Africana para a operacionalização do Observatório Africano das Migrações, cujo objetivo é apoiar as iniciativas continentais existentes sobre migração, através da coleta, troca, análise e compartilhamento de dados, com vistas a enfrentar eficientemente os desafios da migração ”.
  • Adoção de instrumentos jurídicos nas seguintes áreas: Projeto de Tratado para o Estabelecimento da Agência Africana de Medicamentos; Projeto de Estatuto da Comissão Africana de Audiovisual e Cinema; Projetos de Estatutos do Centro Internacional da União Africana para a Educação de Meninas e Mulheres na África (AU /CIEFFA); Projeto de Política de Justiça de Transição da União Africana; e a alteração ao artigo 35 da Carta do Renascimento Cultural Africano.
  •   Datas da 33ª Cúpula da UA, em janeiro de 2020: 39ª Reunião do CRP (13 a 14 de        janeiro de 2020); 36ª Reunião do Conselho Executivo (27 a 28 de janeiro de 2020);        33ª Cúpula da UA (30-31 de janeiro de 2020).

Leia mais aqui

 

Presidente de Burkina Faso nomeia novo primeiro ministro

Via Anadolu Agency

O presidente de Burkina Faso, Roch Marc Christian Kaboré, nomeou nesta segunda-feira (21/01), o ex-ministro da saúde no governo de Blaise Compaoré, Christophe Dabiré, como novo primeiro-ministro, após a renúncia de todo o Executivo na última sexta-feira (18/01). Dabiré sucederá no cargo Paul Kaba Thieba, que vinha sofrendo pressão por parte da oposição em função do aumento dos atentados terroristas no leste do país.

Leia mais aqui

Atentado terrorista no Quênia deixa mortos e feridos

Via Kenya Today

Um atentado terrorista a um complexo hoteleiro localizado no norte de Nairóbi, capital do Quênia, deixou ao menos 21 mortos e dezenas de feridos nesta terça-feira (15/01). O grupo al Shabaab reivindicou a autoria do ataque. Originário da Somália, o grupo surgiu em 2007, após a derrota militar da União das Cortes Islâmicas (UIC) pela Força de Defesa Nacional Etíope (ENDF), a qual contou com o apoio dos EUA. Após vários atentados de baixa intensidade na Somália, baseados em táticas de guerrilha e de terrorismo, o al Shabaab expandiu sua área de atuação para o restante da região do chifre africano, realizando, inclusive, atentados a bomba em Kampala, Uganda, em 2010, e em Nairóbi e Garissa, Quênia, em 2013 e 2015, respectivamente. A presença militar do Quênia no território somali desde 2011, no âmbito da Missão da União Africana na Somália (AMISOM), explica, em parte, o grande número de atentados do al Shabaab em solo queniano desde 2013.

Leia mais aqui