Senador Romário Quer que Seleções Brasileiras Sejam Patrimônio Cultural

Senador Romário Quer que Seleções Brasileiras Sejam Patrimônio Cultural

 À primeira vista, pode parecer mais uma lei absurda. No entanto, parece haver sentido no PL 444/2016, o projeto de lei que busca reconhecer as seleções do Brasil de todos os esportes e categorias, masculinas e femininas, como sendo patrimônio cultural do país.

 Desvios de dinheiro e outros escândalos de corrupção dentro da Confederação Brasileira de Futebol são uma pauta recorrente. A instituição, além de já ter sido alvo da CPI do Futebol, foi até investigada pelo FBI. Na ocasião, a unidade de polícia americana afirmou que R$ 120 milhões haviam sido recebidos em propina pela CBF. O dinheiro teria vindo de empresas interessadas em firmar acordos de transmissão ou exploração de marketing.

 O que acontece é que o projeto de Romário, ao alterar a Lei que institui normas gerais sobre o esporte, respinga na lei que dispõe sobre as funções do Ministério Público da União (mais precisamente, incisos I e III do artigo 5). A proposta, se aprovada, acarretaria em que as seleções seriam elevadas à condição de Patrimônio Histórico do país, passando a estar na mira das atribuições do MP. Ou seja, os promotores e procuradores passariam a possuir amplo acesso aos contratos da CBF e quaisquer outras confederações esportivas.

 Um projeto semelhante já havia sido proposto pelo senador Sílvio Torres e encontra-se em tramitação. A diferença é que o PL de Torres diz somente respeito à seleção de futebol, ao passo que o projeto de Romário abrange todos os esportes.

 Sem muitas papas na língua, o senador Romário vem expondo abertamente suas desavenças com as grandes instituições de futebol. O ex-jogador já declarou que  “A FIFA é 100% corrupta” e fez fortes críticas ao presidente da CBF, Marco Polo del Nero.

Texto do projeto: https://legis.senado.leg.br/sdleg-getter/documento?dm=564550&disposition=inline

Outros dados do projeto: https://www25.senado.leg.br/web/atividade/materias/-/materia/127740

 

Foto: Diário do Nordeste