Movimento pró-palestino cresce na África à medida que Israel busca penetrar no continente

Via: Anadolu Agency

“A crescente influência de Israel na África – incluindo a obtenção do status de observador na União Africana, a maior organização política do continente – enfureceu muitos ativistas pró-palestinos.

No mês passado, ativistas de toda a África se reuniram em Dakar, capital do Senegal, para mobilizar apoio à luta de libertação palestina sob o tema “Da África à Palestina, unidos contra o Apartheid”.

Ativistas na conferência reafirmaram a posição histórica da África sobre a Palestina e o vínculo inquebrável entre africanos e palestinos que compartilham uma luta comum contra a ocupação,o colonialismo e o apartheid.”

Leia mais aqui

OMS: Infecções e mortes por COVID-19 na África caem para níveis ainda mais baixos

Via: Aljazeera

“O número de casos e mortes por coronavírus na África caiu para seus níveis mais baixos desde o início da pandemia, marcando o declínio mais longo já visto na doença, segundo a Organização Mundial da Saúde.

Em um comunicado na quinta-feira, a agência de saúde da ONU disse que as infecções por COVID-19 devido ao surto de Omicron “caíram” de um pico de mais de 308.000 casos semanais para menos de 20.000 na semana passada. Casos e mortes caíram 29% e 37%, respectivamente, na última semana; as mortes diminuíram para 239 em relação à semana anterior.”

Leia mais aqui

Forças nigerianas e da União Europeia realizam exercícios antipirataria conjuntos no Comando Naval Ocidental em Lagos, para demonstrar suas capacidades no Golfo da Guiné

Via: Africa News

“A pirataria no Golfo da Guiné – lar dos dois principais produtores de petróleo da África Subsaariana, Nigéria e Angola – interrompeu seriamente as rotas marítimas internacionais e custou bilhões de dólares à economia global.

A ideia de reforçar a cooperação com a Nigéria tornou-se necessária, a fim de assegurar a monitorização coordenada do Golfo da Guiné pela UE e pelos seus estados membros.

Os países visitantes da União Européia, que incluem Itália, Espanha, Grécia e França, também devem enfrentar ameaças como pesca ilegal, tráfico e crimes transnacionais no Golfo da Guiné.”

Leia mais aqui